SO­FRI­MEN­TO E RE­VOL­TA

CRÍ­TI­CAS LE­VAM APRE­SEN­TA­DOR A ISOLAR-SE MANIPULAÇÕES E VI­O­LÊN­CIA EXCESSO DE TRA­BA­LHO TE­RE­SA METIDA AO BARULHO

TV Guia - - Primeira Página - “Cus­ta-me ver uma ra­pa­ri­ga que diz ser uma mer­da e tem au­to­es­ti­ma ze­ro”, TEXTO JOÃO BÉNARD GARCIA I FOTOS COFINA MEDIA

"Não pro­te­jo nin­guém pe­la mi­nha ori­en­ta­ção se­xu­al"

Pe­la pri­mei­ra vez, o apre­sen­ta­dor re­ve­la co­mo es­tá a vi­ver a mais avas­sa­la­do­ra ex­pe­ri­ên­cia da sua vi­da. À TV Guia ga­ran­te pas­sar ao la­do das crí­ti­cas, diz que es­tá fo­ca­do em ga­nhar au­di­ên­ci­as, que não ali­men­tou vi­o­len­cia, que não tem fa­vo­ri­tos... nem o ca­sal gay,

com o qual se po­de­ria iden­ti­fi­car...

Os fãs da

Ca­sa dos Se­gre­dos 7, da TVI, es­tão a aper­tar o cer­co a Ma­nu­el Luís Gou­cha, de 63 anos. De­pois da sua pres­ta­ção na úl­ti­ma ga­la do pro­gra­ma, mui­tos fo­ram os ci­ber­nau­tas que ata­ca­ram o an­fi­trião do re­a­lity show da es­ta­ção de Qu­e­luz de Bai­xo, com acu­sa­ções de par­ci­a­li­da­de, sub­jec­ti­vi­da­de e até de in­co­e­rên­cia de prin­cí­pi­os. Con­fron­ta­do pe­la TV Guia, o apre­sen­ta­dor ga­ran­tiu que “as crí­ti­cas são nor­mais”, que se es­tá “nas tin­tas pa­ra a opi­nião dos ou­tros, por­que são pro­gra­mas que me­xem mui­to com as pes­so­as”, as­su­min­do que es­tá ape­nas “fo­ca­do em fa­zer as galas e ga­nhá-las”. “O que acon­te­ceu sem­pre, até agora. Não me des­fo­co, não leio es­sas coi­sas. Dei­xei de ler as re­des so­ci­ais. Vou ig­no­rar as crí­ti­cas. O pro­gra­ma es­tá bem co­mo es­tá. Acho que es­tá uma ca­sa mais se­re­na do que as an­te­ri­o­res.”

Os fãs e te­les­pec­ta­do­res têm uma visão e uma opi­nião di­fe­ren­te. E in­sis­tem em ex­pres­sar as su­as opi­niões. “Es­tá a des­truir o Se­cret Story 7” ou “ve­ja a ca­dei­ra quen­te após a ga­la, e per­ce­ba a sua pés­si­ma pos­tu­ra co­mo apre­sen­ta­dor”. Es­tas fo­ram al­gu­mas das men­sa­gens en­vi­a­das pe­los te­les­pec­ta­do­res, ho­ras após o fe­cho da emis­são do úl­ti­mo pro­gra­ma. Mas não fo­ram as úni­cas: nos di­as se­guin­tes à úl­ti­ma ga­la, cho­ve­ram crí­ti­cas pú­bli­cas, vá­ri­as, no Fa­ce­bo­ok ofi­ci­al de Ma­nu­el Luís Gou­cha, en­tre­me­a­das com de­cla­ra­ções de sa­tis­fa­ção e tam­bém de apoio de fãs de Gou­cha.

Aos 63 anos, de­pois de uma car­rei­ra es­tá­vel e sem­pre em cres­cen­do de po­pu­la­ri­da­de ao lon­go de qua­tro dé­ca­das, a es­tre­la da TVI es­tá a pro­var um fel a que não es­ta­va ha­bi­tu­a­do e a ter que sa­ber da exis­tên­cia de co­men­tá­ri­os du­ros, a acu­sá-lo de ser in­co­e­ren­te nos seus va­lo­res, co­mo es­cre­veu, in­dig­na­da, Ma­ria Cas­tro: “Ma­nu­el (…) é inad­mis­sí­vel, quan­do fa­la tan­to sobre vi­o­lên­cia no seu pró­prio pro­gra­ma, com­pac­tu­a­rem com es­ta si­tu­a­ção. (…). Re­al­men­te, é la­men­tá­vel. Fa­zia de si um Se­nhor... Sei que tem de se­guir um guião, mas com­pac­tu­ar com is­to? Não... Di­ga não à vi­o­lên­cia. Se­ja ela ver­bal ou não ver­bal... On­tem [do­min­go, 8] de­si­lu­diu-me, e tam­bém a mui­tos por­tu­gue­ses. Quan­do no seu pro­gra­ma da ma­nhã vi­er de­fen­der as ví­ti­mas de vi­o­lên­cia do­més­ti­ca pen­se du­as ve­zes.”

“IMPOSSÍVELAGRADARATODOS”

À mar­gem de um even­to, Ma­nu­el Luís Gou­cha re­ve­lou à nos­sa re­vis­ta que con­si­de­ra ser “im­pos­sí­vel agra­dar a to­dos”. “A Te­re­sa Gui­lher­me e a Jú­lia Pi­nhei­ro tam­bém não agra­da­ram” por­que “es­te pro­gra­ma pu­xa pe­lo pi­or epe­lo­me­lhor­quehá­nas­pes­so­as”.E dá um exem­plo ac­tu­al, em con­so­nân­cia com as crí­ti­cas de que tem si­do al­vo: “Es­cre­ve­ram que fui par­ci­al em re­la­ção ao Nu­no e que de­fen­do a vi­o­lên­cia. Eu de­san­quei o Nu­no por­que ele usa a vi­o­lên­cia quan­do de­ve usar o diá­lo­go e dis­se-lhe no con­fes­si­o­ná­rio que é com di­plo­ma­cia que se re­sol­ve as coi­sas. Que­rem o quê? Que ma­te o Nu­no, só por­que ele dis­cu­tiu com o ou­tro e lhe pro­me­teu pan­ca­da cá fo­ra? Cal­ma, já hou­ve coi­sas mais gra­ves em ou­tras ca­sas dos se­gre­dos. Acho que es­te gru­po até é bas­tan­te ci­vi­li­za­do”, de­fen­de.

ACUSADODEINSTIGARAVIOLÊNCIA

Tó Zé, ou­tro fre­quen­ta­dor iden­ti­fi­ca­do da re­de so­ci­al Fa­ce­bo­ok, tam­bém en­vi­ou uma mensagem a Ma­nu­el Luís Gou­cha e não pe­las me­lho­res ra­zões: “Co­mo é pos­sí­vel in­sur­gir-se contra e com­ba­ter a vi­o­lên­cia de ma­nhã, no Vo­cê na TV!, e à noi­te, no SS7, en­co­brir, des­cul­pa­bi­li­zar e ser co­ni­ven­te com as sé­ri­as ameaças de vi­o­lên­cia pro­ta­go­ni­za­das por um con­cor­ren­te?! On­de es­tá a sua co­e­rên­cia? On­de es­tão os va­lo­res ci­vi­li­za­ci­o­nais que tan­to apre­goa? On­de es­tá a fron­ta­li­da­de e sen­ti­do de Jus­ti­ça que afir­ma pos­suir? On­de

“Não sei se es­ta­va pre­pa­ra­do pa­ra is­to. Nun­ca ti­nha pas­sa­do por uma ex­pe­ri­ên­cia

tão in­ten­sa”

es­tá a sua obri­ga­ção, en­quan­to fi­gu­ra pú­bli­ca, de ter uma ati­tu­de as­ser­ti­va e pe­da­gó­gi­ca pe­ran­te a so­ci­e­da­de? Ti­nha-o em ele­va­da con­si­de­ra­ção. Ho­je mos­trou ser uma enor­me de­si­lu­são! Re­flic­ta sobre is­to… se fi­zer o ob­sé­quio de ler es­te co­men­tá­rio...!”

Ma­ria Cas­tro e Tó Zé são dois exem­plos de pes­so­as de­si­lu­di­das com as ati­tu­des pro­fis­si­o­nais de Gou­cha, a quem se jun­ta­ram ci­ber­nau­tas co­mo Ana Car­do­so, ou­tras das uti­li­za­do­ras ac­ti­vas do Fa­ce­bo­ok, que cul­pa­bi­li­za o apre­sen­ta­dor por um epi­só­dio em que o es­te te­rá apoi­a­do a con­cor­ren­te Gabriela e a te­rá in­cen­ti­va­do a re­be­lar-se contra o na­mo­ra­do, César, que ale­ga­da­men­te sobre ela exer­ce­ria vi­o­lên­cia psi­co­ló­gi­ca: “Foi feio o que fez ao César SS 7 nun­ca mais ve­rei es­ta Ca­sa. De­se­jo-lhe boa sor­te.”

Ví­tor Mou­ra vai mais lon­ge e clas­si­fi­ca co­mo “as­que­ro­sa a pro­tec­ção que o Ma­nu­el dá à Gabriela. Ela nes­ta his­tó­ria não é ví­ti­ma, é agres­so­ra” e Cristina Da­ma­bi­ah aler­tou pa­ra o fac­to de a pro­du­ção de­ver “es­tar à es­pe­ra que ela te­nha um sur­to psi­có­ti­co, pa­ra su­bi­rem ain­da mais

as au­di­ên­ci­as!”

O “CA­SO GABRIELA”

Sobre Gabriela, Ma­nu­el Luís tam­bém tem uma ex­pli­ca­ção e não he­si­tou em re­ve­lá-la, à nos­sa re­vis­ta: “Dis­se à Gabriela: ‘Gos­to de si’. Es­tou sem­pre do la­do de quem sofre. E ali te­mos al­guém a so­frer. Ela tem um com­por­ta­men­to de­se­qui­li­bra­do aten­den­do ao pas­sa­do de vi­o­lên­cia que vi­veu. Faz-me mui­ta con­fu­são ou­vir uma jo­vem da­que­la ida­de a di­zer: ‘Es­tou na mer­da’ ou que tem ‘a au­to­es­ti­ma a ze­ro’. O que lhe dis­se foi: ‘gos­to de si, divirta-se e dei­xe de vi­ver o jo­go do César’ pe­lo qual ela vi­via ob­ce­ca­da. Acho que ela en­ten­deu mal e pas­sou a ser agres­si­va de mais”, acres­cen­ta o apre­sen­ta­dor.

ES­TAR PRE­PA­RA­DO... OU NÃO ES­TAR

Ga­ran­tin­do não es­tar a to­mar par­ti­do por nin­guém, Ma­nu­el Luís Gou­cha as­su­miu que sem­pre se fa­la­rá, se­ja nas re­des so­ci­ais ou na im­pren­sa, de “ma­ni­pu­la­ção”. “Ma­ni­pu­la­ção é a pa­la­vra-cha­ve de to­das as sé­ri­es da Ca­sa dos Se­gre­dos. A Te-

re­sa Gui­lher­me tam­bém já pas­sou por es­sas acu­sa­ções.”

Quanto a es­tar pre­pa­ra­do, ou não, pa­ra es­te desafio, Gou­cha re­a­ge: “Não sei se es­ta­va pre­pa­ra­do pa­ra is­to por­que nun­ca ti­nha pas­sa­do por uma ex­pe­ri­ên­cia tão in­ten­sa, mas acho que es­tou pre­pa­ra­do pa­ra is­to e mui­to mais. Só não pos­so é por-me a ler os co­men­tá­ri­os de­pre­ci­a­ti­vos e per­der o fo­co. O que im­por­ta é che­gar às galas em bom, fa­zer bem e na se­gun­da-fei­ra ver que ga­nhá­mos nas au­di­ên­ci­as”, es­cla­re­ce, adi­an­tan­do ou­tro dos seus ob­jec­ti­vos: “Não sou pes­soa de vi­ver no chi­ne­lo. Sou o Ma­nu­el Luís Gou­cha que co­nhe­cem e o que têm de re­co­nhe­cer em mim é a ele­gân­cia e a cal­ma com que es­tou na vi­da. E is­so tem ca­ti­va­do as clas­ses A e B (as mais al­tas) pa­ra o pro­gra­ma. Ana­li­sem as au­di­ên­ci­as e vão ver que trou­xe ao pro­gra­ma so­bri­e­da­de e ele­gân­cia. Po­de­rei ser ex­ces­si­vo e par­ci­al em al­gu­mas coi­sas, mas há um pa­drão que vou man­ter até ao fim. Gos­te-se ou não.”

ÀBEIRADOESGOTAMENTO

Aos 63 anos, Ma­nu­el Luís Gou­cha es­tá a vi­ver o desafio “mais in­ten­so” de to­da a sua car­rei­ra. “Che­go a es­tar se­te ho­ras se­gui­das a ver o pro­gra­ma no ca­nal 12, ve­jo o blo­co de 30 mi­nu­tos que me en­vi­am to­dos os di­as. É tra­ba­lho­so, sim, mas acei­tei o desafio e te­nho de o agar­rar e ga­nhar. Era pre­ci­so tor­nar cre­dí­vel os re­a­lity em Por­tu­gal, após a des­gra­ça do Lo­ve on Top”, re­ma­ta, em ex­clu­si­vo.

“Não me des­fo­co. Dei­xei de ler as re­des so­ci­ais. Vou ig­no­rar as crí­ti­cas. Es­tou fo­ca­do em fa­zer

galas”

O com­pa­nhei­ro Rui Oliveira é o gran­de apoio de Gou­cha. Há um mês e meio que o apre­sen­ta­dor não ia ao seu mon­te em Mon­for­te. Foi es­ta se­ma­na.

diz Gou­cha, re­fe­rin­do-se a Gabriela.

Cristina Fer­rei­ra tem si­do ou­tro apoio do apre­sen­ta­dor.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.