CA­NA­LHA À SOL­TA NA TVI

TV Guia - - A ESCALDAR - O Tal CA­NAL POR PAU­LO ABREU CHE­FE DE RE­DAC­ÇÃO

To­dos sa­be­mos que Ju­di­te Sou­sa é um al­vo fá­cil pa­ra mui­tos, prin­ci­pal­men­te dos pa­ra­si­tas e co­bar­des, aque­les que, nas re­des so­ci­ais, por trás de per­fis fal­sos, des­ti­lam ódio, in­ve­ja, ciúmes e in­sul­tos gra­tui­tos. Des­ta vez, a jor­na­lis­ta da TVI, com um per­cur­so pro­fis­si­o­nal ima­cu­la­do de mais de 30 anos, foi ví­ti­ma de uma ca­na­lhi­ce de um co­le­ga.

No Rio de Ja­nei­ro, im­pos­si­bi­li­ta­da de fa­zer um di­rec­to num de­ter­mi­na­do lo­cal, por cau­sa do ex­ces­so de lu­mi­no­si­da­de que afec­ta a sua vi­são (os of­tal­mo­lo­gis­tas cha­mam-lhe fo­to­fo­bia), dis­cu­te com o re­pór­ter de ima­gem, che­gan­do mes­mo a di­zer, em de­ses­pe­ro de cau­sa, que quem man­da ali é ela. Ob­vi­a­men­te. Além do seu pas­sa­do, re­cor­do que é di­rec­to­ra ad­jun­ta de In­for­ma­ção da es­ta­ção. Mas pas­se­mos à fren­te da ino­cên­cia ir­ri­tan­te de Ri­car­do Sil­va, que a acom­pa­nhou na der­ra­dei­ra se­ma­na de cam­pa­nha elei­to­ral no Bra­sil, ao in­sis­tir nu­ma si­tu­a­ção que chei­ra a de­sau­to­ri­za­ção a uma su­pe­ri­or hi­e­rár­qui­ca: quem a quis ama­chu­car, hu­mi­lhar ou até des­truir?

Já em Por­tu­gal, ma­go­a­da, de­si­lu­di­da, tris­te e re­vol­ta­da com o rou­bo das ima­gens da dis­cus­são com o seu co­le­ga, Ju­di­te Sou­sa de­sa­ba­fou, na re­de so­ci­al Ins­ta­gram: “Só te­nho mes­mo de es­tar pre­o­cu­pa­da com quem me quer tra­mar na TVI. E is­so ago­ra vai ter de ser des­co­ber­to. Cus­te o que custar. A mim e à em­pre­sa que me con­tra­tou em 2011.” Na­tu­ral­men­te. E o que se im­põe, por­tan­to, nes­te mo­men­to, é o di­rec­tor de In­for­ma­ção, Sér­gio Fi­guei­re­do, e a ad­mi­nis­tra­ção da Me­dia Ca­pi­tal uni­rem-se em re­dor de um dos seus me­lho­res ac­ti­vos (e pa­re­ce-me que es­tão) e irem até ao fim no apu­ra­men­to da des­co­ber­ta da tal tou­pei­ra, com ou sem aju­da da Po­lí­cia Ju­di­ciá­ria, por­que o que acon­te­ceu é gra­vís­si­mo, que man­cha a his­tó­ria de qu­al­quer TV. Ah, so­bre a dis­cus­são en­tre Ju­di­te Sou­sa e Ri­car­do Sil­va, no Rio de Ja­nei­ro, ape­te­ce-me di­zer uma coi­sa: só quem nun­ca tra­ba­lhou ou, nes­te ca­so, quem não é jor­na­lis­ta é que nun­ca pas­sou por uma si­tu­a­ção se­me­lhan­te no ter­re­no – pa­ra mim, a dis­cus­são é ba­na­lís­si­ma e só ga­nha um con­tor­no des­tes por­que al­guém rou­bou as ima­gens com o ob­jec­ti­vo de ma­tar pro­fis­si­o­nal­men­te al­guém. O que eu te­ria fei­to? Eu te­ria di­to uma c ******** , em voz al­ta, e ar­ru­ma­va com a ques­tão lo­go à pri­mei­ra re­sis­tên­cia do meu ca­ma­ra­da. Era lim­pi­nho, lim­pi­nho.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.