PENHORADA nas te­le­vi­sões

Mi­ca­e­la Tri­bu­nal pede à RTP, SIC e TVI que apa­nhem a in­tér­pre­te de Chu­pa no de­do A can­to­ra foi con­de­na­da a pa­gar 20 mil eu­ros pe­los cri­mes de ofen­sa à honra e bom no­me do emi­gran­te Car­los Qu­a­res­ma e es­te acu­sa-a de an­dar a fu­gir. Ela diz que não fo­ge. Só

TV Guia - - ESTRELAS - TEX­TO HUGO AL­VES E JOÃO BÉNARD GAR­CIA | FOTOS CO­FI­NA ME­DIA

ARTP, SIC e TVI re­ce­be­ram no­ti­fi­ca­ções ju­di­ci­ais pa­ra exe­cu­tar pe­nho­ras de cré­di­tos a to­dos os pa­ga­men­tos que es­tas te­le­vi­sões fi­ze­rem a Mi­ca­e­la, a voz do su­ces­so musical Chu­pa no de­do .As três es­ta­ções fo­ram no­ti­fi­ca­das de que de­ve­rão re­ter to­dos os ca­chets de­vi­dos à ar­tis­ta até ao mon­tan­te de 24 454,49 eu­ros e, nas no­tas de pe­nho­ra, têm se­gui­do có­di­gos de re­fe­rên­cia pa­ra pa­ga­men­tos em mul­ti­ban­co.

O va­lor avul­ta­do, acres­ci­do de ju­ros, re­sul­ta de uma con­de­na­ção ju­di­ci­al, re­co­nhe­ci­da pe­lo Tri­bu­nal da Re­la­ção de Lis­boa a 11 de Agos­to de 2017, num pro­ces­so por di­fa­ma­ção em que Mi­ca­e­la pro­vo­cou, com as su­as de­cla­ra­ções, “da­nos na honra, bom no­me e con­si­de­ra­ção do au­tor”, o emi­gran­te Car­los Qu­a­res­ma, re­si­den­te há mais de 40 anos na Sué­cia, a quem cha­mou pu­bli­ca­men­te “bur­lão”.

José Or­lan­do, o agen­te e ac­tu­al com­pa­nhei­ro da can­to­ra da Mar­gem Sul, re­ve­la à TV Guia es­tar “ao cor­ren­te do que se pas­sa” e acres­cen­ta que ele e a na­mo­ra­da têm uma es­tra­té­gia em re­la­ção ao ca­so. “Não es­ta­mos a pa­gar por­que va­mos re­cor­rer”, dis­se, sen­do que, de acor­do com o que a nos­sa re­vis­ta con­fir­mou jun­to de um ju­ris­ta, “nes­te pro­ces­so, até pe­lo va­lor da in­dem­ni­za­ção [in­fe­ri­or a 30 001€], é im­pos­sí­vel re­cor­rer pa­ra o Su­pre­mo Tri­bu­nal. Aqui não há pra­zos pa­ra ri­go­ro­sa­men­te na­da.”

José Or­lan­do con­ti­nua, to­da­via, a ma­ni­fes­tar con­vic­ção de que o as­sun­to tem so­lu­ção. “Éra­mos pa­ra re­cor­rer, mas dei­xá­mos pas­sar o pra­zo na Re­la­ção por­que an­dá­va­mos em es­pec­tá­cu­los e não fo­mos a tem­po. Ago­ra mu­dá­mos de ad­vo­ga­do e es­ta­mos a re­cor­rer pa­ra ou­tra ins­tân­cia”, diz o agen­te musical, avan­çan­do uma das ra­zões da dis­cor­dân­cia: “Va­mos ten­tar re­a­brir o pro­ces­so por­que há er­ros gra­vís­si­mos na sen­ten­ça e o nos­so ad­vo­ga­do es­tá a re­cor­rer”, in­sis­te.

“BURLONA” OU “BUR­LÃO”?

O emi­gran­te Car­los Qu­a­res­ma, que aguar­da a opor­tu­ni­da­de de lo­ca­li­zar Mi­ca­e­la e de lhe co­brar os 20 mil eu­ros de in­dem­ni­za­ção, acres­ci­dos de ju­ros de mo­ra e cus­tas ju­di­ci­ais, ga­ran­te que “o se­nhor José Or­lan­do é par­vo ou en­tão não sa­be que não po­de re­cor­rer pa­ra la­do al­gum”. “Mes­mo que qui­ses­se ir a al­gum la­do, es­go­tou o pra­zo e ago­ra a Mi­ca­e­la só an­da a fu­gir às Fi­nan­ças, à Se­gu­ran­ça Social e aos tri­bu­nais. É que nem se­quer pa­gou os dois ter­ços da par­te de­la das cus­tas.”

O com­pa­nhei­ro da in­tér­pre­te de mú­si­ca po­pu­lar dis­cor­da das acu­sa­ções de Car­los Qu­a­res­ma e con­tra-ata­ca com os mes­mos ar­gu­men­tos que a na­mo­ra­da: “O pro­ble­ma é que es­te se­nhor lu­di­bri­ou meio mun­do. A Mi­ca­e­la cha­mou-lhe bur­lão na te­le­vi­são, e com ra­zão, e o se­nhor pôs-lhe um pro­ces­so em tri­bu­nal que ela ga­nhou na pri­mei­ra ins­tân­cia. Só que ele re­cor­reu e ven­ceu.

Ago­ra fa­ça o que qui­ser, não nos pre­ju­di­ca na­da. Man­de os pa­péis pa­ra quem qui­ser. Só nos quer mas­sa­crar e tem ne­ces­si­da­de de apa­re­cer.” ●

O emi­gran­te por­tu­guês Car­los Qu­a­res­maes­tá a aper­tar o cer­co à can­to­ra.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.