Jú­lia faz BRU­XE­DO pa­ra afas­tar Di­a­na

De­ses­pe­ra­da, a vi­lã re­cor­re a uma ma­dei­xa de ca­be­lo hu­ma­no e a uma ora­ção pa­ra afas­tar a tra­pe­zis­ta da fi­lha. É apa­nha­da por Vi­tó­ria, que a in­ter­ro­ga. Um vi­dro par­te-se sem mo­ti­vo e a jo­vem fi­ca em pâ­ni­co e sai

TV Guia - - NOVELAS - TEX­TO ISA­BEL LARANJO

Dis­pos­ta a tu­do pa­ra pro­te­ger a fi­lha, Jú­lia (So­raia Cha­ves) re­cor­re à bru­xa­ria pa­ra afas­tar Di­a­na (Cláu­dia Vi­ei­ra) de Vi­tó­ria (Ma­da­le­na Al­mei­da). Jú­lia en­tra em ca­sa, per­tur­ba­da. Pou­sa as su­as coi­sas e di­ri­ge-se pa­ra o lo­cal on­de tem o li­vro de fei­ti­ços es­con­di­do. Abre uma das pá­gi­nas, on­de te­rá guar­da­do os ca­be­los de­la e de Vi­tó­ria, que cor­tou sem a fi­lha dar por is­so. Abre nu­ma das pá­gi­nas, con­cen­tra-se e faz uma ora­ção. Tu­do pa­re­cia cor­rer de fei­ção, só que Di­a­na é con­fron­ta­da por Vi­tó­ria.

A ra­pa­ri­ga que vem da co­zi­nha, com um co­po de lei­te na mão e um ar mui­to aba­ti­do. Nis­to, ao pro­cu­rar um li­vro na es­tan­te, en­con­tra o dos fei­ti­ços, que já es­tá es­con­di­do com as ma­dei­xas de ca­be­lo e fo­to­gra­fi­as lá den­tro. É en­tão que Di­a­na vol­ta à sa­la e é con­fron­ta­da com o acha­do. “O que é is­to? An­das ou­tra vez me­ti­da em bru­xa­ri­as?”, questiona, as­sus­ta­da. “Não é o que es­tás a pen­sar”, res­pon­de a mãe, cons­tran­gi­da. “En­tão, o que é es­te li­vro?! Pen­sei que já não fa­zi­as es­tas coi­sas. Ex­pli­ca-me es­te dis­pa­ra­te… Is­to é ca­be­lo meu.”

A pro­ge­ni­to­ra jus­ti­fi­ca que, em de­ses­pe­ro, tinha de ten­tar de tu­do pa­ra re­sol­ver uma si­tu­a­ção. É qu­an­do Vi­tó­ria se in­sur­ge: “Tam­bém fi­zes­te um fei­ti­ço pa­ra ma­tar o Fer­nan­do?”

Pe­ran­te to­da a si­tu­a­ção, Vi­tó­ria, num re­pen­te, de­ci­de sair de ca­sa. Vai ao quar­to e, pou­co de­pois, vol­ta com uma mo­chi­la. É qu­an­do o pi­or acon­te­ce: Jú­lia pede-lhe que não vá e gri­ta: “Não!” É qu­an­do, sem qual­quer mo­ti­vo, um vi­dro par­te­se, dei­xan­do mãe e fi­lha em pâ­ni­co. “És com­ple­ta­men­te lou­ca!”, acu­sa Vi­tó­ria. Jú­lia re­pa­ra na mo­chi­la e per­gun­ta à fi­lha pa­ra on­de vai. “Vou ter com o meu pai!” Jú­lia re­ce­be o em­ba­te, mas nem tem tem­po de re­a­gir, pois Vi­tó­ria sai, ati­ran­do com a por­ta. Jú­lia fi­ca des­fei­ta e com­ple­ta­men­te de­so­ri­en­ta­da. A cam­pai­nha to­ca in­ces­san­te­men­te. An­dré en­tra vin­do da co­zi­nha, aler­ta­do e es­tra­nhan­do

“Tam­bém fi­zes­te um fei­ti­ço pa­ra

ma­tar o Fer­nan­do?” Vi­tó­ria pa­ra Jú­lia

a in­sis­tên­cia. Qu­an­do abre, fi­ca es­pan­ta­dís­si­mo ao ver Vi­tó­ria fo­ra de si, com os olhos ver­me­lhos e in­cha­dos de tan­to cho­rar. “Vi­tó­ria… O que é que se passou?”, per­gun­ta o ra­paz. Vi­tó­ria con­ta o que se passou em ca­sa da mãe e im­plo­ra a An­dré pa­ra fi­car em sua ca­sa. “Não te­nho ou­tro sí­tio pa­ra on­de ir”, ar­gu­men­ta, de­ses­pe­ra­da. An­dré fi­ca sur­pre­en­di­do e sem gran­de re­ac­ção ao que se es­tá a pas­sar. Vi­tó­ria in­sis­te mui­to pa­ra que ele lhe dê abri­go e avi­sa que não vai mes­mo vol­tar pa­ra jun­to de Jú­lia. “Não vol­to pa­ra ca­sa da mi­nha mãe.” ●

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.