“Sen­ti-me ENGANADA” “amar­ras do pas­sa­do” “ati­tu­des dra­má­ti­cas”.

A con­cor­ren­te de Ca­sa­dos à Pri­mei­ra Vis­ta acre­di­tou que po­dia ter en­con­tra­do o seu prín­ci­pe en­can­ta­do, mas en­ga­nou-se. Re­ve­la que o ex-ma­ri­do es­ta­va pre­so a e, ape­sar de nun­ca ter sen­ti­do me­do do com­pa­nhei­ro, re­al­ça as su­as Após qua­tro me­ses de ali­an­ça,

TV Guia - - REALITY TV - TEX­TO I FO­TOS E

Ins­cre­veu-se no Ca­sa­dos à Pri­mei­ra Vis­ta com o ver­da­dei­ro pro­pó­si­to do re­a­lityshow: en­con­trar um ho­mem dis­po­ní­vel pa­ra as­su­mir uma re­la­ção sé­ria e que qui­ses­se re­al­men­te ca­sar, com tu­do aqui­lo que o ca­sa­men­to im­pli­ca. Da­ni­e­la Gui­lher­me, de 35 anos, en­tre­gou a es­co­lha do seu prín­ci­pe en­can­ta­do nas mãos dos qua­tro es­pe­ci­a­lis­tas do pro­gra­ma que, se­gun­do a pró­pria, a “com­pre­en­de­ram per­fei­ta­men­te”.

Acha­ram que Da­ni­el, tam­bém de 35 anos, se­ria a pes­soa ide­al pa­ra pre­en­cher to­dos os re­qui­si­tos da se­tu­ba­len­se, mas, ape­sar de se ver na te­le­vi­são que, na fi­nal, o ca­sal re­no­va os vo­tos, a re­la­ção du­rou ape­nas mais du­as se­ma­nas. De­pois das câ­ma­ras se te­rem des­li­ga­do, eles vi­ram-se ape­nas uma vez! Após aban­do­nar Ca­sa­dos à Pri­mei­ra Vis­ta, Da­ni­e­la dá a sua pri­mei­ra en­tre­vis­ta à TV Guia, em que abre o co­ra­ção e con­ta tu­do aqui­lo que sen­tiu du­ran­te os me­ses do pro­gra­ma. De­si­lu­di­da com o ho­mem que te­ve a seu la­do, e com qu­em nem uma ami­za­de man­tém, a can­di­da­ta afir­ma que “até ho­je não co­nhe­ce” a pes­soa com qu­em di­vi­diu uma ca­ma e des­ven­da que foi ele qu­em lhe pe­diu pa­ra que o en­la­ce con­ti­nu­as­se, mes­mo que lon­ge dos ho­lo­fo­tes da fa­ma. Da­ni­e­la dis­po­ni­bi­li­zou-se a su­bir ao al­tar com um des­co­nhe­ci­do. Ga­ran­te que não fez qual­quer men­ção aos atri­bu­tos fí­si­cos da pes­soa com qu­em iria tro­car as ali­an­ças. Aliás, afir­mou que até po­dia ser “uma pes­so­a­mais­fei­i­nha”. Co­nhe­ceu Da­ni­el quan­do che­gou ao al­tar e o clic foi qua­se ime­di­a­to. O ca­sal con­si­de­ra que até te­ve “um ca­sa­men­to de so­nho”. “Achei pi­a­da ele ter aque­le ar de ga­lã e ser to­do ro­mân­ti­co. Gos­tei que me ti­ves­se bei­ja­do a mão. Hou­ve um à-von­ta­de ime­di­a­to. Ele con­se­guia olhar-me nos olhos e is­so era im­por­tan­te pa­ra mim. Ha­via uma em­pa­tia.

Is­so foi re­al e ge­nuí­no.”

Mas o que pa­re­cia ter to­dos os in­gre­di­en­tes pa­ra se es­cre­ver um con­to de fa­das, ra­pi­da­men­te per­deu o bri­lho ini­ci­al.

Na lua de mel,

em Pi­pa, no Bra­sil, ape­sar dos mo­men­tos ro­mân­ti­cos que pas­sa­ram, Da­ni­e­la aper­ce­beu-se de que al­go não es­ta­va bem. “Hou­ve uma do­se de ro­man­tis­mo e en­tre­ga. As coi­sas co­me­ça­ram a fa­lhar já no fi­nal. Sen­ti que ele não es­ta­va pron­to pa­ra uma re­la­ção. Que es­ta­va pre­so ao pas­sa­do e, lo­go aí, ques­ti­o­nei aos es­pe­ci­a­lis­tas por que é que me ti­nham jun­ta­do a ele. Não fa­zia sen­ti­do.”

Se­gun­do a pro­fes­so­ra de io­ga, es­ta par­ti­ci­pa­ção pa­ra Da­ni­el foi co­mo dar uma opor­tu­ni­da­de a si mes­mo pa­ra se­guir em fren­te, o que a co­lo­cou nu­ma po­si­ção in­jus­ta. “Acho que ele se ins­cre­veu por­que que­ria ul­tra­pas­sa­ra re­la­ção pas­sa­da. Os es­pe­ci­a­lis­tas dis­se­ram-lhe que ti­nha de se li­ber­tar das amar­ras e ele viu aqui fer­ra­men­tas im­por­tan­tes pa­ra que o con­se­guis­se fa­zer. Acre­di­tei que, se o Da­ni­el se fos­se li­ber­tan­do des­se pas­sa­do, po­dia ha­ver es­pa­ço pa­ra cons­truir­mos al­go nos­so”, ex­pli­ca em en­tre­vis­ta ex­clu­si­va à nos­sa re­vis­ta.

ELE É QUE QUIS CON­TI­NU­AR CA­SA­DO

Da­ni­e­la re­ve­la ago­ra que, ao lon­go dos me­ses do re­a­lityshow, pen­sou vá­ri­as ve­zes em es­cre­ver “ter­mi­nar” na ar­dó­sia. No en­tan­to, foi Da­ni­el qu­em sem­pre lhe pe­diu pa­ra que não o fi­zes­se e que a fez acre­di­tar que o amor po­dia nas­cer en­tre eles. “Não que­ria re­no­var os vo­tos. Aliás, dis­se-lhe que não fa­zia sen­ti­do ir re­no­var uma ami­za­de por­que ele não gos­ta­va de mim de ou­tra for­ma. Ele mu­da­va sem­pre que eu que­ria de­sis­tir. Fi­ca­va su­per­que­ri­do co­mi­go... Da­va-me a vol­ta.”

Foi ex ata men­te aqui­lo que, se­gun­do Da­ni­el a, o ex-ma­ri­do fez no dia da gran­de de­ci­são fi­nal .“No úl­ti­mo dia, ia di­zer que que­ri­a­mes­mo ter­mi­na re­ex­pli­quei-lhe que, se fos­se pa­ra re­no­var os vo­tos, que era pa­ra ter­mos um na­mo­ro cá fo­ra. Gos­ta­va ge­nui­na­men­te de­le. Es­ta­va ater sen­ti­men­tos por ele, até que, de­pois, vi em ca­sa o que ele di­zia aos ou­tros con­cor­ren­tes, que não ti­nha qual­quer sen­ti­men­to por mim.”

No dia da úl­ti­ma gra­va­ção, Da­ni­el ele­vou ain­da mais as ex­pec­ta­ti­vas de Da­ni­e­la. “Ele que­brou o pro­to­co­lo e pe­diu au­to­ri­za­ção pa­ra me ver. Pe­diu-me pa­ra lhe dar uma

opor­tu­ni­da­de, par anão de­sis­tir de­le e que não con­se­guia ima­gi­nar a sua vi­da sem mim. De­ci­di dar uma opor­tu­ni­da­de à re­la­ção cá fo­ra. Quis que ten­tás­se­mos vi­ver a nos­sa re­la­ção de for­ma nor­mal.”

A RE­VOL­TA

Da­ni­e­la acre­di­tou nos sen­ti­men­tos de Da­ni­el, mais uma vez. Mas, nas se­ma­nas que se se­gui ra­ma ofimd ore alityshow da SIC, o ca­sal viu-se ape­nas uma vez .“De­pois das gra­va­ções, vi mo-no su­ma vez em 15 di­as e por in­sis­tên­cia mi­nha. E es­sa vez até foi gi­ra! Es­ti­ve­mos jun­tos, fo­mos jan­tar com uns ami­gos de­le a Lis­boa, ele fi­cou a dor­mir em Se­tú­bal...” E a par­tir daí, pou­co ou na­da sou­be do, na al­tu­ra, ain­da ma­ri­do. Foi a pro­fes­so­ra de io­ga qu­em pe­diu o di­vór­cio. O que sen­tiu nos pri­mei­ros tem­pos não foi o me­lhor. “Sen­ti-me enganada! Ele nun­ca me dis­se que não gos­ta­va de mim e is­so ma­go­ou-me. Quis fi­car no pro­gra­ma até ao fim pa­ra quê? Nun­ca ti­ve uma res­pos­ta, nem vou ter. Sei que ele nun­ca ma vai dar! Te­ve de ser um tra­ba­lho meu. Ti­ve de per­do­ar e avan­çar com a mi­nha vi­da. Se­ria mais fá­cil se ele con­se­guis­se ex­pres­sar as coi­sas. O meu grau de acei­ta­ção é mui­to gran­de.”

Ape­sar de tu­do, faz um ba­lan­ço po­si­ti­vo des­ta ex­pe­ri­ên­cia. No en­tan­to, há al­go que con­si­de­ra “tris­te”. “Es­ti­ve­mos ca­sa­dos qua­tro me­ses e che­guei ao fim sem con­se­guir com­pre­en­der o Da­ni­el. Até ho­je, não

sei qu­em ele é.”

Sem ta­bus, a con­cor­ren­te con­fes­sa que cho­rou em ca­sa com a se­pa­ra­ção. “Fiz o meu lu­to em ca­sa e cho­rei. Não dei­xa de ser uma per­da. Quan­do to­mei a de­ci­são de pe­dir o di­vór­cio, cho­re ias mi­nhas lá­gri­mas. Aque­la pes­soa não me es­ta­va a fa­zer fe­liz, mas não quis fi­car com ‘ses’. Daí ter ar­ras­ta­do es­ta re­la­ção pa­ra fo­ra dos ecrãs.” Des­ta ex­pe­ri­ên­cia, fi­na­li­za Da­ni­e­la, nem a ami­za­de so­bre­vi­veu en­tre os dois .“In­de­pen­den­te­men­te do que acon­te­ceu, sem­pre es­ti­ve dis­pos­ta em man­ter uma ami­za­de.Até por­que tu­do o que pas­sá­mos fez com que hou­ves­se um elo. Pen­sa­va eu que sim... Mas de­pois sen­ti que não há! Nem eu pró­pria te­nho es­sa von­ta­de. É es­tra­nho .”●

CA­RO­LI­NA PIN­TO FER­REI­RALI­LI­A­NA PE­REI­RAD.R.

Se­gun­do Da­ni­e­la, foi o ex-ma­ri­do qu­em quis con­ti­nu­ar ca­sa­do, mes­mo de­pois do pro­gra­ma ter­mi­nar. Em 15 di­as, vi­ram-se ape­nasuma vez.

Du­ran­te o re­a­lity show da SIC, Da­ni­el e Da­ni­e­la con­ven­ce­ramos por­tu­gue­ses de que o seu amor era ver­da­dei­ro. Da­ni­e­la ga­ran­te que, no dia do ca­sa­men­to, hou­ve umagran­de cum­pli­ci­da­de en­tre o ca­sal e que acre­di­tou que a re­la­ção po­dia dar cer­to.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.