Cláu­dia Vi­ei­ra em for­ma aos 40.

CO­MO CLÁU­DIA VI­EI­RA É TU­DO IS­TO E MUI­TO MAIS

Women's Health (Portugal) - - SUMÁRIO - POR PE­DRO LU­CAS | FO­TO­GRA­FI­AS PE­DRO FER­REI­RA | STY­LING GA­BRI­E­LA PINHEIRO

A atriz por­tu­gue­sa re­pre­sen­ta to­dos os ide­ais Wo­men’s He­alth, lo­go faz to­do o sen­ti­do tê-la co­mo pro­ta­go­nis­ta des­ta edi­ção es­pe­ci­al.

Mui­tas mu­lhe­res po­de­rão es­tar a ques­ti­o­nar-se so­bre o porquê de vol­tar­mos a ter Cláu­dia Vi­ei­ra na capa da Wo­men’s He­alth. A res­pos­ta é tão sim­ples, quan­to ób­via. Ela re­pre­sen­ta tu­do o que es­ta revista quer trans­mi­tir às su­as lei­to­ras: uma mu­lher bo­ni­ta, in­te­li­gen­te, bem-su­ce­di­da, sau­dá­vel e ins­pi­ra­do­ra. Mais do que ter um cor­po fan­tás­ti­co – acre­di­tem que a Cláu­dia es­tá em me­lhor for­ma do que quan­do fo­to­gra­fá­mos há qua­tro anos -, ela é da­que­las mu­lhe­res que se cos­tu­mam de­fi­nir co­mo “bo­ni­tas por den­tro e por fo­ra”. Ela per­so­ni­fi­ca di­a­ri­a­men­te aqui­lo que de­sig­na­mos de Mu­lher Wo­men’s He­alth.

Num flash­back à ses­são da pri­mei­ra capa com a atriz em 2014, lem­bro-me per­fei­ta­men­te que a fo­to­gra­fá­mos no dia em que se anun­ci­ou a se­pa­ra­ção (com o ator Pe­dro Teixeira). Quan­do eu pen­sa­va que se­ria um dia com­pli­ca­do, Cláu­dia tor­nou tu­do fá­cil com uma en­tre­ga ao tra­ba­lho in­crí­vel, pe­ran­te tal si­tu­a­ção. Ob­vi­a­men­te que, qua­tro anos vol­vi­dos, a nos­sa con­ver­sa co­me­çou por aí e pe­lo seu no­vo ca­mi­nho des­de en­tão. “Sin­to que cres­ci imen­so nes­tes úl­ti­mos qua­tro anos. Ti­nha aca­ba­do de me se­pa­rar e es­sa ida a uma zo­na me­nos boa, deu-me fer­ra­men­tas pa­ra tra­ba­lhar”, re­lem­bra. “Nos mo­men­tos de tris­te­za, de in­ca­pa­ci­da­de e frus­tra­ção, nós va­mos a zo­nas emo­ci­o­nais que des­co­nhe­ce­mos e is­so acres­cen­ta-nos. Es­se acon­te­ci­men­to obri­gou-me a en­ca­rar a vi­da de ou­tra for­ma, com ou­tra for­ça e com um bo­ca­do me­nos de le­ve­za”. Ob­vi­a­men­te que ho­je é tu­do mais fá­cil, mas eu te­nho a cer­te­za que foi o fac­to de a atriz por­tu­gue­sa ser uma mu­lher de­ci­di­da e mui­to oti­mis­ta que a fez su­pe­rar es­sa ad­ver­si­da­de de uma for­ma mui­to na­tu­ral. A fi­lha Maria, de oi­to anos, tem si­do a sua com­pa­nhei­ra de vi­da. “Te­mos uma re­la­ção mui­to es­pe­ci­al, de de­pen­dên­cia, de me­lhor ami­ga… Não sei se se­ria di­fe­ren­te se ti­ves­se a vi­ver com o pai, só sei que es­tou mui­to fe­liz”. Nes­ta so­ci­e­da­de ver­ti­gi­no­sa e com­pe­ti­ti­va, a ver­da­de é que to­dos te­mos de pro­cu­rar o me­lhor equi­lí­brio

“OS FI­LHOS TÊM DE SER A PRI­O­RI­DA­DE E SO­MOS NÓS QUE DE­VE­MOS GE­RIR O TEM­PO NES­SE SEN­TI­DO

en­tre vi­da pes­so­al e pro­fis­si­o­nal. Ca­da pes­soa es­ta­be­le­ce as su­as pri­o­ri­da­des, mas é di­fí­cil não sen­tir­mos al­gu­ma cul­pa por, al­gu­mas ve­zes, não con­se­gui­mos es­tar o tem­po de­vi­do com os nos­sos fi­lhos. Cláu­dia diz-me que não no­ta is­so. Não sen­te re­mor­sos ou pe­so na cons­ci­ên­cia por­que, de fac­to, a fi­lha par­ti­lha imen­so da sua vi­da pro­fis­si­o­nal. “Eu sei que ab­di­co de mui­ta coi­sa por ela, mas só as­sim é que me faz sen­ti­do. Os fi­lhos têm mes­mo de ser a nos­sa pri­o­ri­da­de. So­mos nós, pais, que te­mos de apren­der a ge­rir o tem­po nes­se sen­ti­do. E eu acho que te­nho en­con­tra­do um bom com­pro­mis­so en­tre o tem­po que te­nho de tra­ba­lho e o tem­po que te­nho pa­ra es­tar­mos jun­tas”.

Pe­la for­ma co­mo o mun­do es­tá atu­al­men­te, per­de­mo-nos com fa­ci­li­da­de. As pes­so­as es­tão mui­to des­li­ga­das umas das ou­tras, pas­sam pou­co tem­po a fa­lar ca­ra a ca­ra. Cláu­dia Vi­ei­ra en­con­tra o seu pon­to de equi­lí­brio nas pes­so­as que a ro­dei­am, que são “aque­las pes­so­as que sa­bem co­mo eu sou e não me jul­gam”. E quan­do a vi­da es­tá mais agi­ta­da, é nu­ma praia a ver o pôr do sol que a atriz acer­ta os seus ní­veis de equi­lí­brio. “Ca­da uma de nós tem de en­con­trar a sua for­ma de re­car­re­gar as su­as ener­gi­as. De­ve­mos ter um au­to­co­nhe­ci­men­to de quem so­mos e o que é que pre­ci­sa­mos pa­ra es­tar bem, e de­pois tra­ba­lhar is­so. Não bas­ta pen­sar que qu­e­re­mos fa­zer, te­mos de fa­zer. É ser­mos ati­vis­tas nas di­ver­sas fren­tes da nos­sa vi­da”, acon­se­lha.

In­crí­vel, in­crí­vel é ver que Cláu­dia Vi­ei­ra a dois me­ses de fa­zer qua­ren­ta anos es­tá nu­ma for­ma fí­si­ca in­ve­já­vel. Já a es­pe­ra­va bem, mas nun­ca as­sim. É que só pas­sa­ram três se­ma­nas en­tre o dia que lhe li­guei pa­ra fa­zer es­ta capa e o dia da ses­são fo­to­grá­fi­ca! Aju­dou-a a ge­né­ti­ca, sem dú­vi­da, mas tam­bém o fac­to de ter o des­por­to co­mo es­ti­lo de vi­da des­de sem­pre. “Quan­do sou­be que ía­mos fo­to­gra­far obri­guei-m e a mu­dar al­gu­mas coi­sas. Fui fa­zer mas­sa­gens, que é uma das coi­sas que pou­co fa­lo, mas que re­co­men­do a qual­quer mu­lher que, tal co­mo eu, te­nha má circulação, re­ten­ção de lí­qui­dos, ten­dên­cia a ter ce­lu­li­te…”, ex­pli­ca. Fui obri­ga­do a in­ter­rom­per: “Mas tu tens ce­lu­li­te, Cláu­dia?” – per­gun­tei com um sor­ri­so bem gran­de, co­mo quem diz que des­sa não es­pe­ra­va. “As pes­so­as pen­sam que eu não te­nho. Não, eu fa­ço por não ter, es­sa é que é a ver­da­de, por­que a mi­nha ten­dên­cia é ter. Não te­nho ten­dên­cia a en­gor­dar, pois ge­ne­ti­ca­men­te te­nho um cor­po atlé­ti­co, mas te­nho má circulação, re­ten­ção de lí­qui­dos e es­sas coi­sas”, afir­ma com a mai­or das na­tu­ra­li­da­des e apon­ta so­lu­ções de ime­di­a­to: “Exer­cí­cio, be­ber mui­ta água, fa­zer mas­sa­gens ma­nu­ais e há um se­gre­do que pos­so par­ti­lhar que é a Ve­la Smo­oth, que dá imen­sos re­sul­ta­dos. Por­tan­to, nes­tas du­as úl­ti­mas se­ma­nas fo­quei-me nas men­sa­gens e trei­nei pra­ti­ca­men­te to­dos os di­as pa­ra me sen­tir con­for­tá­vel pa­ra as fo­to­gra­fi­as”. O meio pro­fis­si­o­nal da te­le­vi­são es­tá ine­ren­te­men­te as­so­ci­a­do à ima­gem e ao cor­po. Pa­ra além das com­pe­tên­ci­as pro­fis­si­o­nais que te­rão for­ço­sa­men­te de mar­car a di­fe­ren­ça, a ver­da­de é que há mui­tos pa­péis, des­ta­ques e opor­tu­ni­da­des em que se olha mui­to ao cor­po e es­ti­lo da pes­soa. Ul­ti­ma­men­te tem-se fa­la­do imen­so de uma no­va ge­ra­ção de atri­zes en­vol­tas nu­ma com­pa­ra­ção com a di­ta pri­mei­ra ge­ra­ção Mo­ran­gos com Açú­car. Diz-se que são as no­vas Cláu­dia Vi­ei­ra e Rita Pereira… “É ine­vi­tá­vel”, afir­ma con­vic­ta­men­te Cláu­dia, e pros­se­gue: “No meio da te­le­vi­são, as no­vas rou­bam os lu­ga­res às mais ve­lhas. As mais no­vas con­se­guem fa­zer mui­tos mais pa­péis, mas eu acho que is­so de­pen­de da for­ma co­mo ge­ri­mos a car­rei­ra. Mas eu não me sin­to em­pur­ra­da, de to­do. Ve­jo mui­ta gen­te a apa­re­cer e a ga­nhar es­pa­ço, mas não é pa­ra ti­rar o meu es­pa­ço. Acho que ca­da uma tem as su­as ca­rac­te­rís­ti­cas e não ve­jo que te­nha per­di­do o que quer que se­ja por es­ta­rem a apa­re­cer no­vas atri­zes. Aliás, ge­ne­ti­ca­men­te, sem­pre pa­re­ci mais no­va - fiz os Mo­ran­gos do Açú­car com 26 anos e re­pre­sen­ta­va um pa­pel de 17 anos”.

A re­la­ção en­tre um cor­po bo­ni­to e sau­dá­vel tem uma enor­me li­ga­ção aos há­bi­tos ali­men­ta­res. Acre­di­to que, pe­ran­te a ir­re­gu­la­ri­da­de de gra­va­ções de no­ve­las e pro­gra­mas de te­le­vi­são, se­ja um qu­e­bra-ca­be­ças e en­vol­va uma gran­de lo­gís­ti­ca man­ter uma ali­men­ta­ção equi­li­bra­da.

A atriz con­fir­mou-o e dis­se-me de ime­di­a­to que não con­se­gue le­var mar­mi­tas pa­ra o tra­ba­lho, mas que is­so não a im­pe­de de fa­zer as me­lho­res es­co­lhas à me­sa, mes­mo que te­nha de co­mer di­a­ri­a­men­te no ca­te­ring das gra­va­ções. Con­fes­sa ter uma ges­tão equi­li­bra­da no que diz res­pei­to à ali­men­ta­ção e que os seus pra­tos são mai­o­ri­ta­ri­a­men­te pre­en­chi­dos com le­gu­mes e ve­ge­tais. “Co­mo so­pa, mui­ta so­pa”, dis­se a atriz. O que mais gos­tei de ver foi que Cláu­dia não tem ob­ses­sões com a co­mi­da. Tem cui­da­do, mas não tem re­gras li­mi­ta­ti­vas. Pro­va dis­so foi um fan­tás­ti­co co­zi­do á por­tu­gue­sa que co­me­mos lo­go após es­ta ses­são de capa. (ri­sos)

A Mu­lher Wo­men’s He­alth cor­re atrás dos seus ob­je­ti­vos e que quer sen­tir sem­pre bem com ela pró­pria. Tem cons­ci­ên­cia ple­na do que é, o que faz, o que am­bi­ci­o­na e até que pon­to é que per­mi­te que os com­por­ta­men­tos dos ou­tros a in­flu­en­ci­em…

“TE­NHO NO­ÇÃO QUE FA­ÇO UMA GES­TÃO MUI­TO EQUI­LI­BRA­DA DA MI­NHA ALI­MEN­TA­ÇÃO”

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.