O que su­ce­de quan­do se apai­xo­na.

Um quin­to de um se­gun­do. Es­te é o tem­po que de­mo­ra­mos a fi­car de bei­ci­nho por al­guém.

Women's Health (Portugal) - - SUMÁRIO -

1 MEN­TE VICIADA

Se­gun­do um es­tu­do pu­bli­ca­do na revista Jour­nal of Se­xu­al Me­di­ci­ne, o amor e o con­su­mo de co­caí­na ati­vam as mes­mas par­tes do cé­re­bro. E, diz a Ci­ên­cia, bas­ta o sim­ples ato de olhar pa­ra uma fo­to­gra­fia da ca­ra-me­ta­de pa­ra que a ati­vi­da­de ce­re­bral se al­te­re. Mas há mais: quan­to mais tem­po es­ta­mos com a ou­tra pes­soa, mais ‘vi­ci­a­das’ fi­ca­mos.

2 EM VOZ AL­TA

Quan­do uma mu­lher ena­mo­ra­da es­tá a con­ver­sar com a pes­soa por quem se apai­xo­nou o vo­lu­me da pró­pria voz ten­de a au­men­tar. Diz um es­tu­do pu­bli­ca­do na revista ci­en­tí­fi­ca Jour­nal of Evo­lu­ti­o­nary Psy­cho­logy que o amor dei­xa tam­bém as mu­lhe­res com uma voz mais fe­mi­ni­na.

3 SENSAÇÕES IN­TER­NAS

A an­si­e­da­de e a tão co­nhe­ci­da sen­sa­ção de bor­bo­le­tas na bar­ri­ga são dois dos efei­tos mais co­muns do amor. De acor­do com a Ci­ên­cia, acon­te­cem por­que as nos­sas hor­mo­nas ficam des­con­tro­la­das. Os ní­veis de cor­ti­sol – hor­mo­na do stress – au­men­tam e pro­vo­cam con­tra­ções na bar­ri­ga, dan­do a co­nhe­ci­da sen­sa­ção de bor­bo­le­tas.

4 NOI­TES EM CLA­RO

O es­ta­do de eu­fo­ria as­so­ci­a­do à fa­se ini­ci­al do amor po­de ter sé­ri­as con­sequên­ci­as na qua­li­da­de do so­no. Ao que in­di­ca uma in­ves­ti­ga­ção di­vul­ga­da na revista The Jour­nal of Ado­les­cen­ce He­alth, os jo­vens dor­mem me­nos e pi­or quan­do se apai­xo­nam. Tal acon­te­ce por cul­pa da eu­fo­ria, mas tam­bém da von­ta­de qua­se ines­go­tá­vel de sa­ber tu­do so­bre a ou­tra pes­soa.

5 ME­NOS DOR

Se­gun­do re­ve­la um es­tu­do da Es­co­la de Me­di­ci­na da Universidade de Stan­ford, nos Es­ta­dos Uni­dos, es­tar apai­xo­na­do po­de ser, de fac­to, a me­lhor for­ma de com­ba­ter a dor cró­ni­ca. Afi­nal, es­tar de bei­ci­nho por al­guém ati­va os mes­mos mar­ca­do­res an­ti­dor do cé­re­bro do que os fár­ma­cos.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.