Tu­do pa­ra aca­bar com as aler­gi­as.

PO­NHA FIM ÀS ALER­GI­AS

Women's Health (Portugal) - - SUMÁRIO - POR DANIELA COSTA TEIXEIRA

Olá pri­ma­ve­ra, olá aler­gi­as! Es­tá ofi­ci­al­men­te aber­ta a épo­ca dos es­pir­ros, da co­cei­ra nos olhos e das ir­ri­ta­ções cu­tâ­ne­as. Mas a cul­pa não é ape­nas do pó­len. Do vi­nho tin­to à ca­ma, co­nhe­ça

os mais es­tra­nhos de­sen­ca­de­a­do­res de sin­to­mas de aler­gi­as.

1 // Be­bi­das al­coó­li­cas

São vá­ri­os os mo­ti­vos pa­ra evi­tar o con­su­mo de be­bi­das al­coó­li­cas du­ran­te o pe­río­do de aler­gi­as. Além de di­la­ta­rem os va­sos san­guí­ne­os, de pro­mo­ve­rem a in­fla­ma­ção e de con­te­rem his­ta­mi­nas (no ca­so do vi­nho e cer­ve­ja), “em al­guns es­tu­dos, a in­ges­tão de be­bi­das al­coó­li­cas as­so­ci­ou-se com o desenvolvimento de ri­ni­te alér­gi­ca, par­ti­cu­lar­men­te na mu­lher”, ex­pli­ca o mé­di­co Pe­dro Car­rei­ro Martins*. Co­mo re­sol­ver. Re­du­zir ou evi­tar o con­su­mo de be­bi­das al­coó­li­cas.

2 // Fru­tas e ve­ge­tais

“Uma di­e­ta sau­dá­vel que in­clua fru­tas e ve­ge­tais as­so­cia-se com uma re­du­ção das aler­gi­as. Con­tu­do, se for alér­gi­ca a al­gum des­tes ali­men­tos, se­rá con­ve­ni­en­te evi­tá-los”. Al­guns ali­men­tos de ori­gem ve­ge­tal po­dem pro­vo­car o agra­va­men­to de sin­to­mas co­mo gar­gan­ta ir­ri­ta­da ou co­mi­chão na bo­ca. É o ca­so do ai­po, do to­ma­te, do pês­se­go, da ce­nou­ra e da ce­re­ja, ali­men­tos que cau­sam a sín­dro­me da aler­gia oral. Co­mo re­sol­ver. Uma vez que os agen­tes pro­mo­to­res de re­a­ções alér­gi­cas es­tão mai­o­ri­ta­ri­a­men­te na cas­ca dos ali­men­tos, o me­lhor é des­cas­cá-los ou co­zi­nhá-los.

3 // Spray pa­ra des­con­ges­ti­o­nar

“Os des­con­ges­ti­o­nan­tes na­sais, mui­to efi­ca­zes no alí­vio da sen­sa­ção de na­riz en­tu­pi­do, só po­dem ser uti­li­za­dos por um pe­río­do de di­as li­mi­ta­do (má­xi­mo de 5 di­as con­se­cu­ti­vos), de­vi­do ao ris­co de sur­gir ha­bi­tu­a­ção”. Além dis­so, usá-los de for­ma con­ti­nu­a­da po­de cau­sar o efei­to opos­to ao pre­ten­di­do: na­riz ain­da mais en­tu­pi­do.

Co­mo re­sol­ver. Usar com a de­vi­da pre­cau­ção e “se con­ti­nu­ar com o na­riz en­tu­pi­do, de­ve­rá con­sul­tar o seu mé­di­co”, acon­se­lha o es­pe­ci­a­lis­ta.

4 // Ba­nho

Man­ter a boa hi­gi­e­ne é fun­da­men­tal pa­ra cui­dar da saú­de. Con­tu­do, a ho­ra a que to­ma ba­nho tem um pa­pel mais de­ter­mi­nan­te do que po­de ima­gi­nar. Se op­ta por fa­zê-lo ape­nas de ma­nhã, fi­que a sa­ber que le­va­rá alér­ge­nos pa­ra a ca­ma.

Co­mo re­sol­ver. Uma vez que “os res­tos de pó­len e ou­tros alér­ge­nos se de­po­si­ta­ram no cor­po e cou­ro ca­be­lu­do du­ran­te o dia”, na­da co­mo “um ba­nho rá­pi­do, com água mor­na e pro­du­tos de hi­gi­e­ne ade­qua­dos ao seu ti­po de pe­le” as­sim que che­ga a ca­sa.

5 // Ca­ma

Sim, a sua ca­ma é um dos ha­bi­tats pre­di­le­tos de tu­do o que a faz es­pir­rar du­ran­te o dia! E a si­tu­a­ção po­de agra­var-se se não le­var a sé­rio o pon­to 4!

Co­mo re­sol­ver. “Não fa­zer a ca­ma ime­di­a­ta­men­te após le­van­tar-se e la­var a rou­pa da ca­ma a tem­pe­ra­tu­ras ele­va­das aju­dam a re­du­zir o nú­me­ro de áca­ros do pó. As co­ber­tu­ras an­ti-áca­ros tam­bém po­de­rão dar uma boa aju­da”.

6 // Len­tes de con­tac­to

A ir­ri­ta­ção ocu­lar du­ran­te o pe­río­do de aler­gi­as é uma cons­tan­te, es­pe­ci­al­men­te pa­ra quem usa len­tes de con­tac­to. Es­ta al­ter­na­ti­va aos ócu­los atua co­mo íman pa­ra as par­tí­cu­las que an­dam no ar.

Co­mo re­sol­ver. “Se é alér­gi­ca ao pó­len, de­ve pro­cu­rar con­tro­lar a sua aler­gia me­di­an­te a to­ma de me­di­ca­ção pre­ven­ti­va du­ran­te a pri­ma­ve­ra de for­ma a pre­ve­nir o apa­re­ci­men­to de con­jun­ti­vi­tes. Se sur­gi­rem quei­xas de co­mi­chão, olho ver­me­lho ou la­cri­me­jo, se­rá con­ve­ni­en­te re­ti­rar as len­tes de con­tac­to”. Usar mais ve­zes os ócu­los é tam­bém uma so­lu­ção, pois atu­am co­mo bar­rei­ra fí­si­ca pro­te­to­ra dos olhos.

7 // Plan­tas den­tro de ca­sa

“O pó­len das plan­tas uti­li­za­das na de­co­ra­ção das nos­sas ca­sas ha­bi­tu­al­men­te não pro­vo­ca aler­gi­as. Con­tu­do, se as plan­tas emi­ti­rem chei­ros in­ten­sos, po­de­rão agra­var as quei­xas de ri­ni­te, pe­lo que de­ve­rá ter aten­ção a es­te as­pe­to”, ex­pli­ca o pro­fes­sor dou­tor Pe­dro Car­rei­ro Martins. Co­mo re­sol­ver. Lim­pe as fo­lhas que pos­sam acu­mu­lar pó e op­te por flo­res mais ‘se­gu­ras’, co­mo as ro­sas ou tú­li­pas.

MAIS COI­SAS

O vi­nho tin­to aju­da a re­la­xar, mas tam­bém po­de agra­var os sin­to­mas.

* Pro­fes­sor Dou­tor Pe­dro Car­rei­ro Martins - Vi­ce-Pre­si­den­te da So­ci­e­da­de Por­tu­gue­sa de Aler­go­lo­gia e Imu­no­lo­gia Clí­ni­ca

(SPAIC), As­sis­ten­te Gra­du­a­do de Imu­no­a­ler­go­lo­gia do Hos­pi­tal Do­na Es­te­fâ­nia – CHLC e Pro­fes­sor Au­xi­li­ar da

No­va Me­di­cal Scho­ol.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.