Co­mo diz?

Women's Health (Portugal) - - MENTE SÃ SEXO - POR DA­NI­E­LA COS­TA TEI­XEI­RA

A tro­ca de men­sa­gens po­de ser uma mais-va­lia em qual­quer re­la­ção. Mas po­de ser tam­bém o pon­to fi­nal que mui­tos ca­sais ten­tam evi­tar. Fa­lá­mos com du­as es­pe­ci­a­lis­tas so­bre o po­der da con­ver­sa não-pre­sen­ci­al.

Já a sa­be­do­ria po­pu­lar o diz (e com ra­zão) que é a fa­lar que a gen­te se en­ten­de. E, nu­ma re­la­ção amo­ro­sa, a boa co­mu­ni­ca­ção é o pilar da união… até mes­mo quan­do fei­ta de for­ma di­gi­tal. Mas é pre­ci­so sa­ber o que di­zer – e quan­do di­zer.

A tro­ca de men­sa­gens en­tre o ca­sal é “cla­ra­men­te be­né­fi­ca, mas não ex­clui o tra­ba­lho que tem de se fa­zer e de­sen­vol­ver ao ní­vel da re­la­ção e do con­tac­to vi­su­al, pos­tu­ral e co­mu­ni­ca­ci­o­nal”, ex­pli­ca à Wo­men’s

He­alth Ana Ma­ques Li­to, pro­fes­so­ra uni­ver­si­tá­ria e psi­ca­na­lis­ta. Es­ta for­ma de co­mu­ni­car po­de ser um es­tí­mu­lo pa­ra a vi­da a dois, po­rém, es­tá sem­pre de­pen­den­te do es­ta­do em que a re­la­ção es­tá e, cla­ro, da in­ter­pre­ta­ção que a ou­tra pes­soa faz das pa­la­vras es­cri­tas. Afi­nal, a efi­cá­cia das pa­la­vras é mai­or quan­do são di­tas do que quan­do são es­cri­tas, “pe­la sim­ples ra­zão de ser mais pro­vá­vel evi­tar equí­vo­cos de co­mu­ni­ca­ção”, re­ve­la a psi­có­lo­ga e tam­bém te­ra­peu­ta de ca­sal Cláu­dia Mo­rais.

Em mo­men­tos de ten­são, diz Ana Mar­ques Li­to, “a men­sa­gem po­si­ti­va de um pa­ra ou­tro é com­ple­ta­men­te in­ver­ti­da na lei­tu­ra”, pois, “se a re­la­ção es­tá frá­gil, tu­do po­de cau­sar pro­ble­mas”.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.