APIMENTAR A VI­DA SE­XU­AL

Women's Health (Portugal) - - MENTE SÃ SEXO -

“Es­tou na co­zi­nha. Vem cá ;)”

“Pa­ra um ca­sal, nu­ma re­la­ção que fi­cou mo­nó­to­na, a tro­ca de men­sa­gens po­de ser um re­ju­ve­nes­ci­men­to, um re­tor­no do pe­río­do de na­mo­ro, uma for­ma de es­ti­mu­lar a re­la­ção”, diz a pro­fes­so­ra Ana Mar­ques Bri­to. Po­rém, aler­ta, “po­de ter um efeito per­ver­so”, es­pe­ci­al­men­te se en­vi­a­da num con­tex­to em que a ou­tra pes­soa não po­de res­pon­der.

Em cau­sa, es­tá o fac­to de exis­tir “to­da uma es­ti­mu­la­ção in­te­lec­tu­al e emo­ci­o­nal na men­sa­gem, mas [is­so] po­de tra­zer frus­tra­ção, de­pen­den­do da na­tu­re­za da re­la­ção”. Se­gun­do a es­pe­ci­a­lis­ta, a men­sa­gem eró­ti­ca tan­to po­de “re­a­cen­der a cha­ma quan­do se en­con­tra­rem, co­mo pro­vo­car cha­ti­ces”.

A mes­ma ideia é tam­bém de­fen­di­da por Cláu­dia Mo­rais, que re­ve­la que “a sa­tis­fa­ção se­xu­al de­pen­de da in­ti­mi­da­de emo­ci­o­nal. Quan­do tu­do cor­re bem, a apro­xi­ma­ção po­de pas­sar por men­sa­gens de carga eró­ti­ca que tra­du­zam o co­nhe­ci­men­to que te­mos so­bre a pes­soa de quem gos­ta­mos. Pro­vo­cá-la com con­teú­dos que não mos­trem es­se co­nhe­ci­men­to po­de não fun­ci­o­nar”.

O me­lhor é apal­par o ter­re­no – com con­ver­sas fran­cas e ho­nes­tas so­bre de­se­jos e von­ta­des - e per­ce­ber qual o me­lhor mo­men­to pa­ra o/a fa­zer fan­ta­si­ar. O mo­men­to em que es­tão os dois em ca­sa, ca­da um nu­ma di­vi­são, é o ide­al.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.