FA­ZER COM QUE A OU­TRA PES­SOA SE ABRA MAIS

Women's Health (Portugal) - - MENTE SÃ SEXO -

“No ou­tro dia sen­ti-me tris­te. É as­sim que te sen­tes ho­je?”

Se­ja uma re­la­ção re­cen­te ou já um ro­man­ce de lon­ga da­ta, os mo­men­tos em que uma das par­tes se fe­cha a ‘se­te cha­ves’ são bem mais co­muns do que pen­sa­mos - e , na ver­da­de, com­ple­ta­men­te nor­mais. Mas, mais uma vez, na­da que uma con­ver­sa – ou um pri­mei­ro SMS ho­nes­to e sen­ti­do – não pos­sa (ten­tar) re­sol­ver ou evi­tar. Até por­que o si­lên­cio ape­nas ten­de a cri­ar um va­zio na vi­da a dois, uma dis­tân­cia emo­ci­o­nal que po­de­rá vir a ser com­pli­ca­da de re­sol­ver, es­pe­ci­al­men­te quan­do a con­ver­sa é já pou­ca ou ne­nhu­ma en­tre o ca­sal.

“To­das as perguntas que tra­du­zam ge­nuí­na cu­ri­o­si­da­de são po­ten­ci­al­men­te ge­ra­do­ras de pro­xi­mi­da­de emo­ci­o­nal”, ex­pli­ca Cláu­dia Mo­rais. Pa­ra a es­pe­ci­a­lis­ta, nes­tas si­tu­a­ções, “aqui­lo que im­por­ta é que con­si­ga­mos mos­trar a in­ten­ção de co­nhe­cer, em vez de jul­gar, e pro­cu­re­mos res­pei­tar o rit­mo da ou­tra pes­soa”, sa­li­en­ta.

Se­gun­do a psi­có­lo­ga e tam­bém au­to­ra, “a au­tor­re­ve­la­ção é po­si­ti­va e po­de ‘obe­de­cer’ ao cri­té­rio de res­pei­to pe­lo ou­tro”.

E tal acon­te­ce por um mo­ti­vo: “quan­do nos re­ve­la­mos, po­de­mos pres­tar aten­ção à for­ma co­mo a ou­tra pes­soa se sen­te, por­ven­tu­ra per­gun­tan­do mes­mo se se sen­te à-von­ta­de”, con­clui.

A apro­xi­ma­ção po­de pas­sar por men­sa­gens de carga eró­ti­ca. Mas pro­vo­car com con­teú­dos que não mos­trem co­nhe­ci­men­to po­de não fun­ci­o­nar.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.