So­fia Ribeiro

Women's Health (Portugal) - - NA CAPA - POR PE­DRO LU­CAS | FO­TO­GRA­FI­AS JOÃO POR­TU­GAL

For­te. Con­fi­an­te. Sem pre­con­cei­tos. Co­mo sa­be, a atriz por­tu­gue­sa tem uma his­tó­ria de vi­da in­ten­sa, pe­lo que é a mu­lher per­fei­ta pa­ra li­de­rar es­te nos­so mo­vi­men­to ‘Ame o seu cor­po’.

A fa­se di­fí­cil por que So­fia Ribeiro pas­sou re­cen­te­men­te fê­la mu­dar a for­ma co­mo li­da com o cor­po e com a ima­gem. A atriz fa­la-nos de amor pró­prio e de co­mo as mu­lhe­res se de­vem apoi­ar mu­tu­a­men­te...

Co­mo é que te de­fi­nes en­quan­to mu­lher?

Sou uma mu­lher que pro­cu­ra, ca­da vez, mais vi­ver de for­ma des­com­pli­ca­da tu­do o que es­ta vi­da me pro­põe. Ti­rei pe­so de mim, das mi­nhas cos­tas. Não gas­to ener­gia, nem tem­po com coi­sas que de al­gu­ma for­ma pos­sam con­ta­mi­nar a mi­nha ener­gia e, con­se­quen­te­men­te, a mi­nha vi­da. Acho que me pas­sei a fo­car mais no es­sen­ci­al e me­nos no su­per­fi­ci­al. Mas é meio es­tra­nho fa­lar­mos de nós. Do que so­mos ou co­mo nos sen­ti­mos! Mas res­pon­den­do-te: acho que as ca­rac­te­rís­ti­cas que me­lhor me de­fi­nem são tal­vez a con­fi­an­ça e de­ter­mi­na­ção. Con­fi­an­ça em mim, nos meus prin­cí­pi­os, nas mi­nhas ca­pa­ci­da­des e no meu va­lor en­quan­to pes­soa e pro­fis­si­o­nal. Sou de­ter­mi­na­da pa­ra, in­de­pen­den­te­men­te das cir­cuns­tân­ci­as, não bai­xar os bra­ços e ir à lu­ta! Des­de mui­to no­va que sou tei­mo­sa, o que nem sem­pre é bom, mas fe­liz­men­te is­so, as­so­ci­a­do à in­tui­ção, tem-me va­li­do mui­to nes­te meu ca­mi­nho. Se me­to uma coi­sa na ca­be­ça só de­sis­to de­la se me pro­va­rem que es­tou er­ra­da, pois de ou­tra for­ma si­go fo­ca­da.

E es­sas tu­as ca­rac­te­rís­ti­cas sur­gi­ram ou mu­da­ram de­pois do can­cro?

Não, mas acho que se apri­mo­rou. Ho­je acre­di­to mais que que­rer é meio ca­mi­nho pa­ra po­der. Na­tu­ral­men­te, há um sem-fim de coi­sas que não de­pen­dem de nós e que, in­fe­liz­men­te, mui­tas ve­zes não con­se­gui­mos con­tro­lar. Ain­da as­sim, acre­di­to que a mai­or par­te do tra­ba­lho é fei­to por nós. En­ten­do que a for­ma co­mo es­ta­mos na vi­da e olha­mos pa­ra ela e pa­ra o que nos ro­deia po­de, sim, di­tar o nos­so per­cur­so.

Pe­gan­do nes­te te­ma da tua do­en­ça, em que mo­men­to é que sou­bes­te que, por mais apoio e ami­gos à tua vol­ta, eras tu e ape­nas tu que ti­nhas de en­con­trar for­ças pa­ra su­pe­rar o can­cro?

Não con­cor­do que és tu e ape­nas tu. É ób­vio que tu és o mo­tor. E, se não pu­xas por ele, não há co­mo, vai mes­mo tu­do a bai­xo. Mas acre­di­to de co­ra­ção que, qual­quer que se­ja a si­tu­a­ção li­mi­te, se­rá sem­pre mais le­ve, me­nos do­lo­ro­sa vi­vê-la jun­to dos que ama­mos. Por­que, por mais for­ças que te­nha­mos nin­guém é de fer­ro! Nin­guém é um su­per-ho­mem ou su­per-mu­lher. Há, de fac­to, mui­tos mo­men­tos em que as nos­sas for­ças pa­re­cem per­der-se. E eu não con­si­go ima­gi­nar o que se­rá não ter al­guém ao la­do que nos dá a mão e nos pu­xa pa­ra ci­ma. Por is­so, sim, a for­ça es­tá em nós, sem­pre! E em tu­do o que faz de nós o que so­mos.

O que é que mais se apren­de ao pas­sar por uma do­en­ça co­mo es­sa?

Eu só pos­so fa­lar por mim. Ca­da pes­soa é uma pes­soa di­fe­ren­te e, con­se­quen­te­men­te, age e reage de for­ma dis­tin­ta nu­ma mes­ma cir­cuns­tân­cia. Ain­da não sei di­zer na to­ta­li­da­de e ao cer­to o que mu­dou em mim e o que apren­di com es­ta si­tu­a­ção em par­ti­cu­lar. Se­ria bom, mas não é tão li­ne­ar. ain­da es­tou a ten­tar per­ce­ber, des­co­brir e sin­ce­ra­men­te acre­di­to que as­sim se­rá en­quan­to por cá an­dar. Há mo­men­tos em que iden­ti­fi­ca­mos umas coi­sas, nou­tros ou­tras. Cos­tu­mo di­zer que ain­da es­tou a co­nhe­cer es­ta no­va ver­são de mim mes­ma. Mas tal­vez a mai­or apren­di­za­gem até aqui, a que mais sal­ta à vis­ta, se­ja a von­ta­de imen­sa que te­nho de vi­ver. O res­pei­to e a gra­ti­dão que te­nho ho­je pe­la vi­da, por mim, pe­las pes­so­as e coi­sas que me ro­dei­am, pe­los que amo. Tu­do to­mou uma pro­por­ção que, por mais sen­sí­veis que se­ja­mos, só quan­do pas­sa­mos por uma si­tu­a­ção li­mi­te se con­se­gue com­pre­en­der com mai­or exa­ti­dão.

Ho­je, quan­do te olhas ao es­pe­lho nua, que So­fia vês?

Sem­pre fui mui­to ma­gra. Des­de me­ni­na que sem­pre ti­ve di­fi­cul­da­des em en­gor­dar. Fui go­za­da em miú­da por ser a Olí­via Pa­li­to da es­co­la. Che­guei a ves­tir du­as cal­ças de ca­da vez pa­ra pa­re­cer mais gor­di­nha. De­pois cres­ces e és go­za­da ou ata­ca­da por­que es­tás mais gor­da ou com ce­lu­li­te. E de­pois vem a vi­da en­si­nar-te que, mais im­por­tan­te que a ima­gem que os ou­tros têm de ti, é a for­ma co­mo nos sen­ti­mos bem na nos­sa pe­le. E é as­sim que me sin­to ho­je. Eu ho­je olho pa­ra mim e sin­to-me mui­to bem e fe­liz com o que ve­jo. Por­que mais do que ver o meu cor­po, pen­so em tu­do o que ele já re­sis­tiu pa­ra che­gar aqui e não há co­mo não me sen­tir a mai­or ga­ta. Des­cul­pa! (ri­sos)

Por cer­to que pas­sas­te por mu­dan­ças ines­pe­ra­das na tua ima­gem. So­fia, al­gu­ma vez dei­xas­te de amar o teu cor­po?

Já dei­xei de me amar a mim e, con­se­quen­te­men­te, ao meu cor­po. Já per­mi­ti que me rou­bas­sem o amor pró­prio sem me aper­ce­ber que o es­ta­va a fa­zer. Mas, fe­liz­men­te, a tem­po per­ce­bi que nin­guém tem o di­rei­to de nos fa­zer sen­tir me­no­res.

Mas mu­das­te mui­to an­tes, du­ran­te e após a do­en­ça? Fron­tal­men­te, is­so me­xeu mui­to con­ti­go?

Cla­ro que sim. Não há co­mo não. Tu­do mu­dou e o meu cor­po tam­bém. Acor­da­res a da­do mo­men­to cin­zen­ta, in­cha­da e sem um úni­co pe­lo na ca­ra aba­na qual­quer pes­soa. Olhar ao es­pe­lho e não me re­co­nhe­cer, a rou­pa não me der­vir, os pés não en­tra­rem no cal­ça­do... De um dia pa­ra o ou­tro tu­do mu­da. É um pro­ces­so du­ro. Mas o fo­co não era o meu as­pe­to, era a mi­nha saú­de ou o re­cu­pe­rar de­la. Por is­so, acei­tei. E te­nho a cer­te­za de que acei­ta­ção pa­ra mim foi a ba­se pa­ra a mi­nha li­ber­da­de. Ain­da ho­je fa­ço me­di­ca­ção,

“Por­que mais do que ver o meu cor­po, pen­so em tu­do o que ele já re­sis­tiu pa­ra che­gar aqui”

sei que di­fi­cil­men­te o meu cor­po vol­ta­rá a ser co­mo era, mas a ver­da­de é que nem pro­cu­ro is­so! Ho­je sin­to-me ver­da­dei­ra­men­te mais bo­ni­ta que nun­ca. As mi­nhas ba­li­zas mu­da­ram, dei­xa­ram de ser os pa­drões dos ou­tros e pas­sa­ram a ser os meus. Fa­las­te-me que per­des­te 7 kg, mas não me aper­ce­bi quan­do e o que te fez mu­dar. O que acon­te­ceu? Não acon­te­ceu na­da de mais, ape­nas ter­mi­nei as gra­va­ções da Her­dei­ra e, com mais tem­po li­vre, re­cu­pe­rei as mi­nhas ro­ti­nas de trei­no com a ajuda do meu PT Igor San­chez, jun­ta­men­te com a Ka­ri­ne da Kes­te­ti­ca e da Céu da clí­ni­ca dr. Bis­caia Fra­ga, on­de al­ter­na­da­men­te vou fa­zen­do mas­sa­gens dre­nan­tes, que no meu ca­so são fun­da­men­tais por­que a me­di­ca­ção faz-me reter mui­tos lí­qui­dos. Is­to as­so­ci­a­do a uma ali­men­ta­ção mais cui­da­da. Ho­je vi­vo em bus­ca de uma me­lhor qua­li­da­de de vi­da e, con­se­quen­te­men­te, da mi­nha saú­de. O que, na­tu­ral­men­te, aca­ba por se re­fle­tir na mi­nha ima­gem. E is­so pas­sa, por exem­plo, por dor­mir bem. O nos­so cor­po re­ge­ne­ra en­quan­to dor­mir­mos e ten­de­mos a não dar o de­vi­do va­lor a is­so. Tam­bém não po­de­mos es­pe­rar que a nos­sa saú­de se­ja só­li­da a co­mer e be­ber tu­do o que há de dis­pa­ra­tes. Não há co­mo. Mais tar­de ou mais ce­do aca­ba­mos por pa­gar a con­ta. Is­so é cer­to. Os es­tu­dos es­tão aí pa­ra com­pro­var! Bem co­mo não po­de­mos que­rer ver re­sul­ta­dos no nos­so cor­po/ima­gem quan­do man­te­mos há­bi­tos ali­men­ta­res er­ra­dos e ro­ti­nas se­den­tá­ri­as. Ho­je sei, por in­di­ca­ção mé­di­ca e por cons­ci­ên­cia pró­pria, que pre­ci­so de pra­ti­car ati­vi­da­de fí­si­ca e co­mer de for­ma sau­dá­vel pa­ra me ten­tar man­ter o mais lon­ge pos­sí­vel de sus­tos mui­to pou­co de­se­já­veis. Ain­da bem que fa­las dis­so por­que, atu­al­men­te, to­da a in­dús­tria glo­bal ten­de a lan­çar pa­râ­me­tros de in­fluên­ci­as de be­le­za ou pa­drões ide­ais a se­guir. Já foi tem­po das mu­lhe­res (mo­de­los) su­per ma­gras, de­pois as me­di­das

Ho­je sei, por in­di­ca­ção mé­di­ca e por cons­ci­ên­cia pró­pria, que pre­ci­so de fa­zer exer­cí­cio e co­mer de for­ma sau­dá­vel pa­ra me afas­tar de mais sus­tos

cer­tas (86-90-86), de se­gui­da as fit girls e, ho­je em dia, fa­la-se em cor­pos re­ais… O que achas de tu­do is­to? Acho que a be­le­za é mui­to mais do que uma ima­gem. A be­le­za in­te­ri­or que con­se­quen­te­men­te trans­bor­da pa­ra o ex­te­ri­or, a meu ver, es­sa sim é a mais bo­ni­ta! Pas­sa por não se­guir­mos pa­drões ou idei­as pre­con­ce­bi­das. Es­sas são, pa­ra mim, as mu­lhe­res re­ais. Ser bo­ni­to pas­sa pri­mei­ro pe­la acei­ta­ção do que so­mos. E só as­sim con­se­gui­re­mos li­dar sem que is­so nos fa­ça mos­sa, com os de­dos apon­ta­dos por uma so­ci­e­da­de tan­tas ve­zes fú­til e de va­lo­res in­ver­ti­dos. Por que te­nho eu que ter ver­go­nha de me mos­trar co­mo sou? Ho­je, mais do que nun­ca, to­dos os di­as en­tram pe­las nos­sas ca­sas, re­des so­ci­ais e afins... De­fi­ni­ções de be­le­za de­ma­si­a­do se­ve­ras pa­ra o co­mum dos mor­tais. Fa­zem-nos acre­di­tar na per­fei­ção, se­ja lá o que is­so for. Usam-se fil­tros, rou­pas, ma­qui­lha­gem, fa­zem-se mil e uma di­e­tas dis­far­ça­das de de­tox. Sem mui­tas ve­zes se sa­ber exa­ta­men­te pa­ra o que ser­ve ou quais as su­as con­sequên­ci­as e be­ne­fí­ci­os. Va­le tu­do pa­ra ter o cor­po per­fei­to? Na mi­nha opi­nião, não. E o que é is­to de ter um cor­po per­fei­to? Dis­cu­tí­vel, não?

Pa­ra mim, a per­fei­ção é ter saú­de. A per­fei­ção es­tá em eu olhar-me ao es­pe­lho e sen­tir-me fe­liz com o que ve­jo. In­de­pen­den­te­men­te de ter ce­lu­li­te, es­tri­as, ci­ca­tri­zes, ac­ne,

50 kg ou 80 kg. Acei­tar­mos não quer di­zer que não pos­sa­mos fa­zer por me­lho­rar to­dos os di­as. Pe­lo con­trá­rio! Acei­tar­mos-nos, mes­mo que quei­ra­mos me­lho­rar, de­ve ser fei­to por nós e não por­que nos foi im­pos­to por es­ta so­ci­e­da­de. Sim, na mi­nha opi­nião, é cer­to que a mu­lher se acei­te co­mo é e com as su­as “im­per­fei­ções”. Já não é cer­to quan­do se ten­ta usar es­ta cor­ren­te que se vê pe­las re­des so­ci­ais pa­ra se ter li­ber­da­de pa­ra tu­do. Mes­mo con­cor­dan­do que ca­da pes­soa sa­be de si, pa­re­ce-me que uma mu­lher obe­sa não po­de ter um cor­po re­al, pois é tu­do me­nos um cor­po sau­dá­vel. O que te pa­re­ce? A meu ver não. A mai­o­ria das pes­so­as não tem vi­da, nem tem­po pa­ra pas­sar ho­ras e ho­ras a fim num gi­ná­sio. Por­tan­to sim, os cor­pos re­ais são os cor­pos de quem tem vi­das tam­bém elas re­ais! De quem acor­da com o tem­po con­ta­do pa­ra che­gar ao tra­ba­lho e de­pois ain­da tem que ir bus­car os miú­dos, fa­zer o jan­tar e dar-lhes ba­nho e por aí fo­ra. Is­to pa­ra di­zer que sim, é pos­sí­vel no meio dos nos­sos di­as lou­cos en­con­trar al­ter­na­ti­vas que nos per­mi­tam cui­dar de nós e da nos­sa saú­de. Já não há des­cul­pa nos di­as que cor­rem pa­ra não se pra­ti­car ati­vi­da­de fí­si­ca, se as­sim o qui­ser­mos, mas não ve­nham di­zer-nos que con­se­guem ter um cor­po me­ga sa­ra­do com três ho­ras de gi­ná­sio por se­ma­na, por­que não é ver­da­de. Os tais cor­pos per­fei­tos, que vol­to a di­zer que pa­ra mim de per­fei­tos têm pou­co, exi­gem ho­ras e ho­ras de gi­ná­sio por se­ma­na, às ve­zes dois trei­nos diá­ri­os e uma di­e­ta su­per rí­gi­da. E is­so é al­ta­men­te dis­cu­tí­vel quan­do fa­la­mos de saú­de. Des­cul­pem, mas não acho que ser sau­dá­vel se­ja is­to. São op­ções de vi­da! Res­pei­tá­veis, mas não acho que na­da que se­ja ex­tre­mis­ta se­ja um exem­plo de saú­de. Tan­to pa­ra um la­do quan­to pa­ra o ou­tro. Não há mi­la­gres pa­ra na­da. Ou pe­lo me­nos eu não acre­di­to que ha­ja. Não po­de­mos es­pe­rar ter uma saú­de im­pe­cá­vel e um cor­po por­rei­ro cui­dan­do mal de nós. Mas acre­di­to que o su­ces­so de qua­se tu­do es­tá no equi­lí­brio. E é is­so que pro­cu­ro pa­ra mim. É que fi­co fe­liz de olhar à vol­ta e ver que é pa­ra aí que ca­mi­nha­mos. Mas não me di­gas que, ao lon­go da tua carreira, nun­ca sen­tis­te pres­são pa­ra se­gui­res es­ses tais pa­drões de es­té­ti­ca ide­al? Eu acre­di­to que a ma­nei­ra co­mo ve­mos as coi­sas di­ta a for­ma co­mo nos co­lo­ca­mos pe­ran­te elas. Is­to pa­ra di­zer que ain­da que exis­ta es­sa ideia de be­le­za - que exis­te -, eu não me ve­jo co­mo uma miú­da bo­ni­ta. Co­mo tal, não me dei­xo le­var por pres­sões. Acre­di­to em mim e no meu va­lor. Co­mo sa­bes, es­te pro­je­to ‘Ame o seu cor­po’, que te de­sa­fi­ei a li­de­rar nes­ta edi­ção faz par­te de uma men­sa­gem in­ter­na­ci­o­nal que to­das as Wo­men’s He­alth do mun­do fi­ze­ram. Ca­da país fez, in­clu­si­ve, um ques­ti­o­ná­rio a cen­te­nas de mu­lhe­res. No ca­so por­tu­guês, exis­tem al­guns re­sul­ta­dos que gos­ta­va que co­men­tas­ses: 19% das por­tu­gue­sas in­qui­ri­das di­zem não sen­tir-se bem nu­as e que is­so lhes afe­ta a au­to­es­ti­ma. Bas­ta di­zer-lhes que são mu­lhe­res re­ais ou tens al­gum con­se­lho? Não há ne­nhum con­se­lho mi­la­gro­so que pos­sa par­ti­lhar, a não ser aqui­lo em que acre­di­to. Não há na­da que der­ru­be uma mu­lher con­fi­an­te e em paz con­si­go. Não há na­da que nos ti­re o bri­lho! Ve­nha quem vi­er e o que vi­er. Mas não achas que es­te ti­po de de­ci­sões de­vi­am ser­vir ain­da mais pa­ra unir as mu­lhe­res por uma mes­ma con­ce­ção de co­mo se ve­em e co­mo de­vem res­pei­tar as im­per­fei­ções que ca­da uma tem? As mu­lhe­res de­vem unir-se mais, pon­to. Apre­go­a­mos mui­to es­ta coi­sa do girl power, do jun­tas so­mos mais for­tes, mas a ver­da­de é que, na mai­or par­tes das ve­zes, so­mos nós as mu­lhe­res a cri­ti­car e a ata­car ou­tras mu­lhe­res. A união, a meu ver, não de­ve ser uma ban­dei­ra que é gi­ro de­fen­der por­que es­tá na mo­da. Ou por­que é por­rei­ro di­zer que se é fe­mi­nis­ta. Ser fe­mi­nis­ta é de­fen­der opor­tu­ni­da­des e di­rei­tos iguais. E se aos ho­mens não lhes é exi­gi­do o mes­mo que a nós mu­lhe­res en­tão sim, de­ve­mos unir-nos pa­ra des­per­tar cons­ci­ên­ci­as nes­se sen­ti­do.

No meio dos nos­sos di­as lou­cos, é pos­sí­vel en­con­trar al­ter­na­ti­vas que per­mi­tam cui­dar de nós e da nos­sa saú­de

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.