Tu­do o que pre­ci­sa de sa­ber so­bre o me­ta­bo­lis­mo.

O me­ta­bo­lis­mo é o mo­tor de ar­ran­que pa­ra ter­mos mais saú­de, mais ener­gia e um pe­so ade­qua­do. Du­as nutricionistas ti­ram to­das as dú­vi­das (e dão as me­lho­res di­cas).

Women's Health (Portugal) - - SUMÁRIO - POR DA­NI­E­LA COS­TA TEI­XEI­RA

Ora co­me­mos piz­za to­das as se­ma­nas e na­da acon­te­ce no nos­so cor­po, ora so­mos fiéis às re­gras da ali­men­ta­ção sau­dá­vel e, ain­da as­sim, a ba­lan­ça con­ti­nua zan­ga­da con­nos­co. Es­tas são du­as si­tu­a­ções bas­tan­te co­muns e que têm na sua gé­ne­se um de­no­mi­na­dor co­mum e bem co­nhe­ci­do de to­das nós: o me­ta­bo­lis­mo.

De uma for­ma ge­né­ri­ca, “o ter­mo me­ta­bo­lis­mo é uti­li­za­do pa­ra des­cre­ver o que ci­en­ti­fi­ca­men­te en­ten­de­mos por me­ta­bo­lis­mo ba­sal”, ex­pli­ca à Wo­men’s He­alth So­fia Pin­to, nu­tri­ci­o­nis­ta do Holmes Pla­ce da Cons­ti­tui­ção, no Por­to. E o que é que is­so quer mes­mo di­zer? Na prá­ti­ca, o me­ta­bo­lis­mo “con­sis­te num con­jun­to de re­a­ções quí­mi­cas que se dão no nos­so or­ga­nis­mo de mo­do a trans­for­mar e a uti­li­zar ener­gia ob­ti­da atra­vés dos ali­men­tos, tra­du­zin­do-se, de­pois, na ta­xa/quan­ti­da­de mí­ni­ma de ener­gia (ca­lo­ri­as) de que o cor­po ne­ces­si­ta di­a­ri­a­men­te pa­ra as­se­gu­rar as fun­ções vi­tais (co­mo a res­pi­ra­ção e o ba­ti­men­to car­día­co, por exem­plo) em es­ta­do de re­pou­so. Po­de­mos en­ca­rá-lo co­mo se fos­se o nos­so ‘mo­tor’, exis­tin­do di­ver­sos ‘mo­de­los’, sen­do que uns gas­tam mais do que ou­tros”.

Me­ta­bo­lis­mo len­to vs. me­ta­bo­lis­mo ace­le­ra­do

Co­mo ca­da car­ro tem o seu pró­prio mo­tor, tam­bém ca­da or­ga­nis­mo tem o seu pró­prio me­ta­bo­lis­mo. Nes­se sen­ti­do, o ‘mo­tor’ po­de ser “mais rá­pi­do e con­su­mir mais com­bus­tí­vel (me­ta­bo­lis­mo ace­le­ra­do) ou, en­tão, ser mais len­to, mas mais eco­nó­mi­co, con­su­min­do me­nos com­bus­tí­vel (me­ta­bo­lis­mo len­to)”, exem­pli­fi­ca So­fia Pin­to. E tal co­mo acon­te­ce com os car­ros, o ‘mo­tor’ do nos­so or­ga­nis­mo po­de tam­bém ser adap­ta­do e me­lho­ra­do em prol das nos­sas ne­ces­si­da­des. Se­gun­do a es­pe­ci­a­lis­ta, “ca­da pes­soa tem a si as­so­ci­a­do um rit­mo de me­ta­bo­lis­mo, con­tu­do, den­tro do pos­sí­vel, com al­gum tra­ba­lho e es­for­ço, so­mos ca­pa­zes de adap­tá-lo, pois o nos­so me­ta­bo­lis­mo é mo­di­fi­cá­vel e vai-se al­te­ran­do ao lon­go da vi­da, de­pen­den­do de vá­ri­os fa­to­res”. Sim, te­mos bo­as no­tí­ci­as pa­ra si! “Ca­so te­nha um me­ta­bo­lis­mo mui­to ten­to ho­je, is­so não quer di­zer que con­ti­nue len­to da­qui a uns anos. Tu­do de­pen­de de si pa­ra que is­so se al­te­re”, ga­ran­te.

“Ape­sar de al­guns fa­to­res de­ter­mi­nan­tes do ti­po de me­ta­bo­lis­mo da pes­soa se­rem ine­ren­tes ao in­di­ví­duo, exis­tem ou­tros (a mai­or par­te!) que po­dem ser mo­di­fi­cá­veis, sen­do es­ses os fa­to­res que de­fi­nem o es­ti­lo de vi­da de uma pes­soa”, re­for­ça a nu­tri­ci­o­nis­ta Bár­ba­ra Oli­vei­ra, que dá con­sul­tas no gi­ná­sio Pe­o­ple Fa­mily Club, em Sintra. De acor­do com a es­pe­ci­a­lis­ta, “ape­sar de o cor­po dar si­nais de que o me­ta­bo­lis­mo é len­to ou rá­pi­do, a mai­o­ria dos in­di­ví­du­os apre­sen­ta um me­ta­bo­lis­mo nor­mal pa­ra a sua ida­de, gé­ne­ro e es­ti­lo de vi­da. Ao lon­go do tem­po, o or­ga­nis­mo é mais ex­pos­to a fa­to­res

que po­dem aju­dar a da­ni­fi­car e a atra­sar al­guns pro­ces­sos do or­ga­nis­mo, pe­lo que o me­ta­bo­lis­mo tor­na-se mais len­to. No en­tan­to, o es­ti­lo de vi­da po­de ser al­te­ra­do, pe­lo que o me­ta­bo­lis­mo tam­bém o po­de”.

Por se tra­tar de uma má­qui­na com­ple­xa, o nos­so cor­po ne­ces­si­ta de aten­ção du­ran­te to­da a sua exis­tên­cia e não é por se sen­tir re­fém do seu pró­prio me­ta­bo­lis­mo que não po­de lu­tar por me­lho­rá-lo - atue o quan­to an­tes e com o acom­pa­nha­men­to pro­fis­si­o­nal.

Se o seu me­ta­bo­lis­mo é len­to e pre­ten­de per­der pe­so, por exem­plo, “te­rá de o ‘ace­le­rar’ e ali­ar-se a uma ali­men­ta­ção com um ba­lan­ço ener­gé­ti­co ne­ga­ti­vo (ou se­ja, de­ve in­ge­rir me­nos ca­lo­ri­as do que as ca­lo­ri­as que gas­ta). Is­to im­pli­ca con­tro­lar o ape­ti­te e fa­zer um es­for­ço pa­ra di­mi­nuir as quan­ti­da­des de ali­men­to ao lon­go do dia”, ex­pli­ca So­fia Pin­to. Mas se o seu me­ta­bo­lis­mo é ace­le­ra­do e pre­ten­de ga­nhar pe­so, “te­rá de fa­zer um es­for­ço adi­ci­o­nal pa­ra con­tra­ri­ar a ten­dên­cia de per­da de pe­so, re­a­li­zan­do uma ali­men­ta­ção com um ba­lan­ço ener­gé­ti­co po­si­ti­vo (ou se­ja, de­ve in­ge­rir mais ca­lo­ri­as do que as ca­lo­ri­as que gas­ta) e is­to im­pli­ca comer mais ve­zes ao lon­go do dia, por ve­zes sem fo­me, e au­men­tar as quan­ti­da­des de ali­men­to e/ou o nú­me­ro de re­fei­ções que faz ao lon­go do dia”, con­ti­nua a nu­tri­ci­o­nis­ta.

E se qui­ser sim­ples­men­te man­ter o pe­so? Pois bem, não pre­ci­sa de des­li­gar o ‘car­ro’ pa­ra tal – nem tão-pou­co en­trar em gran­des con­tas ma­te­má­ti­cas. O que acon­te­ce nes­tes ca­sos, re­al­ça a nu­tri­ci­o­nis­ta So­fia Pin­to, é que “o seu me­ta-bo­lis­mo es­tá nu­ma fa­se re­gu­lar/nor­mal e ca­so pre­ten­da au­men­tar ou di­mi­nuir o pe­so de­ve­rá op­tar por uma ali­men­ta­ção com ba­lan­ço ener­gé­ti­co po­si­ti­vo ou ne­ga­ti­vo, res­pe­ti­va­men­te, de­pen­den­do do ob­je­ti­vo”.

Ape­sar de a ali­men­ta­ção ser um fa­tor de­ter­mi­nan­te na ve­lo­ci­da­de a que tra­ba­lha o nos­so me­ta­bo­lis­mo, im­por­ta sa­li­en­tar que “a ener­gia gas­ta no me­ta­bo­lis­mo ba­sal re­pre­sen­ta 60%-70% do gas­to ener­gé­ti­co ca­ló­ri­co to­tal e não é a úni­ca ener­gia que se gas­ta por dia”, alerta So­fia Pin­to, que des­ta­ca ain­da o “efei­to tér­mi­co dos ali­men­tos que re­pre­sen­ta 5%-10%” des­se mes­mo gas­to ener­gé­ti­co ca­ló­ri­co to­tal. Pa­ra es­ta equa­ção mais ou me­nos me­câ­ni­ca en­tram ain­da fa­to­res co­mo “a exe­cu­ção de qual­quer es­for­ço fí­si­co adi­ci­o­nal (en­tre 20% e35%)”, fri­sa.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.