O der­ra­dei­ro ma­nu­al pa­ra a sua au­to­es­ti­ma.

Sen­tir-se sem­pre bo­ni­ta, con­fi­an­te e cheia de gar­ra são exi­gên­ci­as cons­tan­tes da so­ci­e­da­de, mas nem sem­pre são pre­mis­sas sim­ples de exe­cu­tar. A Wo­men’s He­alth dá-lhe se­te di­cas, uma pa­ra ca­da dia da se­ma­na, pa­ra au­men­tar a sua autoconfiança e pa­ra fa­zê-la

Women's Health (Portugal) - - SUMÁRIO - POR DA­NI­E­LA COS­TA TEI­XEI­RA E CONSTANÇA MON­TEI­RO CLETO

2ª FEI­RA ES­PE­LHO MEU, ES­PE­LHO MEU...

An­tes de sair de ca­sa “olhe-se ao es­pe­lho e di­ga uma fra­se com a qual se iden­ti­fi­ca”, ganhando um bo­ost de con­fi­an­ça pa­ra co­me­çar a se­ma­na. “Tu con­se­gues; Tu és for­te; Tu és per­sis­ten­te; Tu és amor; Tu és bo­ni­ta”. Flor­be­la Sil­va, mind­ful­ness con­sul­tant no Es­tú­dio da Al­ma, su­ge­re que re­pi­ta uma des­tas fra­ses di­a­ri­a­men­te pa­ra se sen­tir mais segura de si.

3ª FEI­RA O COR­PO TAM­BÉM FA­LA

Um for­te aper­to de mão po­de cri­ar um vín­cu­lo mais for­te com o in­ter­lo­cu­tor. As mãos po­dem ser óti­mas ali­a­das, dan­do uma mai­or sen­sa­ção de “po­der e sig­ni­fi­ca­do às palavras”. Ao mes­mo tem­po, o con­tac­to vi­su­al in­ten­so trans­mi­te con­fi­an­ça e cre­di­bi­li­da­de, se­gun­do afir­ma Ale­xan­dre Mon­tei­ro, es­pe­ci­a­lis­ta em lin­gua­gem cor­po­ral na De­ci­frar Pes­so­as. Olhe nos olhos do seu in­ter­lo­cu­tor en­quan­to fa­la e des­vie mais o olhar quan­do ou­ve. Vai pas­sar uma ima­gem de con­fi­an­ça e mos­trar-se mais aten­ta e in­te­res­sa­da.

4ª FEI­RA UM TREI­NO POR DIA NEM SA­BE O BEM QUE LHE FA­ZIA

A se­ma­na já vai a meio e es­tá a dei­xar-se ven­cer pe­lo can­sa­ço? A per­so­nal trai­ner Ra­quel An­tu­nes, do Mus­cle Up Stu­dio, su­ge­re que en­con­tre o exer­cí­cio fí­si­co que a apai­xo­na. “Cri­ar uma ro­ti­na de trei­no vai fa­zer que se sin­ta mais for­te e con­fi­an­te” (e ain­da a aju­da a fi­car em for­ma).

5ª FEI­RA APREN­DA A DI­ZER ‘NÃO’

Di­zer que ‘não’ sem se sen­tir cul­pa­da é es­sen­ci­al pa­ra não “ge­rar con­fli­tos in­ter­nos” con­si­go mes­ma. Pa­ra di­zer ‘não’ e man­ter a boa re­la­ção que tem com a pes­soa, An­tó­nio Sa­ca­vém, es­pe­ci­a­lis­ta em lin­gua­gem cor­po­ral na An­tó­nio Sa­ca­vém Com­mu­ni­ca­ti­on Aca­demy, afir­ma que de­ve explicar o porquê de di­zer “‘não’ ao com­por­ta­men­to ou pe­di­do da pes­soa”, de­mons­trar que en­ten­de o que o ou­tro sen­te e ain­da ten­tar en­con­trar so­lu­ções que sa­tis­fa­çam am­bos.

6ª FEI­RA FRI­DAY FRIYAY

Esqueça a ba­lan­ça! A se­xó­lo­ga Ve­ra Ri­bei­ro, do Hos­pi­tal Saint Louis, acon­se­lha-a a “des­li­gar-se mais da­qui­lo que vê na ba­lan­ça, a cen­trar-se mais na­qui­lo que sen­te e co­mo gos­ta­ria de se sen­tir. Is­so, sim, me­lho­ra a au­to­es­ti­ma, a autoconfiança, o au­to­con­cei­to e, con­se­quen­te­men­te, a segurança de si mes­ma!”

SÁ­BA­DO A BE­LE­ZA NÃO É ETERNA

A psicóloga Ma­ria Jú­lia Va­lé­rio, Co­or­de­na­do­ra do Ser­vi­ço de Psi­co­lo­gia do Cen­tro Hos­pi­ta­lar V.N. Gaia/Es­pi­nho, re­lem­bra a im­por­tân­cia de “re­co­nhe­cer que o in­vó­lu­cro é im­por­tan­te, mas o con­teú­do é o que sus­tém e ali­men­ta as re­la­ções”. De­ve­mos “acei­tar as trans­for­ma­ções de­cor­ren­tes do en­ve­lhe­ci­men­to, ti­rar o má­xi­mo par­ti­do dos cons­tran­gi­men­tos ge­né­ti­cos do cor­po”.

DO­MIN­GO POS­TU­RA DE RAINHA

“Bra­ços aber­tos, com as mãos vi­sí­veis, os pés à mes­ma dis­tân­cia dos om­bros, om­bros pa­ra trás e cos­tas di­rei­tas” é a re­cei­ta re­co­men­da­da por Ale­xan­dre Mon­tei­ro. Mes­mo que não se sin­ta es­pe­ci­al­men­te con­fi­an­te, ado­te uma pos­tu­ra que a fa­ça pa­re­cer uma lí­der po­de­ro­sa. Tão sim­ples quan­to is­to.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.