Tu­do o que tem mes­mo de sa­ber so­bre a in­fer­ti­li­da­de.

Quan­to tem­po de­ve aguar­dar pa­ra ter um be­bé?

Women's Health (Portugal) - - SUMÁRIO - POR JOÃO PARREIRA

Nin­guém de­se­ja es­pe­rar eter­na­men­te quan­do decide ter um fi­lho. Es­ta al­tu­ra é con­ta­gi­a­da pe­la emo­ção, pois um be­bé mu­da a nos­sa vi­da. Mas que­rer ter um e não con­se­guir, mu­da mui­to mais!

Na so­ci­e­da­de mo­der­na, o pro­ble­ma da in­fer­ti­li­da­de alas­trou e atin­ge ca­da vez mais mu­lhe­res. E ho­mens. Va­ri­a­dos es­tu­dos sus­ten­tam que es­te au­men­to es­tá re­la­ci­o­na­do com as mais va­ri­a­das cau­sas, des­de o eter­no stress à fal­ta de ati­vi­da­de fí­si­ca, sem fa­lar­mos nos eter­nos er­ros con­tí­nu­os em ter­mos de nu­tri­ção. Mas há mui­to mais a des­co­brir – e a so­lu­ci­o­nar – por de­trás des­te pro­ble­ma que afe­ta inú­me­ras mu­lhe­res por­tu­gue­sas. A tí­tu­lo de cu­ri­o­si­da­de, e se­gun­do da­dos do Eu­ros­tat, ve­ri­fi­ca-se que Por­tu­gal é o país da União Eu­ro­peia com a ta­xa de fer­ti­li­da­de mais bai­xa e aque­le on­de mais di­mi­nuiu o nú­me­ro de nas­ci­men­tos nos últimos 15 anos. Pa­ra ter uma ideia mais abran­gen­te, em 1990 a ida­de mé­dia de uma mu­lher ter o pri­mei­ro fi­lho era de 27,1 anos. Du­as dé­ca­das de­pois, em 2016, a es­ta­tís­ti­ca au­men­tou pa­ra 31,9 anos. E is­to é pre­o­cu­pan­te. Co­mo se não bas­tas­se, em 2017 re­gis­ta­ram-se me­nos 2.702 nas­ci­men­tos do que em 2016. A com­pro­var es­tes da­dos, um ou­tro es­tu­do fei­to em 2009 pa­ra a ca­rac­te­ri­za­ção da in­fer­ti­li­da­de em Por­tu­gal, a pe­di­do da So­ci­e­da­de Por­tu­gue­sa de Me­di­ci­na da Reprodução (SPMR), mos­trou uma pre­va­lên­cia da do­en­ça de 9,7%. Se o te­ma é sé­rio, es­tá na al­tu­ra de sa­ber o que fa­zer.

E é dis­to que es­te ar­ti­go tra­ta...

UM PRO­BLE­MA QUE AFE­TA OS DOIS MUN­DOS

Há quem ten­te, ten­te e vol­te a ten­tar. Pe­lo meio apro­vei­ta-se o pra­zer das re­la­ções se­xu­ais, mas quan­do a gra­vi­dez tei­ma em não sur­gir, ins­ta­lam-se as dú­vi­das e in­se­gu­ran­ças. De acor­do com a As­so­ci­a­ção Por­tu­gue­sa de In­fer­ti­li­da­de, “con­si­de­ra-se que um ca­sal é in­fér­til quan­do, ao fim de um ano com re­la­ções se­xu­ais re­gu­la­res e des­pro­te­gi­das, não con­se­guiu uma gra­vi­dez”. Cla­ro que há cau­sas. E mui­tas. Cer­ca de um ter­ço são fe­mi­ni­nas, um ter­ço são mas­cu­li­nas e o ou­tro ter­ço é mis­to. Se no ho­mem a aná­li­se do es­per­ma po­de de­te­tar lo­go os pro­ble­mas que jus­ti­fi­cam a di­fi­cul­da­de da con­ce­ção, na mu­lher, “qual­quer si­tu­a­ção no or­ga­nis­mo que di­fi­cul­te a fe­cun­da­ção nor­mal e fi­si­o­ló­gi­ca ou que in­ter­fi­ra com a im­plan­ta­ção do em­brião no úte­ro po­de cau­sar in­fer­ti­li­da­de”, ex­pli­ca a Dra. Ana Pei­xo­to, es­pe­ci­a­lis­ta em Gi­ne­co­lo­gia/Obs­te­trí­cia com su­bes­pe­ci­a­li­da­de em Me­di­ci­na de Reprodução na Clí­ni­ca Cli­ni­mer – Coim­bra Fer­ti­lity Cen­ter. E o rol de pos­si­bi­li­da­des é vas­to: “Al­te­ra­ções do mu­co cer­vi­cal; pa­to­lo­gia da pa­re­de do úte­ro

ou do seu in­te­ri­or (ca­vi­da­de ute­ri­na), co­mo ci­ca­tri­zes, pó­li­pos ou mi­o­mas; obs­tru­ção das trom­pas; pa­to­lo­gia do ová­rio, no­me­a­da­men­te al­te­ra­ções da sua fun­ção ou quis­tos e ain­da do­en­ças cró­ni­cas ou ge­né­ti­cas que se as­so­ci­am a al­te­ra­ções hor­mo­nais ou imu­no­ló­gi­cas”. Além de tu­do is­to, ain­da exis­te o mi­to da ida­de avan­ça­da...

QUE IDA­DE TEM?

A al­tu­ra ide­al pa­ra uma mu­lher en­gra­vi­dar é en­tre os 25 e os 30 anos, já que a fer­ti­li­da­de co­me­ça a bai­xar aos 30 anos e tem uma quebra acen­tu­a­da de­pois dos 35. Tam­bém no ho­mem, a qua­li­da­de do es­per­ma di­mi­nui com a ida­de. Cla­ro que à me­di­da que a ida­de avan­ça, a fer­ti­li­da­de vai di­mi­nuin­do até que ter­mi­na quan­do sur­ge a me­no­pau­sa, mas a dra. Ana Pei­xo­to ex­pli­ca me­lhor: “A mu­lher já nas­ce com o nú­me­ro de fo­lí­cu­los que se­rão res­pon­sá­veis por to­das as ovu­la­ções ao lon­go da vi­da. Es­tes fo­lí­cu­los vão se gas­tan­do, o que le­va a uma di­mi­nui­ção da re­ser­va fo­li­cu­lar ová­ri­ca e da qua­li­da­de dos ovó­ci­tos. Os ovó­ci­tos en­ve­lhe­ci­dos, se fe­cun­da­dos, po­dem dar ori­gem a em­briões com al­te­ra­ções cro­mos­só­mi­cas que não são viá­veis pa­ra que ocor­ra uma gra­vi­dez”. E, com o pas­sar do tem­po, exis­te ain­da uma mai­or pro­ba­bi­li­da­de de apa­re­ci­men­to de do­en­ças que con­tri­bu­em tam­bém pa­ra a di­mi­nui­ção da fer­ti­li­da­de fe­mi­ni­na. É ca­so pa­ra di­zer: se quer ser mãe, não te­nha pres­sa, mas tam­bém não per­ca tem­po.

A DU­RA BA­TA­LHA PSI­CO­LÓ­GI­CA

A in­fer­ti­li­da­de é uma du­ra e do­lo­ro­sa si­tu­a­ção. Uma pes­qui­sa con­du­zi­da pe­la dra. Ali­ce Do­mar, pro­fes­so­ra na Har­vard Me­di­cal Scho­ol (EUA), su­ge­re que o stress su­por­ta­do pe­los pa­ci­en­tes de in­fer­ti­li­da­de é com­pa­rá­vel ao que é vi­vi­do pe­las pes­so­as que es­tão sob tra­ta­men­to de can­cro e si­da. As­sim, “uma boa re­la­ção in­tra­con­ju­gal de mú­tuo apoio e uma ati­tu­de po­si­ti­va pe­ran­te o pro­ble­ma é o mais im­por­tan­te”, su­ge­re a dra. Ana Pei­xo­to. Pre­ci­sa­men­te por is­to, to­dos os cen­tros de PMA têm psi­có­lo­gos ex­pe­ri­en­tes nes­ta área que po­dem aju­dar a re­du­zir a car­ga emo­ci­o­nal as­so­ci­a­da ao stress dos tra­ta­men­tos es­pe­ci­al­men­te quan­do há in­su­ces­so. A dra. Jo­a­na Sam­paio No­guei­ra, psicóloga clí­ni­ca no NEDO saú­de, em Lis­boa, sa­li­en­ta ain­da que “en­gra­vi­dar cos­tu­ma ser con­si­de­ra­do co­mo o sím­bo­lo má­xi­mo

da fe­mi­ni­li­da­de, um po­der que só a mu­lher tem. E ter di­fi­cul­da­des nes­sa área po­de ser mui­to des­tru­ti­vo pa­ra uma mu­lher, já que tem de ge­rir o sen­ti­men­to de cul­pa e fra­cas­so, ge­rir as ex­pec­ta­ti­vas, li­dar com o par­cei­ro, a fa­mí­lia e, aci­ma de tu­do, li­dar con­si­go pró­pria”. Por tu­do is­to, o mais acon­se­lhá­vel “é re­cor­rer a um acom­pa­nha­men­to mé­di­co pa­ra ex­cluir cau­sas or­gâ­ni­cas e, em psi­co­te­ra­pia, fa­zer o lu­to e en­con­trar novas op­ções e fer­ra­men­tas que aju­dem a col­ma­tar o va­zio”. As me­di­ci­nas al­ter­na­ti­vas, co­mo a acu­punc­tu­ra ou téc­ni­cas de re­la­xa­men­to, tam­bém são uma hi­pó­te­se, de­ven­do ca­da mu­lher/ca­sal en­con­trar as for­mas de apoio com as quais se sen­te mais con­for­tá­vel. E nun­ca se esqueça: par­ti­lhar o pro­ble­ma ou re­ser­var a sua con­fi­den­ci­a­li­da­de, são du­as op­ções pos­sí­veis.

TRA­TA­MEN­TOS? CO­ME­CE POR AQUI

En­tran­do no cam­po mé­di­co, a dra. Ana Pei­xo­to ex­pli­ca que “os tra­ta­men­tos ci­rúr­gi­cos são ca­da vez me­nos agres­si­vos e me­nos do­lo­ro­sos, uma vez que re­cor­rem à his­te­ros­co­pia ou la­pa­ros­co­pia, per­mi­tin­do re­mo­ver mi­o­mas, pó­li­pos ou quis­tos”. Por ou­tro la­do, “o re­cur­so a téc­ni­cas de Pro­cri­a­ção Me­di­ca­men­te As­sis­ti­da (PMA) de­ve re­ser­var-se aos ca­sos em que há in­di­ca­ção es­pe­cí­fi­ca ou quan­do os ou­tros tra­ta­men­tos não re­sol­vem a si­tu­a­ção”. Pa­ra ter uma ideia da pa­nó­plia de PMA exis­ten­tes, fi­que a sa­ber que as téc­ni­cas mais co­muns são a in­se­mi­na­ção in­trau­te­ri­na (IIU); fer­ti­li­za­ção in vi­tro (FIV); in­jec­ção in­tra­ci­to­plas­má­ti­ca de es­per­ma­to­zoi­des (ICSI); trans­fe­rên­cia de em­briões, cri­o­pre­ser­va­ção de gâ­me­tas ou zi­go­tos e ain­da o di­ag­nós­ti­co ge­né­ti­co pré-im­plan­ta­ção (DGPI). Mas os tra­ta­men­tos de in­fer­ti­li­da­de não se li­mi­tam aos tra­ta­men­tos de PMA. A mai­o­ria das ve­zes, a si­tu­a­ção re­sol­ve-se com te­ra­pêu­ti­cas mé­di­cas ade­qua­das. A cor­re­ção de de­se­qui­lí­bri­os hor­mo­nais, as in­du­ções da ovu­la­ção ou o tra­ta­men­to de in­fe­ções po­dem fa­cil­men­te re­sol­ver o pro­ble­ma. E nun­ca é de­mais re­lem­brar que a fi­lo­so­fia Wo­men’s He­alth é um dos segredos pa­ra tu­do cor­rer bem, já que mu­dar os há­bi­tos de vi­da não sau­dá­veis, in­cen­ti­var a per­da de pe­so, dei­xar de fu­mar, ab­di­car das be­bi­das al­coó­li­cas e pra­ti­car mais exer­cí­cio fí­si­co au­men­tam a pro­ba­bi­li­da­de de uma gra­vi­dez po­si­ti­va.

AL­TER­NA­TI­VAS INO­VA­DO­RAS

A in­ves­ti­ga­ção nes­ta área é in­ten­sa, prin­ci­pal­men­te na área da genética e da bi­oquí­mi­ca. A apli­ca­ção prá­ti­ca tem me­lho­ra­do mui­to a efi­cá­cia dos tra­ta­men­tos e a co­mo­di­da­de pa­ra os uten­tes. Um bom exem­plo é a in­tro­du­ção na ro­ti­na la­bo­ra­to­ri­al da con­ge­la­ção de ovó­ci­tos por vi­tri­fi­ca­ção. Soa a fic­ção ci­en­tí­fi­ca? A dra. Ana Pei­xo­to des­cons­trói o te­ma e ex­pli­ca que “os ovó­ci­tos são cé­lu­las mui­to vo­lu­mo­sas que so­frem da­nos cau­sa­dos pe­la for­ma­ção de cris­tais de ge­lo na con­ge­la­ção e des­con­ge­la­ção clás­si­cas. Na vi­tri­fi­ca­ção, o ar­re­fe­ci­men­to rá­pi­do a -196 graus cen­tí­gra­dos per­mi­te man­ter a qua­li­da­de ovo­ci­tá­ria, o que se tra­duz em bo­as ta­xas de fe­cun­da­ção e gra­vi­dez”. Ou se­ja, es­ta téc­ni­ca pos­si­bi­li­ta adi­ar o po­ten­ci­al re­pro­du­ti­vo tra­zen­do es­pe­ran­ça a mui­tas mu­lhe­res que, não ten­do condições pa­ra en­gra­vi­da­rem em de­ter­mi­na­da fa­se da sua vi­da, po­dem man­ter o sonho de um dia vi­rem a ser mães. Ou­tra hi­pó­te­se a con­si­de­rar pas­sa pe­lo re­cur­so à do­a­ção de ovó­ci­tos. “Is­to pos­si­bi­li­ta às mu­lhe­res sem ovó­ci­tos de qua­li­da­de tam­bém po­de­rem ser mães. Pa­ra tal, bas­ta trans­fe­rir pa­ra o úte­ro em­briões re­sul­tan­tes da fe­cun­da­ção do es­per­ma com os ovó­ci­tos de uma da­do­ra”.

A PAR­TE MAIS DO­LO­RO­SA NÃO É O PAR­TO. SÃO OS PRE­ÇOS!

Mas cal­ma, tu­do de­pen­de do tra­ta­men­to in­di­ca­do. Os mais dis­pen­di­o­sos são os que re­cor­rem a téc­ni­cas la­bo­ra­to­ri­ais (PMA), e os pre­ços va­ri­am con­so­an­te a téc­ni­ca uti­li­za­da. Nos hos­pi­tais pú­bli­cos, es­tes tra­ta­men­tos são com­par­ti­ci­pa­dos na to­ta­li­da­de e os uten­tes só pa­gam par­te do va­lor dos me­di­ca­men­tos. Po­rém, se de­ci­dir re­cor­rer a uma clí­ni­ca pri­va­da as coi­sas mu­dam de figura e pas­sa­mos a fa­lar de va­lo­res que va­ri­am en­tre 500€ pa­ra uma IIU (in­se­mi­na­ção in­trau­te­ri­na) até 4.000€ pa­ra uma ICSI (in­je­ção in­tra­ci­to­plas­má­ti­ca de es­per­ma­to­zoi­des). Os cus­tos são mais ele­va­dos quan­do há cri­o­pre­ser­va­ção de em­briões ou re­cur­so a gâ­me­tas de da­dor. Acon­te­ça o que acon­te­cer, não se esqueça: a for­ça da ma­ter­ni­da­de é mai­or que as leis da na­tu­re­za!

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.