FO­ME EMO­CI­O­NAL

Exis­te uma re­la­ção in­trín­se­ca en­tre sen­tir-se stres­sa­da e ga­nhar pe­so. E não tem ape­nas a ver com o ato de ali­men­tar as su­as emo­ções. Apren­da a tra­var es­te ci­clo e o que faz de­sen­ca­de­ar a fo­me emo­ci­o­nal.

Women's Health (Portugal) - - VEGETAIS COMER BEM - POR CONSTANÇA MON­TEI­RO CLETO

Quan­do tem pro­ble­mas na sua vi­da, se­ja no tra­ba­lho ou em ca­sa, a von­ta­de de comer po­de re­ve­lar-se mais in­ten­sa e a co­mi­da po­de tor­nar-se um es­ca­pe. As­sim, aca­ba por comer mais e po­de mes­mo apli­car-se a ex­pres­são ‘fo­me emo­ci­o­nal’. Nes­te ca­so, a ‘fo­me’ que sen­te é mo­ti­va­da por fa­to­res que cau­sam de­se­qui­lí­brio ao seu or­ga­nis­mo. Se­gun­do a Uni­ver­si­da­de de Har­vard, nos Es­ta­dos Uni­dos, o stress é um dos gran­des res­pon­sá­veis quan­do co­me de­ma­si­a­do. Comer é in­dis­pen­sá­vel pa­ra a saú­de e pa­ra o bem-es­tar de qual­quer pes­soa. No en­tan­to, por ve­zes, po­dem acon­te­cer de­se­qui­lí­bri­os que a le­vam a re­du­zir a quan­ti­da­de de co­mi­da que in­ge­re ou, por ou­tro la­do, a comer mais do que o que é ne­ces­sá­rio . Ter fo­me e ter von­ta­de de comer são du­as pre­mis­sas dis­tin­tas e que de­ve sa­ber dis­tin­guir. “Se, an­ti­ga­men­te, po­dia ser na­tu­ral a con­fu­são en­tre a fo­me fi­si­o­ló­gi­ca e a fo­me emo­ci­o­nal, ho­je as di­fe­ren­ças es­tão bem es­cla­re­ci­das e es­tu­da­das”, afir­ma a nu­tri­ci­o­nis­ta Ri­ta Li­ma, a exer­cer no An­tas - Pri­me Fit­ness. A fo­me fi­si­o­ló­gi­ca é uma re­a­ção do or­ga­nis­mo, que lhe pe­de pa­ra re­por os ní­veis de ener­gia e ca­lo­ri­as de que pre­ci­sa pa­ra fun­ci­o­nar cor­re­ta­men­te. Por ou­tro la­do, a von­ta­de de comer (a cha­ma­da fo­me emo­ci­o­nal) é uma sen­sa­ção me­ra­men­te ilu­só­ria.

Mas se acha que o pro­ble­ma da fo­me emo­ci­o­nal ape­nas a atin­gia a si, es­tá en­ga­na­da. Ao pes­qui­sar por #stres­se­a­ting no Ins­ta­gram vai per­ce­ber que mais de cem mil pes­so­as já fi­ze­ram al­gu­ma pu­bli­ca­ção em que ex­pres­sa­vam o mes­mo sen­ti­men­to.

A ver­da­de é que o stress é mes­mo res­pon­sá­vel por al­te­ra­ções drás­ti­cas no or­ga­nis­mo e os es­tu­dos mais re­cen­tes apon­tam pa­ra o fac­to de se­rem as mu­lhe­res quem mais so­fre. E há mui­tos fa­to­res em jo­go. Es­tar nu­ma re­la­ção in­fe­liz, sen­tir pres­são no tra­ba­lho ou pas­sar por al­gu­ma si­tu­a­ção trau­má­ti­ca es­tá in­ti­ma­men­te as­so­ci­a­do à fo­me emo­ci­o­nal e ao au­men­to de pe­so.

CO­NHE­ÇA O SEU COR­PO

“A fo­me emo­ci­o­nal ca­ra­te­ri­za-se por um de­se­jo re­pen­ti­no de ali­men­tos re­con­for­tan­tes, por nor­ma, ri­cos em açú­car e/ou gor­du­ra, com in­tui­to de re­com­pen­sa e de sa­tis­fa­ção de ne­ces­si­da­des emo­ci­o­nais, em par­ti­cu­lar stress, an­si­e­da­de ou can­sa­ço”, con­ti­nua a nu­tri­ci­o­nis­ta. O des­gas­te e o stress no tra­ba­lho ou em ca­sa po­dem ser os ga­ti­lhos per­fei­tos pa­ra exa­ge­rar no que co­me.

“O stress emo­ci­o­nal po­de explicar a ne­ces­si­da­de de ali­men­tos acres­ci­da, vis­to que pro­mo­ve um au­men­to das hor­mo­nas do ape­ti­te e de­se­qui­li­bra, emo­ci­o­nal­men­te, a pes­soa”, afir­ma Ri­ta Li­ma. A con­sequên­cia na­tu­ral é a pes­soa pas­sar a re­fu­gi­ar-se na co­mi­da, por­que é es­sa a sua fór­mu­la pa­ra atin­gir o bem-es­tar. Es­ta op­ção apre­sen­ta-se co­mo o ca­mi­nho mais fá­cil: es­co­lher “ali­men­tos nu­tri­ci­o­nal­men­te mais de­sin­te­res­san­tes, ca­pa­zes de de­sen­ca­de­ar a sen­sa­ção de bem-es­tar”.

Vol­tan­do às con­clu­sões de Har­vard, ape­sar de, nos pri­mei­ros mo­men­tos de stress, exis­tir a ten­dên­cia pa­ra comer me­nos, a lon­go pra­zo po­de acon­te­cer o in­ver­so. Comer me­nos es­tá as­so­ci­a­do às men­sa­gens que são en­vi­a­das pe­lo sis­te­ma ner­vo­so às glân­du­las adre­nais pa­ra que li­ber­tem epi­ne­ne­fri­na, tam­bém co­nhe­ci­da co­mo adre­na­li­na. Ao ter uma mai­or con­cen­tra­ção de adre­na­li­na no or­ga­nis­mo, vai sen­tir me­nos ne­ces­si­da­de de comer. A lon­go pra­zo, os efei­tos são opos­tos e vai co­me­çar a in­ge­rir uma quan­ti­da­de su­pe­ri­or de ali­men­tos àque­la de que o seu or­ga­nis­mo pre­ci­sa. Aqui, acon­te­ce uma li­ber­ta­ção mais in­ten­sa de cor­ti­sol, a hor­mo­na que vai ser res­pon­sá­vel pe­lo au­men­to do ape­ti­te. Se os seus ní­veis de stress co­me­ça­rem a bai­xar, en­tão, a quan­ti­da­de de cor­ti­sol que tem no or­ga­nis­mo tam­bém ten­de a de­cair. A ali­men­ta­ção inf lu­en­cia a sua saú­de de um mo­do ge­ral, pe­lo que de­ve comer de for­ma cons­ci­en­te.

RESPIRE FUN­DO

O pri­mei­ro pas­so pa­ra ul­tra­pas­sar o pro­ble­ma é re­co­nhe­cer que o tem. No ca­so de fo­me emo­ci­o­nal, ga­nhar o con­tro­lo da sua vi­da po­de exigir um es­for­ço ex­tra. “Tem de dis­so­ci­ar a par­te emo­ci­o­nal da par­te ali­men­tar e per­ce­ber que a so­lu­ção pa­ra os pro­ble­mas e pa­ra com­ba­ter es­se es­ta­do de es­pí­ri­to não es­tá na ali­men­ta­ção”, acon­se­lha. É nor­mal que te­nha no­ta­do um au­men­to de pe­so e, ao sen­tir-se me­nos em for­ma, a sua “es­tru­tu­ra psi­co­ló­gi­ca e emo­ci­o­nal ten­de a fi­car mais frá­gil”, con­ti­nua a es­pe­ci­a­lis­ta.

CO­MA CO­MI­DA DE VER­DA­DE

Ape­sar de to­dos os fa­to­res hor­mo­nais en­vol­vi­dos nes­te pro­ces­so, o que co­me e quan­do co­me es­tá li­ga­do ao au­men­to do pe­so. Al­guns ali­men­tos são me­lho­res ou piores pa­ra con­tro­lar ou de­sen­ca­de­ar a fo­me emo­ci­o­nal. Se ti­ver uma ali­men­ta­ção ri­ca em açú­car, a pro­ba­bi­li­da­de de con­ti­nu­ar a comer de­ma­si­a­do man­tém-se “de­vi­do ao efei­to adi­ti­vo des­te com­pos­to”. Por ou­tro la­do, ali­men­tos mais ri­cos em pro­teí­na, gor­du­ras sau­dá­veis co­mo o óme­ga3 e hi­dra-tos de car­bo­no com­ple­xos po­dem aju­dar a equi­li­brar os va­lo­res.

EXERCITE-SE

Che­ga ao fim do dia e só lhe ape­te­ce comer bo­la­chas, sen­ta­da no seu so­fá e en­ro­la­da nu­ma man­ta. Is­so é o es­pe­lho do stress na sua vi­da. Mas exis­te uma sé­rie de ati­vi­da­des que po­dem aju­dar a re­du­zir a fo­me emo­ci­o­nal. Fa­zer exer­cí­cio fí­si­co, dar um pas­seio à bei­ra-mar ou to­mar um ba­nho re­la­xan­te são “es­tra­té­gi­as pa­ra con­tor­nar a fo­me emo­ci­o­nal e li­ber­tar o stress de for­ma mais sau­dá­vel”, con­clui a nu­tri­ci­o­nis­ta.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.