AN­GO­LA? UM DIA DES­TES!

Folha 8 - - DESTAQUE -

OP­re­si­den­te da Re­pú­bli­ca de Portugal, Mar­ce­lo Re­be­lo de Sou­sa, afir­mou no pas­sa­do dia 15 não ter no­vas in­for­ma­ções so­bre uma pos­sí­vel vi­si­ta sua ou do pri­mei­ro-mi­nis­tro a An­go­la, mas sa­li­en­tou que am­bos têm “um pri­mei­ro se­mes­tre mui­to cheio” em ter­mos de agen­da, “até Se­tem­bro, Ou­tu­bro”. “Não te­nho ne­nhu­ma in­for­ma­ção adi­ci­o­nal. Sa­be que es­tas pro­gra­ma­ções de vi­si­tas, en­tão num ano tão in­ten­so e tão cheio co­mo é es­te, da par­te do senhor pri­mei­ro-mi­nis­tro por um la­do, e da par­te do Pre­si­den­te da Re­pú­bli­ca por ou­tro, es­sa pro­gra­ma­ção é com­ple­xa”, de­cla­rou Mar­ce­lo Re­be­lo de Sou­sa. O che­fe de Es­ta­do, que fa­la­va aos jor­na­lis­tas no fi­nal de uma vi­si­ta ao Co­man­do Aé­reo, no Par­que Flo­res­tal do Mon­san­to, em Lis­boa, acres­cen­tou: “Te­mos um pri­mei­ro se­mes­tre mui­to cheio. En­tre che­fes de Es­ta­do que vêm a Portugal e vi­si­tas ao es­tran­gei­ro, eu di­ria que até Se­tem­bro, Ou­tu­bro, es­tá mui­to cheio. Ve­re­mos”. Mar­ce­lo Re­be­lo de Sou­sa foi tam­bém qu­es­ti­o­na­do so­bre a de­ci­são da ope­ra­do­ra de te­le­vi­são por sa­té­li­te an­go­la­na Zap, de Isa­bel dos Santos, em­pre­sá­ria, Pre­si­den­te do Con­se­lho de Ad­mi­nis­tra­ção da So­nan­gol e fi­lha do seu ho­mó­lo­go (nun­ca no­mi­nal­men­te elei­to e no po­der há 38 anos) Jo­sé Edu­ar­do dos Santos, de in­ter­rom­per – co­mo o Fo­lha 8 on­tem no­ti­ci­ou – a di­fu­são dos ca­nais SIC Internacional e SIC No­tí­ci­as nos mer­ca­dos de An­go­la e Mo­çam­bi­que. O Pre­si­den­te da Re­pú­bli­ca ale­gou ain­da não dis­por de in­for­ma­ção so­bre es­se as­sun­to: “Ain­da não. Es­pe­ro tal­vez en­tre quar­ta e quin­ta-fei­ra ter, mas até agora ain­da não te­nho”. In­ter­ro­ga­do se fa­lou re­cen­te­men­te com o Go­ver­no an­go­la­no so­bre o es­ta­do das re­la­ções bi­la­te­rais, o che­fe de Es­ta­do res­pon­deu que “nas re­la­ções en­tre paí­ses há um prin­cí­pio mui­to im­por­tan­te que é o da dis­cri­ção”. Re­co­nhe­ça-se que Mar­ce­lo Re­be­lo de Sou­sa éo po­lí­ti­co por­tu­guês mais ha­bi­li­ta­do (a par do pri­mei­ro-mi­nis­tro António Cos­ta) para não só ci­men­tar co­mo tam­bém alar­gar as re­la­ções com o re­gi­me de sua ma­jes­ta­de o rei de An­go­la, Jo­sé Edu­ar­do dos Santos. Mar­ce­lo sa­be que – do pon­to de vis­ta ofi­ci­al – An­go­la ain­da é o MPLA, e que o MPLA ain­da é An­go­la. Por­tan­to… Si­ga a fan­far­ra. An­go­la é um dos paí­ses lu­só­fo­nos com a mai­or ta­xa de mor­ta­li­da­de in­fan­til e ma­ter­na e de gra­vi­dez na ado­les­cên­cia, se­gun­do as Na­ções Uni­das. Mas o que é que is­so im­por­ta a Mar­ce­lo Re­be­lo de Sou­sa? Im­por­tan­te é sa­ber de fac­to que a fi­lha do pre­si­den­te so­ma e se­gue, mes­mo qu­an­do se sa­be que o re­gi­me é um dos mais cor­rup­tos do mun­do. Ou se­rá por is­so mes­mo? Aliás, mui­tos dos an­go­la­nos (70% da po­pu­la­ção vi­ve na mi­sé­ria) que ra­ra­men­te sa­bem o que é uma re­fei­ção, po­de­rão cer­ta­men­te ali­men­tar-se com o fac­to de a fi­lha do pre­si­den­te ser tam­bém do­na dos an­ti­gos co­lo­ni­za­do­res, para além de as­sis­ti­rem um dia des­tes, ao vi­vo e a co­res, ao bei­ja-mão de Mar­ce­lo Re­be­lo de Sou­sa ao “que­ri­do lí­der”. É cla­ro que, se­gun­do a bi­to­la de Mar­ce­lo Re­be­lo de Sou­sa, con­ti­nua a ha­ver bons e maus di­ta­do­res. Mu­am­mar Kadha­fi pas­sou a ser mau e Edu­ar­do dos Santos con­ti­nua a ser bom. E que mais po­dem que­rer os ba­ju­la­do­res que en­xa­mei­am os areó­pa­gos po­lí­ti­cos de Lis­boa? Portugal con­ti­nua de có­co­ras pe­ran­te o re­gi­me es­cla­va­gis­ta de Lu­an­da, tal co­mo es­ta­va em re­la­ção a Mu­am­mar Kadha­fi que, ci­tan­do Jo­sé Só­cra­tes, era “um lí­der ca­ris­má­ti­co”. Se­rá que al­guém vai per­gun­tar a Mar­ce­lo Re­be­lo de Sou­sa o que pensa des­sa far­sa a que se chama de­mo­cra­cia e Es­ta­do de Di­rei­to em An­go­la? Cer­to se­rá que, nes­ta ma­té­ria, Mar­ce­lo Re­be­lo de Sou­sa con­ti­nua a pen­sar da mes­ma for­ma que Ca­va­co Sil­va, Jo­sé Só­cra­tes, Pas­sos Co­e­lho, Pau­lo Por­tas ou António Cos­ta, para qu­em An­go­la nun­ca es­te­ve tão bem, mes­mo ten­do 20 mi­lhões de po­bres. Cus­ta a crer, mas é ver­da­de que os po­lí­ti­cos por­tu­gue­ses (com ex­cep­ção dos do Blo­co de Es­quer­da) fa­zem um es­for­ço tre­men­do (se ca­lhar bem re­mu­ne­ra­do) para pro­cu­rar le­gi­ti­mar o que se pas­sa de mais er­ra­do com as au­to­ri­da­des an­go­la­nas, as tais que es­tão no po­der des­de 1975. Re­cor­de-se que até o ge­ne­ral se­cre­tá­rio do co­mi­té pro­vin­ci­al do MPLA para Or­ga­ni­za­ção Pe­ri­fé­ri­ca e Ru­ral, Ben­to dos Santos Kan­gam­ba, igual­men­te so­bri­nho do Pre­si­den­te Edu­ar­do dos Santos, elo­gi­ou a elei­ção no­mi­nal (coi­sa que em An­go­la nun­ca exis­tiu) de Mar­ce­lo Re­be­lo de Sou­sa para Pre­si­den­te da Re­pú­bli­ca de Portugal, ape­lan­do ao seu pa­pel co­mo “me­di­a­dor” nas re­la­ções en­tre os dois paí­ses. “Nes­te mo­men­to não te­mos que ter di­ri­gen­tes com mui­to fo­go-de-ar­ti­fí­cio en­tre os dois paí­ses e sim com cal­ma e paciência para ul­tra­pas­sar­mos os pro­ble­mas. Portugal não po­de ser o país on­de se cri­am pro­ble­mas a An­go­la, mas on­de se re­sol­vem os pro­ble­mas de An­go­la, es­pe­ro es­se pa­pel de me­di­a­dor de­le”, dis­se o ge­ne­ral num por­tu­guês que, com­pre­en­si­vel­men­te, te­ve de ser tra­du­zi­do para… por­tu­guês pe­los jor­na­lis­tas. Ben­to dos Santos Kan­gam­ba des­ta­ca, qu­an­do con­vém ao re­gi­me, a “po­lí­ti­ca mui­to ma­du­ra” em Portugal, que “be­ne­fi­cia a de­mo­cra­cia” do país, ten­do em con­ta as elei­ções que de­ram a vi­tó­ria a Mar­ce­lo Re­be­lo de Sou­sa. “Va­mos be­ben­do a ex­pe­ri­ên­cia de Portugal, de de­mo­cra­cia aber­ta”, apon­tou, dei­xan­do o de­se­jo de ver Mar­ce­lo Re­be­lo de Sou­sa re­a­li­zar uma vi­si­ta de Es­ta­do (leia-se de ba­ju­la­ção) a An­go­la. “Se­ria um mui­to bom si­nal. Não tem co­mo os por­tu­gue­ses es­ta­rem con­tra An­go­la, não tem co­mo os an­go­la­nos es­ta­rem con­tra os por­tu­gue­ses. Nós es­ta­mos con­de­na­dos a viver jun­tos, a es­tar jun­tos, é a mes­ma lín­gua, vi­ve­mos jun­tos, sãs as mes­mas fa­mí­li­as, os no­mes são iguais”, re­cor­dou o ge­ne­ral do clã Edu­ar­do dos Santos. An­go­la e Portugal têm vi­vi­do vá­ri­os mo­men­tos de es­tra­té­gi­ca ten­são nas re­la­ções bi­la­te­rais nos úl­ti­mos anos, que le­va­ram mes­mo o Pre­si­den­te an­go­la­no a anun­ci­ar, em 2013, o fim da in­ten­ção de es­ta­be­le­cer uma par­ce­ria es­tra­té­gi­ca com o país. Na­da co­mo pôr o ve­lho co­lo­ni­za­dor em or­dem… “Qu­an­do se ga­nham umas elei­ções em Portugal, a pri­mei­ra li­ga­ção que se tem de fa­zer é con­ver­sar com os di­ri­gen­tes an­go­la­nos e cri­ar aque­le am­bi­en­te mui­to for­te en­tre ir­mãos”, dis­se ain­da o ge­ne­ral Kan­gam­ba, cer­ta­men­te ci­en­te de que – mes­mo com a cri­se pe­tro­lí­fe­ra – qu­an­do An­go­la es­pir­ra Portugal apa­nha uma pneu­mo­nia. De fac­to, co­mo cer­ta­men­te Mar­ce­lo Re­be­lo de Sou­sa não se es­que­ce­rá de enal­te­cer, An­go­la é um exem­plo do que de mais evo­luí­do se co­nhe­ce em ter­mos de de­mo­cra­cia, ri­va­li­zan­do – even­tu­al­men­te – com a Co­reia do Nor­te e com a Gui­né Equa­to­ri­al. Ve­ja-se, por exem­plo abo­na­tó­rio da te­se re­gi­men­tal, que es­ta no­ção de de­mo­cra­cia é ci­men­ta­da pe­los três mais su­bli­mes dig­ni­tá­ri­os do país: O Pre­si­den­te do MPLA (Jo­sé Edu­ar­do dos Santos), o Ti­tu­lar do Po­der Exe­cu­ti­vo (Jo­sé Edu­ar­do dos Santos) e o Pre­si­den­te da Re­pú­bli­ca (Jo­sé Edu­ar­do dos Santos).

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.