AS MORTES DA COR­RUP­ÇÃO

Folha 8 - - DESTAQUE -

O mi­nis­tro Luís Sam­bo é ex­tre­ma­men­te cla­ro ao afir­mar a vul­ne­ra­bi­li­da­de epi­dé­mi­ca an­go­la­na, mas ao mes­mo tem­po fin­ge que não per­ce­be de on­de es­ta vem. Mas o mi­nis­tro, as­sim co­mo to­dos os di­ri­gen­tes an­go­la­nos que sa­cam o mais que po­dem dos es­que­mas cor­rup­tos do seu país, sa­be mui­to bem a ra­zão por que as epi­de­mi­as con­ti­nu­am a ar­ra­sar a po­pu­la­ção an­go­la­na: não é pos­sí­vel ha­ver Saú­de em An­go­la en­quan­to hou­ver cor­rup­ção. O di­nhei­ro que de­via ir pa­ra a Saú­de — e que se­gu­ra­men­te se­ria o bas­tan­te pa­ra me­lho­rar dras­ti­ca­men­te as con­di­ções de vi­da dos an­go­la­nos — vai pa­ra os bol­sos dos di­ri­gen­tes e de to­da a teia fir­me­men­te mon­ta­da da cor­rup­ção. To­dos sa­bem que as­sim é. To­dos sa­bem que, pa­ra te­rem os seus pa­lá­ci­os, os seus aviões par­ti­cu­la­res, as su­as fes­tas com es­tre­las pop, a po­pu­la­ção an­go­la­na tem de ser man­ti­da na mi­sé­ria e na mor­te. É um pre­ço que não os faz pes­ta­ne­jar. Es­ses di­ri­gen­tes, mui­tos dos seus fa­mi­li­a­res e apoi­an­tes são de­su­ma­nos, ape­sar do apa­ren­te ar so­fis­ti­ca­do que exi­bem co­mo mem­bros de uma eli­te de pre­da­do­res. As­sim, o con­cei­to de cor­rup­ção tem de ser ele­va­do pa­ra um no­vo pa­ta­mar. Es­se pa­ta­mar é o dos di­rei­tos hu­ma­nos. Aten­den­do ao mal que a cor­rup­ção faz a um país, ma­tan­do as su­as cri­an­ças e os seus ve­lhos, atra­san­do o seu de­sen­vol­vi­men­to, man­ten­do ní­veis exa­cer­ba­dos de po­bre­za, o di­rei­to à não cor­rup­ção tem de ser con­si­de­ra­do co­mo um di­rei­to hu­ma­no fun­da­men­tal. To­dos te­mos o di­rei­to a ser go­ver­na­dos de for­ma trans­pa­ren­te e não cor­rup­ta. Cor­rup­ção e di­rei­tos hu­ma­nos tor­na­ram-se a mes­ma fa­ce da mo­e­da. Tor­nan­do-se o di­rei­to à não cor­rup­ção um di­rei­to hu­ma­no, to­dos os me­ca­nis­mos in­ter­na­ci­o­nais e na­ci­o­nais de pro­tec­ção dos di­rei­tos hu­ma­nos e de com­ba­te à cor­rup­ção de­vem ser co­or­de­na­dos, pa­ra tra­ba­lhar em con­jun­to. A ONU, a União Afri­ca­na, a OCDE e de­mais or­ga­ni­za­ções in­ter­na­ci­o­nais de­ve­rão com­ple­men­tar os seus es­for­ços. Por­que se en­con­tra nes­te no­vo pa­ta­mar, a cor­rup­ção não po­de man­ter-se co­mo uma ques­tão de Es­ta­do, pa­ra a qual ape­nas se­jam com­pe­ten­tes os ór­gãos de Es­ta­do, mas tem de tor­nar-se uma ques­tão de di­rei­tos in­di­vi­du­ais e de au­to­de­ter­mi­na­ção po­pu­lar. Nes­tes ter­mos, as pes­so­as in­di­vi­du­ais te­rão o di­rei­to de acu­sar di­rec­ta­men­te (com pro­vas, na­tu­ral­men­te) os go­ver­nan­tes cor­rup­tos, sem te­rem de pas­sar pe­lo cri­vo ar­qui­va­dor do mi­nis­tro da Jus­ti­ça ou do pro­cu­ra­dor-ge­ral da Re­pú­bli­ca. Em su­ma, a po­pu­la­ção de­ve re­a­gir e exi­gir que os la­drões se­jam jul­ga­dos. Por­que ca­da kwan­za ou dó­lar que vai pa­ra os bol­sos do Ze­nú (ou dos ou­tros) é um kwan­za ou um dó­lar que não vai pa­ra a me­lho­rar a saú­de do po­vo. (*) Ma­ka An­go­la

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.