NACIONALIZAR OS PREJUÍZOS, PRIVATIZAR OS LUCROS

Folha 8 - - DESTAQUE -

Ofi­ci­al­men­te, o es­que­ma do por­to te­ve iní­cio a 14 de Agos­to de 2012, dez me­ses após a cri­a­ção da Cai­o­por­to S.A. atra­vés do de­cre­to pre­si­den­ci­al n.º 177/12, que au­to­ri­za­va o mi­nis­tro dos Trans­por­tes, Au­gus­to To­más, a re­a­li­zar um con­tra­to de con­ces­são com a re­fe­ri­da em­pre­sa, re­la­ti­va­men­te ao no­vo Por­to do Caio. A 17 de Ja­nei­ro de 2012, a em­pre­sa con­cluiu o pro­ces­so de le­ga­li­za­ção, pu­bli­can­do os seus es­ta­tu­tos em Diá­rio da Re­pú­bli­ca: se­te me­ses, por­tan­to, an­tes da de­ci­são pre­si­den­ci­al. Co­mo jus­ti­fi­ca­ção, o pre­si­den­te in­vo­cou a ne­ces­si­da­de, a ur­gên­cia e o in­te­res­se pú­bli­co, atri­buin­do as­sim, sem qual­quer con­cur­so pú­bli­co ou me­ca­nis­mo de trans­pa­rên­cia, a con­ces­são à em­pre­sa Cai­o­por­to S.A., que nes­sa al­tu­ra não pas­sa­va de uma es­cri­tu­ra no­ta­ri­al. O no­me da em­pre­sa, um tro­ca­di­lho do no­me do fu­tu­ro por­to, não é um me­ro aca­so. Foi de­fi­ni­do pro­po­si­ta­da­men­te, pa­ra re­ce­ber a con­ces­são. O con­tra­to, uma par­ce­ria pú­bli­co-pri­va­da, es­ta­be­le­cia que a Cai­o­por­to S.A. se en­car­re­ga­va do fi­nan­ci­a­men­to, pla­ne­a­men­to, con­cep­ção, re­mo­de­la­ção, en­ge­nha­ria, cons­tru­ção e apro­vi­si­o­na­men­to do no­vo Por­to do Caio. Co­mo con­tra­par­ti­da des­ta ta­re­fa a em­pre­sa ob­ti­nha o ex­clu­si­vo de for­ne­cer ins­ta­la­ções e ser­vi­ços no por­to a qual­quer em­bar­ca­ção que o uti­li­zas­se. Em re­su­mo, a Cai­o­por­to S.A. an­ga­ri­a­va o fi­nan­ci­a­men­to de 540 mi­lhões de dó­la­res, cons­truía e de­pois ex­plo­ra­ria o Por­to. Des­se mo­do, a em­pre­sa as­su­mia os ris­cos de in­ves­ti­men­to, que se­ria pri­va­do, e de­pois ar­re­ca­da­ria os lucros, pres­tan­do um ser­vi­ço pú­bli­co – a cons­tru­ção e ges­tão de um por­to de mar. No en­tan­to, tu­do não pas­sa­va de um en­go­do pa­ra Jo­sé Edu­ar­do dos San­tos, sem­pre pa­ter­nal no sa­que da coi­sa pú­bli­ca, con­fe­rir um as­pec­to de le­ga­li­da­de ao es­que­ma, le­gi­ti­ma­do pe­los de­cre­tos pre­si­den­ci­ais sub­se­quen­tes. No âm­bi­to da se­ma­na de ce­le­bra­ções do seu ani­ver­sá­rio, e uma se­ma­na após ter as­si­na­do o re­fe­ri­do de­cre­to pre­si­den­ci­al, a 20 de Agos­to de 2012, o pre­si­den­te da Re­pú­bli­ca lan­çou, com pom­pa e am­pla di­vul­ga­ção, a pri­mei­ra pe­dra do pro­jec­to. Con­tu­do, mal ti­nham pas­sa­do qua­tro me­ses, sur­ge o se­gun­do de­cre­to pre­si­den­ci­al, com o n.º 234/12, de 4 de De­zem­bro, re­la­ti­vo ao mes­mís­si­mo Por­to de Caio. Es­se de­cre­to con­tém uma gran­de al­te­ra­ção: in­tro­duz no con­tra­to en­tre a Cai­o­por­to S.A. e o Es­ta­do an­go­la­no a au­to­ri­za­ção de pres­ta­ção de uma Ga­ran­tia de Es­ta­do de pa­ga­men­to à pri­mei­ra so­li­ci­ta­ção a fa­vor das en­ti­da­des que fi­nan­ci­am a con­ces­são. “O que es­te lin­gua­jar ju­rí­di­co diz é mui­to sim­ples: o Es­ta­do pas­sa a ga­ran­tir os em­prés­ti­mos que os ban­cos con­ce­dem à em­pre­sa pri­va­da. Te­mos aqui uma al­te­ra­ção fun­da­men­tal do ris­co do con­tra­to”, re­fe­re Rui Ver­de, ana­lis­ta ju­rí­di­co do Ma­ka An­go­la. “An­tes, quem in­ves­tia e per­dia ou ga­nha­va di­nhei­ro era a em­pre­sa pri­va­da. Ago­ra, a em­pre­sa pri­va­da só ga­nha; se hou­ver per­das, o Es­ta­do é que pa­ga”, acres­cen­ta. “Na­ci­o­na­li­zam-se os prejuízos e pri­va­ti­zam-se os lucros”, as­se­ve­ra o ju­ris­ta. O mes­mo de­cre­to acres­cen­ta que o Es­ta­do an­go­la­no pres­ta a fa­vor da em­pre­sa pri­va­da uma ga­ran­tia de re­cei­ta mí­ni­ma, de mo­do a as­se­gu­rar a vi­a­bi­li­da­de eco­nó­mi­ca do por­to. Rui Ver­de tra­duz em miú­dos o sig­ni­fi­ca­do des­sa ga­ran­tia: “Ve­ja­mos um exem­plo: a em­pre­sa pri­va­da Cai­o­por­to S.A. pre­ci­sa de uma re­cei­ta mí­ni­ma do por­to no va­lor de um bi­lião de kwan­zas por mês, pa­ra pa­gar os seus en­car­gos e ter lu­cro. Se o por­to dá es­sa re­cei­ta, a em­pre­sa re­ce­be-a. Se o por­to ape­nas dá uma re­cei­ta de 700 mi­lhões, os res­tan­tes 300 mi­lhões (pa­ra per­fa­zer um bi­lião) são en­tre­gues pe­lo Es­ta­do à em­pre­sa. O bi­lião é sem­pre cer­to.” Em su­ma, a em­pre­sa tem sem­pre o seu lu­cro ga­ran­ti­do: ou re­ce­be di­rec­ta­men­te do ne­gó­cio, ou re­ce­be in­di­rec­ta­men­te do Es­ta­do. Pos­to is­to, tor­na-se bas­tan­te cla­ro que a em­pre­sa Cai­o­por­to S.A. não tem ar­ca­boi­ço eco­nó­mi­co nem cre­di­bi­li­da­de jun­to das ins­ti­tui­ções fi­nan­cei­ras pa­ra ob­ter em­prés­ti­mos, pois pre­ci­sa do Es­ta­do co­mo ga­ran­te de re­cei­ta e de pa­ga­men­to. É uma em­pre­sa des­ti­tuí­da de mas­sa crí­ti­ca pa­ra o pro­jec­to a que se pro­põe. De­pois dis­to, há um pe­río­do de si­lên­cio e es­tag­na­ção. Ape­nas em fi­nais de Ju­lho de 2014, vol­vi­dos 18 me­ses so­bre o úl­ti­mo de­cre­to pre­si­den­ci­al, se anun­cia que em De­zem­bro des­se ano ar­ran­ca­rão as obras por­tuá­ri­as. A pri­mei­ra pe­dra lan­ça­da pe­lo pre­si­den­te, ain­da em 2012, não pas­sou de um gol­pe de pro­pa­gan­da pa­ra mos­trar obra nas co­me­mo­ra­ções do seu ani­ver­sá­rio, em Ca­bin­da. Ao que pa­re­ce, a pe­dra lan­ça­da foi le­va­da pe­lo mar…

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.