(MAIS UMA) ENOR­ME LIÇÃO DOS JO­VENS ACTIVISTAS

Folha 8 - - POLÍTICA -

Ogru­po de 17 jo­vens activistas an­go­la­nos, con­de­na­dos em 2016 com ba­se em su­pos­tas pro­vas for­ja­das nas la­tri­nas do re­gi­me, di­vul­gou uma pro­pos­ta para cons­ti­tui­ção de uma co­li­ga­ção de par­ti­dos na opo­si­ção, en­tre­gue há cer­ca de um mês e à qual res­pon­de­ram até agora ape­nas du­as for­ças po­lí­ti­cas. A pro­pos­ta foi apre­sen­ta­da em con­fe­rên­cia de im­pren­sa re­a­li­za­da pe­los 17 in­te­gran­tes do gru­po de activistas, co­nhe­ci­dos co­mo 15+2, do pro­ces­so em que fo­ram jul­ga­dos e con­de­na­dos por su­pos­tos e nun­ca pro­va­dos ac­tos pre­pa­ra­tó­ri­os de re­be­lião e as­so­ci­a­ção de mal­fei­to­res, a 28 de Mar­ço de 2016. Se­gun­do o por­ta-voz do gru­po, Nu­no Da­la, a 20 de Fe­ve­rei­ro foi re­me­ti­do um “ex­ten­so me­mo­ran­do” a to­dos os par­ti­dos po­lí­ti­cos na opo­si­ção, com uma ex­po­si­ção exaus­ti­va so­bre a pos­si­bi­li­da­de de os par­ti­dos, des­de os de me­nor ex­pres­são po­lí­ti­ca aos de mai­or, “se uni­rem em or­dem a cons­ti­tuir uma co­li­ga­ção”, com o ob­jec­ti­vo de fa­ze­rem a di­fe­ren­ça nas elei­ções ge­rais, que de­ve­rão re­a­li­zar-se em Agos­to, se en­ten­da sua ma­jes­ta- de o rei Jo­sé Edu­ar­do dos Santos. “En­ten­de­mos que exis­tem uma sé­rie de fun­da­men­tos que nos le­vam a pro­por aos par­ti­dos po­lí­ti­cos que se trans­for­mem em pla­ta­for­ma úni­ca que pos­sa con­cor­rer em me­lho­res con­di­ções com o par­ti­do da si­tu­a­ção, que é o MPLA”, ex­pli­cou Nu­no Da­la. A pro­pos­ta tem co­mo fun­da­men­to prin­ci­pal o interesse na­ci­o­nal, se­gun­do Nu­no Da­la, ten­do em con­ta o an­seio dos ci­da­dãos para “uma mu­dan­ça efec­ti­va tão al­me­ja­da pe­los an­go­la­nos, in­cluin­do mui­tos do MPLA”. Nu­no Da­la avan­çou que a ideia

de se avan­çar com a re­fe­ri­da pro­pos­ta vem de Se­tem­bro de 2016, ten­do si­do efec­ti­va­da a 20 de Fe­ve­rei­ro, ten­do até agora res­pon­di­do po­si­ti­va­men­te ape­nas dois par­ti­dos – o Blo­co De­mo­crá­ti­co e o Par­ti­do De­mo­crá­ti­co para o Pro­gres­so e Ali­an­ça Na­ci­o­nal de An­go­la (PDP-ANA). O do­cu­men­to foi igual­men­te re­me­ti­do à UNITA, PRS, FNLA, Ali­an­ça Pa­trió­ti­ca Na­ci­o­nal (APN), e aos qua­tro par­ti­dos que in­te­gram a CA­SA-CE. “A mai­or par­te dos par­ti­dos a qu­em re­me­te­mos o do­cu­men­to ain­da não res­pon­deu ofi­ci­al­men­te e es­ta­mos à es­pe­ra des­sa res­pos­ta”, dis­se Nu­no Da­la, ma­ni­fes­tan­do-se op­ti­mis­ta em re­la­ção às ou­tras res­pos­tas. Os pro­po­nen­tes apre­sen­tam co­mo con­tri­bui­ções à co­li­ga­ção, a cons­ti­tui­ção de uma co­mis­são de ob­ser­va­ção pa­ra­le­la das elei­ções, en­ca­be­ça­da pe­la so­ci­e­da­de ci­vil, lan­ça­men­to de uma cam­pa­nha de ape­lo ao po­vo, para exi­gir que as ac­tas das as­sem­blei­as de vo­to se­jam pu­bli­ca­das nas res­pec­ti­vas as­sem­blei­as de vo­to, “e a pos­si­bi­li­da­de de os elei­to­res não aban­do­na­rem os re­cin­tos de vo­to até te­rem o seu vo­to con­ta­do”. Os subs­cri­to­res ga­ran­ti­ram ain­da o seu “to­tal en­vol­vi­men­to”, com apoio e ape­los des­de a cri­a­ção da co­li­ga­ção até às de­mais eta­pas das elei­ções ge­rais de An­go­la, pre­vis­tas para Agos­to des­te ano. Ao mes­mo tem­po, o gru­po anun­ci­ou que vai re­a­li­zar, por via di­gi­tal e em pa­pel, uma pe­ti­ção pú­bli­ca para a re­co­lha de as­si­na­tu­ras de pes­so­as a fa­vor da cons­ti­tui­ção de uma co­li­ga­ção de par­ti­dos po­lí­ti­cos na opo­si­ção, que es­pe­ram ve­nha a ter res- pos­ta de cer­ca de um mi­lhão de ci­da­dãos an­go­la­nos. “Acre­di­ta­mos que no es­pa­ço de um mês po­de­re­mos ter re­co­lhi­do es­se nú­me­ro de as­si­na­tu­ras, re­fe­riu, sa­li­en­tan­do que o nú­me­ro a atin­gir não é o mais o im­por­tan­te, “não sig­ni­fi­ca que se não che­gar­mos a um mi­lhão que a ini­ci­a­ti­va dei­xe de ter va­lor”. Em de­cla­ra­ções à im­pren­sa, Lu­aty Bei­rão con­si­de­rou que a ini­ci­a­ti­va “é uma das pos­sí­veis re­cei­tas para di­mi­nuir o im­pac­to da frau­de, por- que a la­dai­nha da frau­de já co­me­çou”. “De­ci­di­mos fa­zer al­gu­ma coi­sa (…) não so­mos os úni­cos, sa­be­mos que en­tre os an­go­la­nos que nos vão ou­vir e que vão to­mar co­nhe­ci­men­to des­sa pe­ti­ção, há mui­ta gen­te que con­cor­da que a opo­si­ção jun­tan­do-se mi­ni­mi­za­rá o im­pac­to da frau­de”, dis­se. Lu­aty Bei­rão re­fe­riu que o apoio de ou­tras or­ga­ni­za­ções da so­ci­e­da­de ci­vil é bem-vin­da, por­que o gru­po “quer agre­gar e não ser pro­ta­go­nis­ta”.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.