BOLSEIROS DA SO­NAN­GOL PEDEM AJUDA

CAR­TA DI­RI­GI­DA à PCA DA SO­NAN­GOL, ISA­BEL DOS SAN­TOS

Folha 8 - - SOCIEDADE -

Os es­tu­dan­tes bolseiros no Bra­sil, pe­la SO­NAN­GOL, se­gu­ra­men­te, a mai­o­ria fi­lhos de tra­ba­lha­do­res in­ter­mé­di­os e ou­tros sor­tu­dos do po­vo, sem ape­li­dos das fa­mí­li­as do­mi­nan­tes, es­tão a pas­sar por for­tes agru­ras, fa­ce a não re­mes­sa pon­tu­al da bol­sa de es­tu­do. Num país es­tran­gei­ro, co­me­ça­ram por re­cor­rer a em­bai­xa­da no Bra­sil, mas tal co­mo as de­mais, es­ta na­da faz, pa­ra aju­dar, pe­lo con­trá­rio, os nos­sos emi­gran­tes na mai­o­ria das ve­zes não po­dem con­tar com os prés­ti­mos dos di­plo­ma­tas e, no ca­so, em­pre­en­de­ram ou­tra ro­ma­ria, so­li­ci­tan­do a di­rec­ção ge­ral da So­nan­gol, que pu­des­se acau­te­lar a sua si­tu­a­ção, mas in­fe­liz­men­te, não con­se­gui­ram, por­que con­si­de­ram ter si­do mais uma vez dis­cri­mi­na­dos e pa­ra não mor­re­rem sem que nin­guém sai­ba, fa­ce ao dra­ma que es­tão a vi­ver, na­que­le país la­ti­no ame­ri­ca­no, on­de os ní­veis de vi­o­lên­cia são al­tos, re­cor­re­ram ao F8, pa­ra a so­li­da­ri­e­da­de que se im­põe. “Os nos­sos me­lho­res Cum­pri­men­tos A nos­sa mais ele­va­da con­vic­ção de a vos­sa com­pe­tên­cia, em­pe­nho e ní­vel de cum­pri­men­to das ta­re­fas aco­me­ti­das, po­de­rão ma­xi­mi­zar as ac­ções do vos­so po­der de li­de­ran­ça, apraz-nos le­var ao co­nhe­ci­men­to pú­bli­co o se­guin­te: Nós, bolseiros do Bra­sil, es­ta­mos em si­tu­a­ção de ris­co fa­ce ao não re­ce­bi­men­to das des­pe­sas du­ran­te 3 me­ses des­de Ja­nei­ro até ao mo­men­to, com as se­guin­tes con­sequên­ci­as ime­di­a­tas: * uni­ver­si­da­de e re­si­dên­ci­as não pa­gas com o ris­co de ser­mos des­pe­ja­dos a qual­quer mo­men­to, * pla­no de saú­de con­ge­la­do * agra­va­men­to de não ter­mos o que co­mer e nem co­mo nos des­lo­car­mos pa­ra as res­pec­ti­vas uni­ver­si­da­des. Sen­ti­mo-nos ex­cluí­dos por ser­mos os úni­cos es­tu­dan­tes no ex­te­ri­or (Bra­sil) a pas­sar por es­ta si­tu­a­ção no qua­dro de um só pro­gra­ma e po­lí­ti­ca de for­ma­ção da So­nan­gol. Por vá­ri­as ve­zes ten­ta- mos to­do o ti­po de con­tac­to com a SO­NAN­GOL ACA­DE­MIA mas, in­fe­liz­men­te sem ob­ten­ção de res­pos­tas efec­ti­vas, ape­nas nos man­dam aguar­dar até à pre­sen­te da­ta. Fo­mos ins­truí­dos pe­la nos­sa em­pre­sa ges­to­ra cá ( SIANO & REGO) a pro­cu­rar­mos os ser­vi­ços de saú­de pú­bli­ca, sen­do es­tes ex­tre­ma­men­te pre­cá­ri­os aqui no Bra­sil, com re­cor­ren­tes mortes por fal­ta de aten­di­men­to. Es­ta­mos à mer­cê do pi­or… Com a sen­si­bi­li­da­de que Lhe ca­rac­te­ri­za, na qua­li­da­de de mãe e de PCA da SO­NAN­GOL, im­plo­ra­mos à Pre­si­den­te do Con­se­lho de Ad­mi­nis­tra­ção da em­pre­sa en­ca­re­ci­da- men­te pa­ra que ze­le es­ta si­tu­a­ção de ris­co em que nos en­con­tra­mos, pa­ra que em se­gu­ran­ça con­ti­nu­e­mos com ob­jec­ti­vo pri­mor­di­al que nos trou­xe, de po­der­mos re­gres­sar um dia for­ma­dos e jun­tos con­tri­buir­mos no de­sen­vol­vi­men­to que o País pre­ten­de al­can­çar.” Es­te é o gri­to de Ipi­ran­ga dos bolseiros, es­pe­ran­do que Isa­bel dos San­tos se­ja sen­sí­vel a si­tu­a­ção e re­sol­va a con­ten­do das par­tes, uma si­tu­a­ção que po­de ser evi­ta­da, no qua­dro de uma ver­da­dei­ra pla­ni­fi­ca­ção de for­ma­ção de qua­dros, pa­ra aten­de­rem as ca­da vez mai­o­res exi­gên­ci­as que a re­cons­tru­ção na­ci­o­nal exi­ge.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.