CARRASCOS VOLTARAM A FALHAR

Folha 8 - - SOCIEDADE -

Vá­ri­os ami­gos per­gun­ta­ram­nos, na pas­sa­da ter­ça-fei­ra (dia 07.03), se era ver­da­de que o nos­so Di­rec­tor, Wil­li­am To­net, so­fre­ra um aten­ta­do e que es­ta­ria gra­ve­men­te fe­ri­do. Não era to­tal­men­te ver­da­de. Ou se­ja, so­freu um aten­ta­do mas foi no dia se­guin­te e saiu ile­so. Coin­ci­dên­ci­as. A per­gun­ta des­ses nos­sos ami­gos ba­se­a­va-se no que, em Lu­an­da e em cír­cu­los pró­xi­mos do re­gi­me, se co­men­ta­va à bo­ca pe­que­na. Foi um mal-en­ten­di­do, con­cluí­mos nes­se dia, ter­ça-fei­ra. No en­tan­to, ha­bi­tu­a­dos a es­tas coi­sas, fi­ca­mos a pen­sar que por re-

gra não há fu­mo sem fo­go. Eis se­não quan­do, no dia se­guin­te (quar­ta-fei­ra), Wil­li­am To­net vi­a­ja­va pa­ra Ben­gue­la, e na zo­na de Ki­kom­bo, an­tes da Can­ja­la, na es­tra­da Lu­an­da-Ben­gue­la, um “ca­mi­o­nis­ta” chi­nês, ao ser­vi­ço da Ca­sa de Se­gu­ran­ça da Pre­si­dên­cia da Re­pú­bli­ca, re­sol­veu – cer­ta­men­te cum­prin­do “or­dens su­pe­ri­o­res”- abal­ro­ar a vi­a­tu­ra em que o nos­so Di­rec­tor se­guia, ati­ran­do-a por uma ri­ban­cei­ra abai­xo. O car­ro ca­po­tou vá­ri­as ve­zes mas, mais uma vez, Wil­li­am To­net e os seus acom­pa­nhan­tes saí­ram (mais ou me­nos) ile­sos. No meio da con­fu­são ge­ra­da, e an­tes de se po­rem em fu­ga, os ocu­pan­tes da vi­a­tu­ra pe­sa­da que ori­gi­nou o aci­den­te fo­ram ver “in lo­co” se ti­nham con­su­ma­do a mis­são. Pe­lo sim e pe­lo não, até por­que era já noi­te (19,30 ho­ras) brin­da­ram as ví­ti­mas com uns ti­ros. De acor­do com os agen­tes da Bri­ga­da Es­pe­ci­al de Trân­si­to, que mais tar­de to­ma­ram con­ta (is­to é, to­ma­ram co­nhe­ci­men­to) do aci­den­te, o ca­mião as­sas­si­no es­ta­va a ser tri­pu­la­do por um chi­nês, ao ser­vi­ço da Ca­sa de Se­gu­ran­ça da Pre­si­dên­cia da Re­pú­bli­ca, sen­do que a “tri­pu­la­ção” destes mons­tros da es­tra­da in­clui sem­pre, pa­ra além de um mo­to­ris­ta por re­gre chi­nês, mi­li­ta­res da UGP (Uni­da­de da Gu­ar­da Pre­si­den­ci­al). Tam­bém foi pos­sí­vel apu­rar que es­ta ”uni­da­de es­pe­ci­al” que do­mi­na as nos­sas es­tra­das e que se pres­ta a to­dos os ser­vi­ços, go­za de to­tal im­pu­ni­da­de. Quan­do, por um me­ro aca­so, são abor­da­dos pe­la Po­lí­cia, a res­pos­ta che­ga pe­los seus co-pi­lo­tos (os mi­li­ta­res da UGP) que ape­nas di­zem es­tar ao ser­vi­ço do ge­ne­ral Ko­pe­li­pa, o que sig­ni­fi­ca luz ver­da­de pa­ra fa­ze­rem tu­do o que qui­se­rem, até mes­mo as­sas­si­nar. Aliás, ain­da nos re­cor­da­mos que em Se­tem­bro de 2013, a UGP pro­ta­go­ni­zou igual­men­te uma ten­ta­ti­va de as­sas­si­na­to de Wil­li­am To­net. Quan­do saía da Fa­cul­da­de on­de lec­ci­o­na, no Mor­ro Ben­to, em Lu­an­da, a sua vi­a­tu­ra foi abal­ro­a­da de fren­te por um veí­cu­lo da UGP, ten­do os mi­li­ta­res saí­do da vi­a­tu­ra e apon­ta­do as ar­mas a Wil­li­am To­net e fa­zen­do di­ver­sas ame­a­ças ver­bais. Re­cor­de­mos o que se pas­sou nes­se Se­tem­bro de 2013, re­cor­ren­do a um tra­ba­lho da Deuts­che Wel­le: “Wil­li­am To­net viu o seu car­ro ser abal­ro­a­do, na noi­te pas­sa­da (24.09), pe­la Uni­da­de de Gu­ar­da Pre­si­den­ci­al da Re­pú­bli­ca de An­go­la, em Lu­an­da. O vi­sa­do é o di­rec­tor do “Fo­lha 8”, o úni­co jor­nal con­si­de­ra­do in­de­pen­den­te no país. Na noi­te de ter­ça-fei­ra (24.09), cer­ca das 22:50 ho­ras em An­go­la, o jor­na­lis­ta e ad­vo­ga­do an­go­la­no, Wil­li­am To­net, que saía da Fa­cul­da­de on­de lec­ci­o­na, si­tu­a­da no Mor­ro Ben­to, em Lu­an­da, nu­ma rua es­trei­ta de­pa­rou-se com uma co­lu­na de três vi­a­tu­ras da Uni­da­de de Gu­ar­da Pre­si­den­ci­al da Re­pú­bli­ca de An­go­la (UPG) em sen­ti­do con­trá­rio. Wil­li­am To­net é di­rec­tor do “Fo­lha 8”, um dos mais an­ti­gos jor­nais in­de­pen­den­tes de An­go­la e já tem nas cos­tas mais de 80 pro­ces­sos-cri­mes, na sua mai­o­ria mo­vi­dos por pes­so­as pró­xi­mas do po­der, so­bre ale­ga­das ca­lú­ni­as, di­fa­ma­ção e in­jú­ria. Con­tu­do, o jor­na­lis­ta nun­ca cum­priu pe­na de ca­deia por cri­mes jor­na­lís­ti­cos. Aos mi­cro­fo­nes da DW Áfri­ca, To­net, que é ago­ra mi­li­tan­te da Co­li­ga­ção Am­pla de Sal­va­ção de An­go­la-co­li­ga­ção Elei­to­ral (CA­SA-CE), des­ven­dou mais por­me­no­res do su­ce­di­do.

DW Áfri­ca: O que é que na re­a­li­da­de acon­te­ceu? Wil­li­am To­net (WT): Ab- al­ro­a­ram a mi­nha vi­a­tu­ra na par­te fron­tal es­quer­da, no la­do do con­du­tor, e de­pois pu­se­ram-se em fu­ga co­mo se na­da ti­ves­se acon­te­ci­do. Ten­tei, de­pois do sus­to, fa­zer uma per­se­gui­ção pa­ra ti­rar sa­tis­fa­ções, mas fui dis­su­a­di­do por ou­tros au­to­mo­bi­lis­tas que, por pre­cau­ção, me acon­se­lha­ram a não o fa­zer por­que po­de­ri­am mes­mo dis­pa­rar, pe­ran­te a ame­a­ça pré­via que ha­via si­do fei­to na sua re­ti­ra­da.

DW Áfri­ca – Foi um aci­den­te ou al­go mais sé­rio? WT - Eu não que­ro ain­da es­pe­cu­lar. Acho que eles ti­nham pos­si­bi­li­da­de de con­su­mar se fos­se al­go pre­me­di­ta­do. O que é re­al é uma sé­rie de fac­tos que vêm acon­te­cen­do con­tra a mi­nha pes­soa. Po­de ser me­ra coin­ci­dên­cia. O fac­to de on­tem tam­bém po­de ser mais uma me­ra coin­ci­dên­cia, mas que es­tá li­ga­do a de­ter­mi­na­dos sec­to­res e is­so na­tu­ral­men­te le­van­ta sem­pre sus­pei­ção. Po­de ser que se­ja um me­ro in­ci­den­te por des­res­pei­to às leis de trân­si­to do con­du­tor ou do seu che­fe de equi­pa. É ver­da­de tam­bém que não se justifica sem­pre que es­sa uni­da­de pre­si­den­ci­al an­de em sen­ti­do con­trá­rio, mes­mo quan­do na­da o jus­ti­fi­que e com a vi­o­lên­cia com que o fa­zem. Por ou­tro la­do, eu já ti­ve tam­bém um so­bri­nho que mor­reu as­sim. Foi al­ve­ja­do em ple­na luz do dia na zo­na do Pren­da e quan­do lá fo­mos não hou­ve con­sequên­ci­as de ne­nhu­ma es­pé­cie. On­tem acon­te­ceu a mes­ma coi­sa. Abor­dá­mos a uni­da­de po­li­ci­al mais pró­xi­ma e dis­se­ram-nos que, em re­la­ção à UGP, eram in­com­pe­ten­tes pa­ra o tra­ta­men­to de qual­quer ocor­rên­cia. Abor­da­da a pró­pria UGP, di­zem que não po­dem con­fir­mar por­que não ti­nham vi­a­tu­ras sem ma­trí­cu­las, quan­do se sa­be que as su­as vi­a­tu­ras não têm ma­trí­cu­las quan­do an­dam na rua.

DW Áfri­ca: Vai apre­sen­tar quei­xa ou le­var o ca­so mais avan­te?

WT - Por mais pro­vas que nós te­nha­mos, co­mo em to­dos os ca­sos em que te­mos vin­do a ser acu­sa­dos, a ser im­pe­di­dos de tra­ba­lhar, pe­sa­das to­das as pro­vas e evi­dên­ci­as, o re­gi­me mos­tra-se in­sen­sí­vel quan­do se tra­ta do nos­so ca­so. Por­tan­to, nós va­mos con­ti­nu­ar a re­sis­tir, a re­zar. Es­pe­ra­mos que, efec­ti­va­men­te, não te­nha mão do se­nhor Pre­si­den­te da Re­pú­bli­ca [Jo­sé Edu­ar­do dos San­tos], dos ser­vi­ços de in­te­li­gên­cia ou da Pro­cu­ra­do­ria-ge­ral da Re­pú­bli­ca que, de for­ma re­cor­ren­te, têm ac­ções ina­mis­to­sas em re­la­ção à nos­sa in­de­pen­dên­cia de pen­sa­men­to. Se se com­pro­var que hou­ve mão des­te ór­gão se­rá mui­to mau pa­ra o pró­prio re­gi­me, mas eu que­ro en­ten­der que qual­quer ac­ção que pos­sa­mos fa­zer, com as ins­ti­tui­ções par­ti­do­cra­tas que te­mos, re­dun­da­rá em na­da.”

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.