ES­CO­LA CO­MO O PAÍS RE­AL: ESQUECIDA E CHEIA DE LI­XO

Folha 8 - - NACIONAL -

Uma es­co­la se­cun­dá­ria em Lu­an­da, re­sul­tan­te do apoio de Cu­ba no en­si­no, dis­po­ni­bi­li­za­ção de pro­fes­so­res e for­ma­ção de qua­dros, es­tá há se­te anos ao mes­mo ní­vel do que a An­go­la re­al: em es­ta­do de aban­do­no e trans­for­ma­da num de­pó­si­to de li­xo. A es­co­la “An­go­la e Cu­ba”, uma das mais an­ti­gas do mu­ni­cí­pio do Ca­zen­ga, ar­re­do­res da ca­pi­tal an­go­la­na, cons­truí­da em 1988, es­tá ho­je to­tal­men­te van­da­li­za­da, de­pois de ter si­do aban­do­na­da por ale­ga­dos re­cei­os e ru­mo­res so­bre a es­tru­tu­ra. “A es­co­la ha­via tre­mi­do e qu­an­do as­sim acon­te­ceu a di­rec­ção re­sol­veu en­cer­rar a ins­ti­tui­ção e eva­cu­ar a es­co­la com re­ceio do pi­or”, re­cor­dou à Lu­sa João Mo­rais, um dos mo­ra­do­res da zo­na, que ao mes­mo tem­po la­men­ta na­da ter si­do fei­to até ao aban­do­no e van­da­li­za­ção to­tal. A es­co­la, de três pi­sos, fun­ci­o­na­va no pe­río­do diur­no e noc­tur­no, re­ce­ben­do cer­ca de 10 mil alu­nos que em 2010 fo­ram trans­fe­ri­dos para ou­tros es­ta­be­le­ci­men­tos do mu­ni­cí­pio. Ho­je, o li­xo no seu in­te­ri­or, fis­su­ras nos pi­la­res e pa­re­des com­ple­ta­men­te da­ni­fi­ca­das não apa­gam os di­ze­res “Es­co­la do I Ci­clo do En­si­no Se­cun­dá­rio 7042”, ou ain­da, pre­ser­va­do pe­lo tem­po na par­te fron­tal do edi­fí­cio: “Na es­co­la apren­de-se a pre­ser­var e a con­ser­var o pa­tri­mó­nio co­lec­ti­vo”. “Des­de aquela al­tu­ra fi­cou a pro­mes­sa da sua re­a­bi­li­ta­ção e a es­co­la con­ti­nua as­sim aban­do­na­da, sem por­tas, ja­ne­las, sem se­gu­ran­ça”, la­men­tou João Mo­rais.

Se­gun­do o ad­mi­nis­tra­dor do mu­ni­cí­pio do Ca­zen­ga, a es­co­la foi cons­truí­da em ho­me­na­gem às re­la­ções de lar­gos anos en­tre An- go­la e Cu­ba, his­tó­ri­co ali­a­do do Go­ver­no do MPLA du­ran­te a guer­ra ci­vil que se se­guiu à in­de­pen­dên­cia, em 1975. “De­vi­do ao in­ter- câm­bio de edu­ca­ção que exis­tia en­tre os dois paí­ses, com bri­ga­das de pro­fes­so­res que vi­e­ram para An­go­la e a ida de es­tu­dan­tes para Ha­va­na [para se­rem for­ma­dos]”, re­cor­dou Vic­tor Na­ta­ni­el Nar­ci­so. Acres­cen­tou que o edi­fí­cio não se­rá de­mo­li­do, mas sim re­a­bi­li­ta­do, ain­da es­te ano, com um or­ça­men­to de 142 mi­lhões de kwan­zas (800 mil eu­ros), num in­ves­ti­men­to a re­a­li­zar até 2019, di­fi­cul­ta­do pe­la cri­se fi­nan­cei­ra em An­go­la. “O edi­fí­cio não se­rá de­mo­li­do por­que, con­tra­ri­a­men­te o que se di­zia, que a es­co­la tre­mia, os es­tu­dos con­cluí­ram que as su­as fun­da­ções es­tão per­fei­tas e os bo­a­tos eram ali­men­ta­dos por al­guns alu­nos. A sua re­a­bi­li­ta­ção de­ve acon­te­cer ain­da es­te ano, uma vez que es­tá pre­vis­to no or­ça­men­to des­te ano a sua re­pa­ra­ção”, ga­ran­tiu Vic­tor Na­ta­ni­el Nar­ci­so. De acor­do com o ad­mi­nis­tra­dor, o con­cur­so pú­bli­co já foi re­a­li­za­do e aguar­da-se ape­nas pe­lo pa­ga­men­to da pri­mei­ra par­ce­la ao em­prei­tei­ro para o ar­ran­que da in­ter­ven­ção. A ne­ces­si­da­de de re­a­bi­li­ta­ção é as­si­na­la­da por Fernando Manuel, mo­ra­dor na en­vol­ven­te que se diz “tris­te”, afir­man­do que a es­co­la era “exemplar”. “Um país sem es­co­la, sem edu­ca­ção é um país va­zio. Por is­so é ne­ces­sá­rio re­a­bi­li­tar para o seu fun­ci­o­na­men­to”, ati­rou. As au­las do ano lec­ti­vo 2017 ar­ran­ca­ram ofi­ci­al­men­te em An­go­la a 1 de Fe­ve­rei­ro e de­cor­rem até 15 de De­zem­bro, no ca­so da pro­vín­cia de Lu­an­da com mais de dois mi­lhões de no­vos alu­nos ma­tri­cu­la­dos.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.