ONU QUER PROLONGAR MIS­SÃO NA RDC PARA GA­RAN­TIR ELEI­ÇÕES PACÍFICAS

Folha 8 - - INTERNACIONAL -

OSe­cre­tá­rio-Ge­ral das Na­ções Uni­das jus­ti­fi­cou o pe­di­do de re­no­va­ção do man­da­to da mis­são da ONU na Re­pú­bli­ca De­mo­crá­ti­ca do Con­go (RDC) com a ame­a­ça de cres­ci­men­to da vi­o­lên­cia com o apro­xi­mar da da­ta das elei­ções ge­rais e por­que a vi­o­lên­cia so­bre ci­vis exer­ci­da por mi­li­ci­a­nos dei­xou de es­tar li­mi­ta­da nas re­giões do Les­te do país.

António Gu­ter­res, nu­ma in­ter­ven­ção pe­ran­te os mem­bros do Con­se­lho de Se­gu­ran­ça da ONU, a qu­em apre­sen­tou o seu relatório so­bre a si­tu­a­ção na RDC, de­fen­deu a ne­ces­si­da­de de re­for­çar a efi­cá­cia po­li­ci­al das for­ças da MONUSCO nes­te país sem au­men­tar o con­tin­gen­te. Para que es­se tra­ba­lho pos­sa ser fei­to, Gu­ter­res ape­lou ao Con­se­lho de Se­gu­ran­ça que con­ce­da uma pror­ro­ga­ção do man­da­to da MONUSCO, que é ho­je a mis­são das Na­ções Uni- das mais ca­ra e com mais mei­os, hu­ma­nos e ma­te­ri­ais, en­vol­vi­dos em to­do o mun­do. Con­si­de­ran­do que a si­tu­a­ção po­lí­ti­ca na RDC en­vol­ve ris­cos de re­cru­des­ci­men­to da vi­o­lên­cia, quer seja fa­ce ao apro­xi­mar das elei­ções, pro­va­vel­men­te em fi­nais des­te ano, quer fa­ce ao alas­trar da vi­o­lên­cia ét­ni­ca ou re­bel­de à qua­se ge­ne­ra­li­da­de do país, dei­xan­do de es­tar con­cen­tra­da nas pro­ble­má­ti­cas pro­vín­ci­as do Les­te, Ki­vu Nor­te e Ki­vu Sul, fron­tei- ri­ças ao Ugan­da e Ru­an­da, é, para António Gu­ter­res, jus­ti­fi­ca­ção su­fi­ci­en­te para que o CS da ONU per­mi­ta prolongar o man­da­to da MONUSCO. “A vi­o­lên­cia de pro­xi­mi­da­de e os confrontos in­te­rét­ni­cos mul­ti­pli­ca­ram-se e são ho­je mais abran­gen­tes ge­o­gra­fi­ca­men­te na RDC, dei­xan­do de es­tar con­cen­tra­dos nas zo­nas on­de os con­fli­tos ar­ma­dos têm já um re­gis­to mais alar­ga­do no tem­po”, no­tou Gu­ter­res no seu relatório on­tem apre­sen­ta­do ao CS da ONU. No mes­mo do­cu­men­to, o SG das Na­ções Uni­das dis­se que a vi­o­lên­cia na RDC es­tá já for­te­men­te im­ple­men­ta­da nas re­giões de Tan­ga­ni­ca, nos três Ka­sai, Cen­tral, Ori­en­tal e Cen­tral, e ain­da no Con­go Cen­tral, aler­tan­do ain­da para res­sur­gi­men­to dos as­sas­sí­ni­os per­pe­tra­dos pe­los guer­ri­lhei­ros do M23, com con­sequên­ci­as trá­gi­cas para as po­pu­la­ções in­de­fe- sas, bem co­mo a ma­nu­ten­ção de ou­tros gru­pos de guer­ri­lha, mar­ca­da­men­te ali­nha­dos com a ex­plo­ra­ção de re­cur­sos na­tu­rais na RDC, di­a­man­tes ou col­tão, co­mo a ADF, oriun­da do Ugan­da, ou a FDLR, pro­ve­ni­en­te do Ru­an­da. Mas Gu­ter­res dei­xou cla­ro que no to­po das su­as pri­o­ri­da­des es­tá tam­bém cri­ar con­di­ções para que as elei­ções, que de­ve­rão ter lugar nos pró­xi­mos me­ses, e que vão mar­car uma tran­si­ção de po­der, com a saí­da de Jo­seph Ka­bi­la da Pre­si­dên­cia da RDC, de­cor­ram de for­ma pacífica. Re­cor­de-se que o pro­ces­so elei­to­ral, cu­jas da­tas nor­mais fo­ram to­das tres­pas­sa­das, com a ma­nu­ten­ção ar­ti­fi­ci­al do po­der nas mãos de Ka­bi­la por qua­se mais dois anos que o cons­ti­tu­ci­o­nal­men­te per­mi­ti­do, já pro­vo­ca­ram confrontos vi­o­len­tos por três ve­zes em Kinsha­sa, com bas­tan­te mais que 100 mor­tos con­fir­ma­dos. Com Re­de An­go­la

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.