ISA­BEL DOS SAN­TOS E TO­DA A TURMA PRO-ABORTO DEVIAM SER ABORTADOS

Folha 8 - - OPINIÃO - Club-k.net NOÉ MATEUS

Lu­an­da - Isa­bel dos San­tos, de­via ser abor­ta­da, pois as­sim não se­ria a mu­lher mais ri­ca de Afri­ca e uma das mais in­flu­en­tes do mun­do. Ana Pau­lo Go­di­nho, de­via ser abor­ta­da, as­sim não se­ria uma das ju­ris­tas mais co­nhe­ci­da de An­go­la. To­dos que de­fen­dem o aborto, deviam ser abortados, as­sim, os que não são a fa­vor do aborto, não te­ri­am que abor­tar nin­guém!... E mui­to es­tra­nho que quem quer ou de­fen­de o aborto, já nas­ceu, e que se lhes per­gun­tás­se­mos, se gos­ta­ri­am de ser ou não abortados por sua mãe se­ja por qual mo­ti­vo for, a res­pos­ta se­ri­am re­don­da­men­te um “Não”. O de­fi­ci­en­te não gos­ta­ria de ser abor­ta­do por sua mãe, a cri­an­ça que nas­ce fru­to de uma vi­o­la­ção tam­bém não, a cri­an­ça nas­ci­da com uma má-for­ma­ção con­gé­ni­ta tam­bém não, por­que to­dos que­re­mos vi­ver. Não há mo­ti­vos pa­ra o aborto, por­que a mãe po­de­ria es­tar a matar um fi­lho co­mo o fí­si­co Stephen Han­king, um dos mai­o­res fí­si­cos da ac­tu­a­li­da­de por cau­sa da sua de­fi­ci­ên­cia, fru­to de uma do­en­ça mui­to ra­ra, ou até mes­mo um Al­selm Ralph pe­la sua de­fi­ci­ên­cia vi­su­al fru­to de uma do­en­ça tam­bém ra­ra, ou ain­da ste­vie won­der, o de­fi­ci­en­te vi­su­al que can­ta e to­ca pi­a­no de­mais, ou um Mi­chel Jor­dan o mai­o­res bas­que­te­bo­lis­ta de to­dos os tem­pos, ou até mes­mo o Pe­lé, o rei do fu­te­bol e tan­tos ou­tros ta­len­tos que es­se mun­do co­nhe­ce e mui­tos de­les fru­tos de re­la­ções mui­to do­lo­ro­sas mas que pe­la de­ci­são de su­as mães de ge­ra­rem e com­pre­en­de­rem que a cul­pa não era de­les, ho­je con­tri­bu­em com o seu me­lhor pa­ra a his­to­ria do mun­do nas mais va­ri­a­das áre­as. Um fe­to não é, e nun­ca se­rá ex­ten­são do cor­po da mu­lher que lhe car­re­ga, o fe­to é um ser in­de­pen­den­te, e um cor­po den­tro de ou­tro cor­po, na re­a­li­da­de é uma vi­da den­tro de ou­tra vi­da, ape­nas co­nec­ta­dos pe­lo cor­dão um­bi­li­cal! Não es­tá co­la­da a ne­nhu­ma par­te do cor­po da mãe, a úni­ca coi­sa que ele car­re­ga den­tro de si que per­ten­ce a sua mãe e seu pai, são as in­for­ma­ções ge­né­ti­cas ou DNA, do res­to tu­do é de­le e ele só pre­ci­sa do ven­tre pa­ra se de­sen­vol­ver e cres­cer du­ran­te 10 me­ses e não 9, de­pois dis­so a mãe vol­ta a ser uma úni­ca vi­da sem ou­tra vi­da den­tro de­la! Lin­do de­mais. A vi­da e um bem mai­or, pro­te­gi­do pe­la lei mag­na e pe­lo có­di­go pe­nal e es­ta vi­da não po­de ser ti­ra­da, se­ja por qual for o mo­ti­vo. Vi­o­la­ção: Se por al­gum mo­ti­vo, uma mu­lher fi­ca gra­vi­da por vi­o­la­ção, ela de­ve nas­cer e ca­so não quei­ra cui­dar des­ta cri­an­ça, e le­gi­ti­mo que a cri­an­ça se­ja nas­ci­da se­ja en­tre­gue ao es­ta­do pa­ra que a mes­ma se­ja en­tre­gue a ado­ção. Nas­cer e me­lhor que o aborto, que co­lo­ca em ris­co mi­lhões de mulheres em to­do mun­do. Qu­an­tos abor­tos mal-su­ce­di­dos? Quan­tas mulheres ho­je não ge­ram, fru­to do aborto pro­vo­ca­do? Quan­tas mulheres mor­re­ram fru­to da ten­ta­ti­va de aborto? Nas­cer ain­da e me­lhor que abor­tar e en­tre­gar a cri­an­ça nas­ci­da fru­to de vi­o­la­ção, ao es­ta­do pa­ra a ado­ção é mui­to me­lhor “que o aborto as­sas­si­no de ino­cen­tes que es­ses pro­gres­sis­tas, ateus e in­sen­sí­veis ma­ta­do­res de cri­an­ças, de­fen­dem e...” es­tá pre­vis­to na lei, Há mui­tos ca­sais sem fi­lhos e que pre­ci­sam de cri­an­ças pa­ra se­rem ado­ta­das. Não se po­de co­me­ter um cri­me pa­ra jus­ti­fi­car ou­tro cri­me! Fal­ta de con­di­ções ou con­di­ções so­ci­ais pre­cá­ri­as: a mãe que en­fren­ta tal di­fi­cul­da­de en­tre­ga a cri­an­ça ao es­ta­do. Há no país ins­ti­tui­ções pró­pri­as pa­ra tal. In­cen­ti­var e apoi­ar a ma­tan­ça dos ino­cen­tes e a pi­or das bar­bá­ri­es e por is­so es­ses fe­tos in­de­fe­sos pre­ci­sam de quem tem voz, co­mo nós pa­ra fa­lar- mos por eles. Cres­ci­men­to de­mo­grá­fi­co: O nos­so país, fru­to dos pro­ble­mas que en­fren­ta­mos du­ran­te anos, te­mos uma das ta­xas po­pu­la­ci­o­nais mais bai­xas de Afri­ca e do mun­do, mui­tas zo­nas por ha­bi­tar, pro­vín­ci­as por po­vo­ar, mui­tas mãos de obras ne­ces­si­ta­das, pa­ra re­er­guer­mos o nos­so país nos pró­xi­mos anos e pre­pa­ra­mos ele, ca­da vez me­lhor pa­ra as pró­xi­mas ge­ra­ções. Pa­ra is­so pre­ci­sa­mos cres­cer em ter­mos po­pu­la­ci­o­nais, e nas ma­ter­ni­da­des o nú­me­ro de mortes por na­dos vi­vos, ain­da e las­ti­má­vel, va­mos mais apoi­ar o aborto? De­vía­mos ter ver­go­nha na ca­ra! A De­fe­sa da Vi­da: de­fen­der a vi­da, é pre­ser­var a con­ti­nui­da­de das ge­ra­ções, a de­fe­sa da na­ção e da pá­tria, de­fen­der um in­de­fe­so é de­fen­der o prin­cí­pio de nos­sos pais, fa­mí­li­as, go­ver­no que nos de­fen­de­ram e nos per­mi­ti­ram nas­cer, quan­do tam­bém cor­ría­mos o ris­co de ser­mos abortados! de­fen­der a vi­da em to­das as su­as for­mas, é re­co­nhe­cer o di­rei­to do ou­tro tam­bém vi­ver. A glo­ba­li­za­ção e o oci­den­te que es­tão a lu­tar pa­ra a re­du­ção da po­pu­la­ção mun­di­al, não po­de­mos dei­xar nos in­flu­en­ci­ar, is­so é uma agen­da pro­gres­sis­ta, bem mon­ta­da e os que de­fen­dem o aborto re­ce­be­ram ou re­ce­bem fi­nan­ci­a­men­tos es­tron­do­sos, de fun­da­ções co­mo Bill e Me­lin­da Ga­te, pa­ra a pro­mo­ção do aborto e ou­tras for­mas que im­pe­çam que me­nos cri­an­ças nas­çam no mun­do. Pro­cu­re na in­ter­net, ins­ti­tui­ções a ní­vel mun­di­al que apoi­am o aborto, e mui­tas de­las fi­nan­ci­a­das pe­los es­ta­dos de­fen­so­res de tais prá­ti­cas. So­mos mui­to pou­co no nos­so país, pa­ra de­fen­der o aborto e por­que o aborto não faz par­te da nos­sa cul­tu­ra so­mos a fa­vor da fa­mí­lia alar­ga­da e da nas­cen­ça pa­ra a ma­nu­ten­ção da vi­da na ter­ra. Con­vi­te pa­ra o De­ba­te: Gos­ta­ria eu, de po­der de­ba­ter com aque­les que aber­ta­men­te de­fen­dem o aborto, gos­ta­ria de ou­vir os seus pon­tos de vis­ta, gos­ta­ria de sa­ber por­que que ele/a acha que po­de vi­ver mas uma cri­an­ça in­de­fe­sa não!... Gos­ta­ria eu de con­fron­tar se­ja quem for que de­fen­de es­sa prá­ti­ca di­a­bó­li­ca. Es­tou pron­to pa­ra con­fron­ta-los nas re­des so­ci­as, pro­gra­mas de rá­dio ou te­le­vi­são. A vi­da co­me­ça na con­cep­ção e es­sa vi­da de­ve ser pre­ser­va­da, des­te a sua con­cep­ção até a nas­cen­ça, afi­nal de con­tas to­dos te­mos o di­rei­to de vi­ver. Deus ri­ca e po­de­ro­sa­men­te nos aben­çoe a to­dos em par­ti­cu­lar as cri­an­ças que nas­ce­rão, por­que os fi­lhos são he­ran­ça do Se­nhor. Sal­mos 127.

Bem ha­ja, paz!

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.