A CRUZADA MAR­CHA DE MU­DAN­ÇA

Folha 8 - - OPINIÃO - CAR­LOS KANDANDA

Lu­an­da - A His­tó­ria da Hu­ma­ni­da­de não tem si­do fre­quen­te sur­gir lí­de­res cla­ri­vi­den­tes, ca­ris­má­ti­cos, al­truís­ti­cos, ho­nes­tos, ou­sa­dos, co­ra­jo­sos e jus­tos. O «Ca­rác­ter» é o cu­nho que iden­ti­fi­ca e dis­tin­gue a qua­li­da­de da pes­soa, a sua per­so­na­li­da­de, o gé­nio, o tem­pe­ra­men­to, a fir­me­za, a con­vic­ção, o cre­do, a ener­gia, a vi­ta­li­da­de, o di­na­mis­mo e a pru­dên­cia. A vi­são ou a pru­dên­cia, fun­dam-se na sen­sa­tez, na per­cep­ção agu­da, na aná­li­se pro­fun­da e na to­ma­da de de­ci­sões co­e­ren­tes, apro­pri­a­das, efec­ti­vas e re­a­lis­tas, que acau­te­lam as si­tu­a­ções de­sa­gra­dá­veis e pre­ju­di­cais ao bem-co­mum. Ou seja, o «bem-co­mum», é um con­jun­to das si­tu­a­ções ma­te­ri­ais e es­pi­ri­tu­ais que pro­por­ci­o­nam a uma co­mu­ni­da­de hu­ma­na um bem-es­tar fa­vo­rá­vel ao de­sen­vol­vi­men­to har­mo­ni­o­so dos in­di­ví­du­os que a com­põem. Im­por­ta di­zer que, sem Fé ina­ba­lá­vel e sem Co­ra­gem, a in­te­li­gên­cia hu­ma­na ini­be-se, sem ca­pa­ci­da­de ade­qua­da de trans­for­mar-se nu­ma ma­té­ria con­cre­ta. Pois, a vi­são de uma pes­soa só se tor­na uma re­a­li­da­de con­cre­ta se pas­sar pe­la prá­ti­ca, num pro­ce­di­men­to de co­ra­gem, de fir­me­za e de de­di­ca­ção. Um su­jei­to me­dro­so e iner­te, por mais lú­ci­do que seja, não é ca­paz de ma­ni­fes­tar o seu pen­sa­men­to ló­gi­co e de­fen­dê­lo fir­me­men­te – pon­do-o na prá­ti­ca. A jus­ti­ça é uma vir­tu­de mo­ral que ins­pi­ra o res­pei­to pe­los di­rei­tos de ca­da pes­soa e atri­bui­ção do que é de­vi­do a ca­da um, sob os prin­cí­pi­os da equi­da­de e da so­li­da­ri­e­da­de. Sem pre­juí­zo aos fac­to­res do mé­ri­to e da me­ri­to­cra­cia. Nes­ta ló­gi­ca, a me­ri­to­cra­cia é a for­ma de li­de­ran­ça que se ba­seia no mé­ri­to pes­so­al (as­sen­te nas qua­li­da­des acima re­fe­ri­das), em vez de se ba­se­ar em ri­que­za, no es­ta­tu­to so­ci­al ou no ne­po­tis­mo. Por is­so, os lí­de­res sá­bi­os e ca­pa­zes dis­tin­guem-se pe­las su­as vir­tu­des car­de­ais, que ori­en­tam seus pen­sa­men­tos, equi­li­bram seus jul­ga­men­tos, im­pul­si­o­nam su­as ac­ti­vi­da­des e re­gu­lam su­as con­du­tas. No fun­do, a es­pé­cie hu­ma­na, do­ta­da de ra­zão, is­to é, da fa­cul­da­de de dis­tin­guir en­tre a jus­ti­ça e a in­jus­ti­ça, sem­pre pug­nou pe­la ver­da­de e pe­lo be­mes­tar so­ci­al, co­mo con­di­ção bá­si­ca da vi­da. Pois, a Jus­ti­ça fun­da-se na ver­da­de; sem a ver­da­de, não há jus­ti­ça; e sem jus­ti­ça, não há li­ber­da­de. Na es­sên­cia, a li­ber­da­de é o po­der de se de­ter­mi­nar a si mes­mo, em ple­na cons­ci­ên­cia, e após re­fle­xão, e in­de­pen­den­te­men­te das for­ças in­te­ri­o­res de or­dem ra­ci­o­nal, is­to é, da li­ber­da­de de de­ci­são. Qu­an­do uma cau­sa fun­da­se na ver­da­de e na jus­ti­ça, ins­pi­ra­da por uma vi­são de um lí­der de gran­de es­ta­tu­ra, de ca­rác­ter for­te, ca­ris­má­ti­co e vi­si­o­ná­rio, is­so des­per­ta a cons­ci­ên­cia po­pu­lar, ar­ras­tan­do-se mul­ti­dões de pes­so­as, num ver­da­dei­ro mo­vi­men­to de mas­sas. Es­te fe­nó­me­no in­vul­gar era tí­pi­co das gran­des mar­chas pe­la in­de­pen­dên­cia da In­dia, na pes­soa do Mahat­ma Gandhi; da lu­ta pe­los di­rei­tos ci­vis da co­mu­ni­da­de afro­a­me­ri­ca­na dos EUA, na li­de­ran­ça do Mar­tin Luther King, Jr; e da re­vo­lu­ção sul-afri­ca­na con­tra a se­gre­ga­ção ra­ci­al, por Nel­son Man­de­la. Na ver­da­de, An­go­la se en­con­tra nu­ma épo­ca de vi­ra­gem, em que os fe­nó­me­nos ac­tu­ais pas­sam des­per­ce­bi­dos. A di­men­são des­tes fe­nó­me­nos fi­ca­rá pa­ten­te nos pró­xi­mos tem­pos. Es­ta re­a­li­da­de é tão no­tá­vel na po­pu­la­ri­da­de do Abel Epa­lan­ga Chi­vu­ku­vu­ku den­tro da so­ci­e­da­de an­go­la­na, so­bre­tu­do no seio da Ju­ven­tu­de. On­de ele sur­ge, por exem­plo, o po­vo ar­ras­ta-se con­si­go, o en­vol­ve co­mo se fos­se um en­xa­me de abe­lhas, em tor­no de sua Rai­nha, na qual de­po­si­tam a fé, a es­pe­ran­ça, a obe­di­ên­cia e a li­de­ran­ça. O mais in­te­res­san­te, nes­tes even­tos, é do Abel Chi­vu­ku­vu­ku des­pa­re­cer no meio da mul­ti­dão, no ca­lor humano in­ten­so, de en­can­to, de su­or e de ins­pi­ra­ção, sem he­si­ta­ção. Nes­sas cir­cuns­tân­ci­as, de gran­de agi­ta­ção, têm si­do um gran­de desafio ao as­se­gu­ra­men­to, por par­te do en­tou­ra­ge e dos ser­vi­ços de se­gu­ran­ça do Es­ta­do. A tí­tu­lo de exem­plo, nos úl­ti­mos ac­tos de mas­sas, do Ne­ga­ge (24-02-17), da Ci­da­de do Uí­ge (25-0217), do Lo­bi­to (11-03-17), da Ci­da­de de Ben­gue­la (09-03-17) e do Cu­bal (1203-17), es­te fe­nó­me­no, de mo­vi­men­ta­ção in­ten­sa de mul­ti­dões, em tor­no do Chi­vu­ku­vu­ku, foi pa­ten­te.

Sen­do um ob­ser­va­dor aten­to e crí­ti­co, dei con­ta disso, sen­tin­do na mi­nha alma a pre­sen­ça im­plí­ci­ta de um Mes­si­as; uma pes­soa es­pe­ra­da an­si­o­sa­men­te co­mo li­ber­ta­dor. Pois, o Po­vo can­ta­va, dan­ça­va, en­can­ta­va, agi­ta­va­se, mis­tu­ra­va-se e cru­za­va­se, em bai­xo do sol ou de chu­va – em ple­na ale­gria. Re­pa­re que, ao con­trá­rio dos ou­tros par­ti­dos, es­te mo­vi­men­to in­ten­so de mas­sas é fei­to de for­ma li­vre e es­pon­tâ­nea, sem co­ac­ção e sem trans­por­ta­ção de pes­so­as de ou­tras lo­ca­li­da­des, mu­ni­cí­pi­os e pro­vín­ci­as dis­tan­tes, e con­cen­trá-las num lo­cal do even­to. A fi­lo­so­fia do Abel Chi­vu­ku­vu­ku ba­seia-se no prin­cí­pio de que, os ac­tos po­lí­ti­cos de mas­sas da CA­SA-CE de­vem ser fei­tos no lo­cal do even­to, com a po­pu­la­ção re­si­den­te. Is­so per­mi­te ava­li­ar a pre­sen­ça da CA­SA-CE des­ta área, bem co­mo a pul­sa­ção das mas­sas nes­ta localidade. In­te­res­sa-me re­cor­dar que, a His­tó­ria da Hu­ma­ni­da­de re­pe­te-se, de tal sor­te que, qu­an­do sur­ge Ho­mens de His­tó­ria, que pro­vo­cam mu­dan­ças pro­fun­das nas so­ci­e­da­des, na sua gé­ne­se, pas­sam des­per­ce­bi­dos. Os exem­plos mais con­tun­den­tes, são do Mahat­ma Gandhi, do Mar­tin Luther King e do Nel­son Man­de­la, que ar­ras­ta­vam con­si­go mul­ti­dões de gen­te nas su­as cam­pa­nhas, nas mar­chas, nos co­mí­ci­os, nas pa­les­tras e nas pre­ga­ções. Por­tan­to, a mi­nha re­fle­xão não vi­sa fa­zer uma ana­lo­gia ou um es­tu­do com­pa­ra­ti­vo das Gran­des Fi­gu­ras da His­tó­ria da Hu­ma­ni- da­de, mas sim, to­mar no­ta do ca­rác­ter, dos ide­ais e do cre­do que ca­rac­te­ri­za­vam es­sas per­so­na­li­da­des de re­no­me. A Te­se, «Satya graha» (em Hin­du), de Mahat­ma Gandhi, sig­ni­fi­ca, «a For­ça da Ver­da­de, sem Vi­o­lên­cia». Ten­do si­do o ins­tru­men­to mais po­de­ro­so do Mahat­ma Gandhi, na sua cruzada pe­la in­de­pen­dên­cia da In­dia. Es­ta Fi­lo­so­fia Pa­ci­fi­ca ti­ve­ra si­do adop­ta­da por Mar­tin Luther King e por Nel­son Man­de­la, con­tra a dis­cri­mi­na­ção ra­ci­al nos Es­ta­dos Uni­dos da Amé­ri­ca e na Afri­ca do Sul, res­pec­ti­va­men­te. Na re­a­li­da­de, o Abel Epa­lan­ga Chi­vu­ku­vu­ku é um de­fen­sor acér­ri­mo da lu­ta pacífica e da mu­dan­ça po­si­ti­va, que en­glo­ba to­dos mem­bros da so­ci­e­da­de an­go­la­na, sem quais­quer for­mas de ex­clu­são ou de dis­cri­mi­na­ção. Es­sa po­lí­ti­ca, de ma­triz pa­trió­ti­ca, tem im­pac­to enor­me no seio da so­ci­e­da­de an­go­la­na, on­de o es­pi­ri­to de vi­o­lên­cia, de dis­cri­mi­na­ção po­li­ti­ca e de ex­clu­são so­ci­al é do­mi­nan­te. Por­tan­to, o pa­tri­o­tis­mo mul­ti­par­ti­dá­rio, mul­ti­cul­tu­ral, mul­tiét­ni­co e mul­tir­ra­ci­al do Abel Chi­vu­ku­vu­ku, que es­tá en­rai­za­do nos va­lo­res de­mo­crá­ti­cos, tor­nou-se um ins­tru­men­to po­ten­te de sen­si­bi­li­za­ção po­li­ti­ca e de cons­ci­en­ci­a­li­za­ção da so­ci­e­da­de an­go­la­na. Ter adop­ta­do, nes­te res­pei­to, a po­lí­ti­ca de apro­xi­ma­ção às ou­tras for­ças po­lí­ti­cas e às or­ga­ni­za­ções da so­ci­e­da­de ci­vil, em bus­ca de si­ner­gi­as para uma mu­dan­ça efec­ti­va do sis­te­ma po­lí­ti­co do País.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.