MI­LI­TA­RES E O ES­PA­ÇO AN­GO­LA­NO NA SE­GUN­DA METADE DO SÉCULO XVIII (PAR­TE II)

Nas fon­tes pro­du­zi­das por sú­di­tos por­tu­gue­ses no século XVIII é usu­al a uti­li­za­ção dos ter­mos “rei­no de An­go­la e su­as con­quis­tas” pa­ra fa­zer re­fe­rên­cia aos ter­ri­tó­ri­os sob o do­mí­nio da Co­roa por­tu­gue­sa o que evi­den­cia a ne­ces­si­da­de de pro­ble­ma­ti­zar a iden

Folha 8 - - CULTURA - TEXTO DE ARIANE CARVALHO DA CRUZ*

Em 1648, após a ex­pul­são dos ho­lan­de­ses, An­go­la pas­sou a ser go­ver­na­da por um ca­pi­tão-mor, que te­ria que ser in­di­ca­do pe­lo go­ver­na­dor de An­go­la e apro­va­do pe­lo Con­se­lho Ul­tra­ma­ri­no em Lis­boa. So­men­te em 1779, a Co­roa por­tu­gue­sa re­sol­veu re­to­mar ao sis­te­ma de go­ver­na­dor em Ben­gue­la com a no­me­a­ção de Antô­nio Jo­sé Pi­men­tel de Cas­tro e Mes­qui­ta. Mes­mo su­bor­di­na­do a An­go­la, o go­ver­na­dor ti­nha prer­ro­ga­ti­vas de ad­mi­nis­trar for­ta­le­zas que es­ta­vam em pon­tos cha­ves pa­ra a re­a­li­za­ção do co­mér­cio. Cân­di­do afir­ma que o go­ver­na­dor de Ben­gue­la fis­ca­li­za­va a fun­ção dos ca­pi­tães-mo­res que ad­mi­nis­tra­vam os pre­sí­di­os no ser­tão. Co­mo em Lu­an­da, em Ben­gue­la, os ter­ri­tó­ri­os do in­te­ri­or não es­ta­vam sob o con­tro­le dos “por­tu­gue­ses” e sim dos so­ba­dos avas­sa­la­dos ou não. Des­se mo­do, de­ve­mos sem­pre con­si­de­rar a si­tu­a­ção de cer­ta au­to­no­mia em re­la­ção a An­go­la e de su­as es­pe­ci­fi­ci­da­des lo­cais. Não ha­via uma fron­tei­ra ge­o­grá­fi­ca de­fi­ni­da, pe­lo con­trá­rio, es­tas eram fle­xí­veis, mui­to in­flu­en­ci­a­das pe­la in­te­ra­ção en­tre di­fe­ren­tes so­ci­e­da­des e cul­tu­ras, com a re­cri­a­ção e so­bre­po­si­ção de iden­ti­da­des. Eram as con­di­ções po­lí­ti­cas lo­cais que de­fi­ni­am as fron­tei­ras in­ter­nas e por is­so os ter­ri­tó­ri­os po­lí­ti­cos não ti­nham um con­tor­no cla­ro e es­ta­vam em cons­tan­te mu­dan­ça. As fron­tei­ras tam­bém eram de­fi­ni­das pe­lo flu­xo con­tí­nuo de pes­so­as que che­ga­vam de di­ver­sas par­tes do Rei­no. A pró­pria fron­tei­ra da es­cra­vi­za­ção es­ta­va em per­ma­nen­te mu­dan­ça. De­ve­mos ob­ser­var, tam­bém, que a ex­pan­são do co­mér­cio de escravos re­or­ga­ni­zou o ter­ri­tó­rio e as áre­as de in­fluên­cia afri­ca­na e “por­tu­gue­sa”, tan­to na cos­ta, quan­to no in­te­ri­or. Mes­mo com a pre­sen­ça da ad­mi­nis­tra­ção por­tu­gue­sa, os po­de­res afri­ca­nos con­ti­nu­a­ram a os­ten­tar seus mar­ca­do­res ter­ri­to­ri­ais, e o es­ta­be­le­ci­men­to de pre­sí­di­os e fei­ras em ter­ri­tó­ri­os avas­sa­la­dos pos­si­bi­li­tou a par­ti­ci­pa­ção dos afri­ca­nos nas ati­vi­da­des co­mer­ci­ais. Ou se­ja, ha­via uma so­bre­po­si­ção ou mes­cla ins­ti­tu­ci­o­nal, ju­rí­di­ca e ju­ris­di­ci­o­nal. Ao ana­li­sar Por­tu­gal, Ana Cris­ti­na No­guei­ra da Sil­va ates­ta que, no século XVIII, nos ter­ri­tó­ri­os, não fal­ta­vam fac­to­res de con­fu­são, di­ver­si­da­de ins­ti­tu­ci­o­nal e in­co­e­rên­cia ad­mi­nis­tra­ti­va, da mes­ma for­ma que a tra­di­ção e o res­pei­to pe­los po­de­res cons­ti­tuí­dos eram os cri­té­ri­os que pre­si­di­am a di­vi­são do es­pa­ço, com a ju­ris­di­ção ade­rin­do ao ter­ri­tó­rio. As­sim, tam­bém em An­go­la, o po­der po­lí­ti­co por­tu­guês foi du­ran­te mui­to tem­po no­mi­nal e a pre­ca­ri­e­da­de de sua ocu­pa­ção per­mi­tiu a co­e­xis­tên­cia de vá­ri­os po­de­res, com a exis­tên­cia de di­ver­sas so­be­ra­ni­as. A au­to­ri­da­de por­tu­gue­sa es­ta­va con­fi­na­da ao li­to­ral e em al­guns pre­sí­di­os no in­te­ri­or, no en­tan­to os di­ver­sos po­ten­ta­dos que não eram vas­sa­los da Co­roa por­tu­gue­sa, ti­nham a sua au­to­ri­da­de fo­ra da ju­ris­di­ção dos pre­sí­di­os. To­da­via, mes­mo que al­guns so­bas não fos­sem vas­sa­los dos por­tu­gue­ses, re­co­nhe­ci­am o go­ver­no da ca­pi­tal. Por ou­tro la­do, em lo­cais on­de os che­fes não se sub­me­ti­am ao avas­sa­la­men­to, o go­ver­no por­tu­guês não in­ter­fe­ria. Em su­ma, ape­nas uma di­mi­nu­ta par­ce­la do ter­ri­tó­rio po­de­ria ser con­si­de­ra­da sob ju­ris­di­ção da ad­mi­nis­tra­ção por­tu­gue­sa, o que de­fi­nia a pre­ca­ri­e­da­de do do­mí­nio rei­nol por­tu­guês na Áfri­ca.

É im­por­tan­te des­ta­car que o es­pa­ço po­lí­ti­co con­di­ci­o­na a vi­da hu­ma­na em vá­ri­os as­pec­tos, sen­do ele múl­ti­plo e cons­truí­do. Os es­pa­ços po­dem ser cons­truí­dos e a re­a­li­da­de po­de ser ma­ni­pu­la­da em fun­ção de pro­je­tos ou de prá­ti­cas e in­te­res­ses so­ci­ais. Pa­ra a se­gun­da metade do século XVIII, po­de­mos con­si­de­rar que ha­via um pro­je­to pa­ra a trans­for­ma­ção do ter­ri­tó­rio em An­go­la. Su­põe-se a ideia de que, com o ad­ven­to do Es­ta­do Mo­der­no de fins do século XVIII, hou­ve a fun­da­ção de uma or­dem ter­ri­to­ri­al que se so­brepôs a uma or­dem de na­tu­re­za pes­so­al ou co­mu­ni­tá­ria. No en­tan­to, a re­a­li­da­de de An­go­la nes­te pe­río­do nos mos­tra o con­trá­rio, pois já exis­ti­am for­mas de or­ga­ni­za­ção no ter­ri­tó­rio pré-es­ta­be­le­ci­das e que não fo­ram ani­qui­la­das com a pre­sen­ça por­tu­gue­sa. Ter­ri­tó­ri­os, aliás, que se de­fi­ni­am po­li­ti­ca­men­te e po­di­am ser al­te­ra­dos. Ade­mais, co­mo cul­tu­ras e no­ções de es- pa­ço se mo­di­fi­ca­ram, as re­pre­sen­ta­ções so­ci­ais do es­pa­ço po­di­am ser com­ple­xas e con­tra­di­tó­ri­as. O que a Co­roa por­tu­gue­sa pre­ten­dia na se­gun­da metade do século XVIII era uma re­gu­la­ri­da­de e fi­de­li­da­de nas re­la­ções en­tre cen­tro e pe­ri­fe­ria. In­ten­ta­va-se a uni­fi­ca­ção do es­pa­ço, com um ter­ri­tó­rio de uma só le­gis­la­ção e fis­ca­li­da­de. Por is­so, o in­ves­ti­men­to em três mei­os fun­da­men­tais pa­ra al­can­çar es­te ob­je­ti­vo: a pro­du­ção de co­nhe­ci­men­tos so­bre o ter­ri­tó­rio, a cons­tru­ção de in­fra­es­tru­tu­ras co­mu­ni­ca­ci­o­nais e o in­ves­ti­men­to de equi­pa­men­to po­lí­ti­co-ad­mi­nis­tra­ti­vo do ter­ri­tó­rio. Em tem­po, na­da dis­so al­te­rou, ne­ces­sa­ri­a­men­te, no­ções afri­ca­nas de exer­cí­cio do po­der so­bre pes­so­as, an­tes que pe­lo do­mí­nio do es­pa­ço. Ao que pa­re­ce, os po­de­res por­tu­gue­ses em An­go­la não ra­ro con­fir­ma­vam tal pers­pec­ti­va. A to­po­ní­mia em fon­tes por­tu­gue­sas ti­nha co­mo re­fe­rên­cia au­to­ri­da­des afri­ca­nas. Exem­plo clás­si­co é a de­sig­na­ção An­go­la, que de­ri­va de ngo­la ou ngo­la a ki­lu­an­ji, tí­tu­lo dos reis do an­ti­go rei­no do Ndon­go. Ou­tro exem­plo é o da for­ta­le­za de Mu­xi­ma, que re­ce­beu es­te no­me por si­tu­ar-se nas ter­ras do so­ba Mu­xi­ma Aqui­tam­gom­be. Ou se­ja, os por­tu­gue­ses no­me­a­vam os ter­ri­tó­ri­os com ba­se nas au­to­ri­da­des afri­ca­nas. A cons­tru­ção do Rei­no de An­go­la, por­tan­to, le­vou em con­ta po­de­res lo­cais. Con­ti­nua nas pró­xi­mas edi­ções

*Dou­to­ran­da em His­tó­ria So­ci­al pe­la Uni­ver­si­da­de Fe­de­ral do Rio de Ja­nei­ro

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.