VÊ-SE A OLHO NU QUE VAI HA­VER BATOTA II

Folha 8 - - TOPS -

Nes­se dia 15 de Ju­nho de 2016, por­tan­to, Bor­ni­to de Sou­sa, mi­nis­tro do MAT, her­dou to­das as com­pe­tên­ci­as da CNE no que to­ca à or­ga­ni­za­ção do re­gis­to elei­to­ral. Do al­to do pa­ta­mar pers­pec­ti­va­do de fu­tu­ro se­gun­do per­so­na­gem mais im­por­tan­te da Re­pú­bli­ca a que foi er­gui­do por ca­pri­cho de JES, o mi­nis­tro do MAT, di­ga-se em abo­no da ver­da­de, tem de­sen­vol­vi­do des­de me­a­dos do ano pas­sa­do um tra­ba­lho de pro­pa­gan­da no­tá­vel (nun­ca se viu em An­go­la uma cam­pa­nha re­a­li­za­das com tan­ta for­ça de von­ta­de!), na exor­ta­ção mas­ca­ra­da de ape­lo ao ci­vis­mo e sen­ti­do pa­trió­ti­co dos an­go­la­nos, cha­man­do as pes­so­as, com to­das as for­ças do exor­bi­tan­te po­der po­lí­ti­co e pro­pa­gan­dís­ti­co do MPLA, a exer­cer o di­rei­to de vo­to dos ci­da­dãos. Mas por quê tan­ta azá­fa­ma e tan­to di­nhei­ro gas­to pa­ra re­fa­zer o que já ti­nha si­do fei­to em 2012? Tu­do foi cal­cu­la­do pa­ra an­ga­ri­ar vo­tos pa­ra o MPLA. Pri­mei­ro, o tem­po de an­te­na con­sa­gra­do, qua­se to­dos os di­as pe­la Te­le­vi­são de An­go­la (TPA) à pré-cam­pa­nha do MPLA. A ca­da mi­nu­to de­di­ca­do à opo­si­ção, cor­res­pon­dem, pe­lo me­nos, en­tre dez a vin­te mi­nu­tos de pu­bli­ci­da­de aos co­mí­ci­os li­de­ra­dos por João Lou­ren­ço e não só, pa­les­tras, di­cas, inau­gu­ra­ções a gra­nel, etc.; por ou­tro la­do, nu­ma pu­bli­ci­da­de pro­gra­ma­da pe­la TPA con­sa­gra­da ao de­ver im­pe­ra­ti­vo de vo­to de to­dos os an­go­la­nos, ve­mos um ho­mem ex­pli­car que o vo­to é um de­ver pa­trió­ti­co... Mas por quê, per­gun­ta al­guém que o es­tá a ou­vir, e o ho­mem diz, “To­dos te­mos de vo­tar, por­que es­ta é a ma­nei­ra de es­co­lhe­mos os nos­sos go­ver­nan­tes”!, ora acon­te­ce que os di­tos “go­ver­nan­tes “já lá es­tão, no go­ver­no. A fra­se cor­rec­ta se­ria, por exem­plo, “va­mos vo­tar em quem nós que­re­mos que se­ja o fu­tu­ro pre­si­den­te, ou “…em quem que­re­mos que ve­nham a ser os nos­sos fu­tu­ros lí­de­res”; quan­to às ex­cur­sões aos mais re­mo­tos po­vo­a­dos do país, de he­li­cóp­te­ro, se ne­ces­sá­rio, a um pre­ço exor­bi­tan­te, a ra­zão de ser é cla­ra, mui­to sim­ples. Exis­tem por es­se sí­ti­os de­ze­nas, até cen­te­nas de mi­lha­res de pes­so­as qua­se anal­fa­be­tas na sua es­ma­ga­do­ra mai­o­ria... Mas vão lá fa­zer o quê, os bri­ga­dis­tas e os he­li­cóp­te­ros? ... ora es­sa, vão re­gis­tar tu­do quan­to me­xa e se­ja ho­mem ou mu­lher, pa­ra, pa­tri­o­ti­ca­men­te, vo­tar…mas em quem?, se nes­ses lu­ga­re­jos a mai­o­ria da gen­te nem sequer sa­be o que são, de quem são, nem o que fa­zem os po­lí­ti­cos da opo­si­ção”…”pois não sa­bem, não”, di­zem os do MPLA, “es­ses da opo­si­ção ig­no­ram a An­go­la pro­fun­da!”...ora bo­las, não ig­no­ram, não, não po­dem, é co­mo no fu­te­bol, o or­ça­men­to de que dis­põem é co­mo o do Fu­te­bol Clu­be do Ba­go Ver­me­lho, com­pa­ra­do com o do Re­al de Ma­drid em re­la­ção ao do MPLA!, mal têm di­nhei­ro pa­ra a cam­pa­nha…e não têm he­li­cóp­te­ros!

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.