VÊ-SE A OLHO NU QUE VAI HA­VER BA­TO­TA I

Folha 8 - - TOPS -

No iní­cio des­te ano, em 2016, foi cri­a­do um cor­po de ges­tão elei­to­ral in­de­pen­den­te, a Co­mis­são Na­ci­o­nal Elei­to­ral (CNE) res­pon­sá­vel pe­la or­ga­ni­za­ção do pro­ces­so elei­to­ral, que co­me­ça com o re­gis­to dos elei­to­res, par­te mais im­por­tan­te do pro­ces­so e, pre­ci­sa­men­te por es­sa ra­zão, a sua pre­pa­ra­ção lhe foi to­tal­men­te con­fi­a­da no es­tri­to res­pei­to do que diz a Cons­ti­tui­ção da Re­pú­bli­ca. A CNE é um ór­gão su­pe­ri­or da ad­mi­nis­tra­ção elei­to­ral, to­tal­men­te in­de­pen­den­te, com or­ça­men­to ad hoc E com­pe­tên­cia para dis­ci­pli­nar e fis­ca­li­zar to­dos os ac­tos de re­cen­se­a­men­to e ope­ra­ções elei­to­rais para to­dos os ór­gãos elec­ti­vos de so­be­ra­nia. Per­fei­to. No en­tan­to, e sur­pre­en­den­te­men­te, co­mo apon­ta­do por Ra­fa­el Marques no seu web­si­te Ma­ka An­go­la, “(…) a lei do re­gis­to elei­to­ral, nº 8/15 de 15 de Ju­nho, cri­ou a fi­gu­ra da Ba­se de Da­dos dos Ci­da­dão Mai­o­res (BDCM) (ver ar­ti­gos 13 e se­guin­tes da lei) co­mo sen­do uma fer­ra­men­ta im­pres­cin­dí­vel do pro­ces­so elei­to­ral. Além disso, a lei es­ti­pu­la que a or­ga­ni­za­ção, ges­tão e ma­nu­ten­ção des­ta ba­se de da­dos é da ex­clu­si­va res­pon­sa­bi­li­da­de dos ór­gãos da Ad­mi­nis­tra­ção Cen­tral (ar­ti­go 14), que im­pe­de a CNE de re­ce­ber pos­te­ri­or­men­te a ins­cri­ção anu­al (ar­ti­go 1) an­tes do 15 de No­vem­bro do mes­mo ano (ar­ti­go 15)”. Por ou­tras pa­la­vras, a iden­ti­fi­ca­ção de qu­em po­de vo­tar fi­ca, de acor­do com es­ta lei, a car­go do go­ver­no, no ca­so pen­den­te, do Mi­nis­té­rio da Ad­mi­nis­tra­ção do Ter­ri­tó­rio (MAT), e não da CNE, que se li­mi­ta a re­ce­ber o fi­chei­ro. Em su­ma, se o re­cen­se­a­men­to elei­to­ral dei­xou de ser or­ga­ni­za­do pe­la CNE, nes­te no­vo fi­gu­ri­no “je­si­a­no” REINA A OPACIDADE, ou seja, não se po­de in­fe­rir que o pro­ces­so elei­to­ral seja li­vre e jus­to em An­go­la para as elei­ções de 2017. Con­clu­são, foi ins­tau­ra­do um re­tor­ci­do sis­te­ma em que a frau­de fi­ca à mão de se­me­ar. Is­so é ine­gá­vel.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.