IGRE­JA CA­TÓ­LI­CA CON­TRA A BA­NA­LI­ZA­ÇÃO DO ABORTO

Folha 8 - - EDIÇÃO NACIONAL -

AI­gre­ja Ca­tó­li­ca la­men­tou a “ba­na­li­za­ção” com que es­tá a ser abor­da­da a ques­tão do aborto, as­sun­to que tem ge­ra­do di­ver­gên­ci­as na so­ci­e­da­de an­go­la­na, com a cri­mi­na­li­za­ção em ab­so­lu­to des­ta prá­ti­ca no no­vo Có­di­go Pe­nal de An­go­la. A po­si­ção foi avan­ça­da pe­lo por­ta-voz da Con­fe­rên­cia Epis­co­pal de An­go­la e São To­mé (CEAST), Ma­nu­el Im­bam­ba, ins­ta­do a co­men­tar a re­a­li­za­ção de uma mar­cha, or­ga­ni­za­da por um gru­po de mulheres, pre­vis­ta pa­ra ho­je, sá­ba­do, con­tra a cri­mi­na­li­za­ção do aborto. “Nós, co­mo Igre­ja, la­men­ta­mos que o as­sun­to vi­da se­ja ba­na­li­za­do des­ta ma­nei­ra, por­que a vi­da é um va­lor ab­so­lu­to, um va­lor ina­li­e­ná­vel, um va­lor que não pas­sa so­bre as me­sas de ne­go­ci­a­ções”, re­fe­riu o tam­bém ar­ce­bis­po da di­o­ce­se de Sau­ri­mo. O pre­la­do la­men­tou ain­da que a cul­tu­ra ac­tu­al exal­te “o se­xis­mo, o he­do­nis­mo, o ma­te­ri­a­lis­mo e que o tal dito pro­gres­so es­te­ja de fac­to a exal­tar ca­da vez mais os ins­tin­tos ani­mais, que não aju­dam a ma­ni­fes­tar a gran­de­za do amor de Deus pe­la vi­da cri­a­da”. “Por is­so, nós, co­mo Igre­ja, acha­mos que es­ta­mos a cair no ri­dí­cu­lo, nu­ma es­pé­cie de mi­me­tis­mo, por­que nós que­re­mos imi­tar por imi­tar, mas sem ava­li­ar­mos a nos­sa po­bre­za, a im­por­tân­cia cul­tu­ral da pró­pria na­ta­li­da­de, sem ava­li­ar­mos a edu­ca­ção que de­ve­mos pas­sar pa­ra a fa­mí­lia, de que as pes­so­as, as mulheres, no seu to­do, con­si­gam va­lo­ri­zar o bem que é a vi­da e que os ven­tres se­jam de fac­to lu­ga­res sa­gra­dos e não ce­mi­té­ri­os da vi­da”, dis­se. Ma­nu­el Im­bam­ba dis­se dis­cor­dar em ab­so­lu­to de uma das pro­pos­tas ini­ci­ais de ex­clu­são de ili­ci­tu­de pa­ra a prá­ti­ca do aborto, no­me­a­da­men­te as vi­o­la­ções que re­sul­tem em gra­vi­dez. “É pre­ci­so ter­mos em con­ta que o be­bé que es­tá, tam­bém tem os seus di­rei­tos, que não con­se­gue de­fen­der-se e ir­mos por aí, en­tão, es­ta­re­mos a con­sa­grar o ma­ta­dou­ro, a cons­ci­ên­cia la­xis­ta, in­di­vi­du­a­lis­ta e egoís­ta”, cri­ti­cou. Pa­ra es­ses ca­sos ex­cep- ci­o­nais, o por­ta-voz da CEAST dis­se que a igre­ja sem­pre se pre­dispôs pa­ra pres­tar acon­se­lha­men­to às ví­ti­mas, pa­ra que “es­sas mães ofen­di­das pos­sam ge­rar a vi­da e do­ar es­ta vi­da”. “E a Igre­ja es­tá dis­po­ní­vel pa­ra aco­lher es­tas cri­an­ças e fa­zer o acom­pa­nha­men­to a es­tas mães, pa­ra su­pe­ra­rem es­ta fa­se crí­ti­ca das su­as vidas, mas que não se­jam elas in­du­zi­das nes­sas fa­ci­li­da­des de matar vidas sem mais nem me­nos”, sa­li­en­tou. Nos ca­sos em que es­tá em jo­go a vi­da da mãe e do fe­to, a igre­ja de­fen­de que os mé­di­cos fa­çam “os pos­sí­veis de sal­var as du­as vidas”. Acres­cen­ta que “o pa­pel do mé­di­co não é matar, é sal­var, e ele de­ve fa­zer o pos­sí­vel e pro­cu­rar sal­var as du­as vidas”. “E se nes­se es­for­ço uma mor­rer, pron­to, mas pe­lo me­nos lou­va­mos que hou­ve o es­for­ço de se ten­tar sal­var as du­as vidas”, fri­sou. Ma­nu­el Im­bam­ba dis­se que a Igre­ja con­ti­nua dis­po­ní­vel pa­ra di­a­lo­gar e ama­du­re­cer as fun­da­men­ta­ções. “Por­que há um dé­fi­ce de fun­da­men­ta­ção an­tro­po­ló­gi­ca mui­to gra­ve pa­ra po­der­mos ti­rar es­tas ila­ções que pre­ten­de­mos”, dis­se. O no­vo Có­di­go Pe­nal, que subs­ti­tui o ac­tu­al, de 1886, proí­be o aborto sem qual­quer ex­cep­ção, con­tra­ri­an­do a pro­pos­ta ini­ci­al, e pu­ne com pe­nas de até dez anos de pri­são a quem pra­ti­que o cri­me.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.