DE ASSALTO EM ASSALTO ATÉ AO ASSALTO FI­NAL

Folha 8 - - DESTAQUE -

Na se­ma­na pas­sa­da, na re­por­ta­gem “Assalto ao Cas­te­lo” emi­ti­da pe­la SIC, ale­gou-se que o ge­ne­ral Manuel Vi­ei­ra Di­as, che­fe da Ca­sa Mi­li­tar do Pre­si­den­te Jo­sé Edu­ar­do dos Santos e tam­bém co­nhe­ci­do co­mo Ko­pe­li­pa, aju­dou na fu­ga de 300 mi­lhões de dó­la­res (281 mi­lhões de eu­ros, à ta­xa de câm­bio ac­tu­al) do BESA. Re­cor­de-se que no meio de to­do es­te ve­lho im­bró­glio, já em 2013, de­pois da aber­tu­ra, em Portugal, de in­ves­ti­ga­ções cri­mi­nais por sus­pei­tas de bran­que­a­men­to de ca­pi­tais con­tra João Ma­ria de Sou­sa, pro­cu­ra­dor-ge­ral da Re­pú­bli­ca, o ge­ne­ral ‘Ko­pe­li­pa’ e o pró­prio Manuel Vi­cen­te, Jo­sé Edu­ar­do dos Santos anun­ci­ou for­mal­men­te o fim da “par­ce­ria es­tra­té­gi­ca com Portugal”. Qu­an­do se jul­ga que já es­tá tu­do des­co­ber­to eis que sur­ge mais um ca­pí­tu­lo. A in­ves­ti­ga­ção por­tu­gue­sa do ca­so BES con­fir­ma que o BES An­go­la terá con­ce­di- do mais de 6,8 mil mi­lhões de dó­la­res em cré­di­tos ale­ga­da­men­te ir­re­gu­la­res. Mais mil mi­lhões do que as sus­pei­tas ini­ci­ais. Tu­do nor­mal, por­tan­to. Em Agos­to de 2015 o De­par­ta­men­to Cen­tral de In­ves­ti­ga­ção e Ac­ção Pe­nal de Portugal sus­pei­ta­va que o empresário an­go­la­no, Ál­va­ro So­bri­nho bran­que­a­ra 80 mi­lhões de eu­ros. Por is­so cin­co apar­ta­men­tos seus fo­ram ar­res­ta­dos e con­ver­ti­dos em de­fi­ni­ti­vo a fa­vor do Mi­nis­té­rio Pú­bli­co. Se­gun­do o jor­nal por­tu­guês Cor­reio da Ma­nhã, os cin­co apar­ta­men­tos de lu­xo si­tu­am-se no Es­to­ril Sol Re­si­den­ce, em Cascais. Ape­nas um de­les es­ta­va em no­me de Ál­va­ro So­bri­nho e da mu­lher, os res­tan­tes qua­tro fo­ram trans­fe­ri­dos para os fi­lhos do empresário. Ál­va­ro So­bri­nho fez carreira no mun­do dos ne­gó­ci­os pe­la mão de Ri­car­do Sal­ga­do. Co­me­çou no BES co­mo di­rec­tor e che­gou a pre­si­den­te exe­cu­ti­vo do BES An­go­la, em 2001, on­de fi­cou até Ou­tu­bro de 2012. Nes­te car­go, o ban­quei­ro tor­nou o ban­co num ver­da­dei­ro pi­pe­li­ne por on­de pas­sa­ram mi­lha­res de mi­lhões de dó­la­res em cré­di­tos obs­cu­ros. “Co­mo é cos­tu­me nes­tes ca­sos, as au­di­to­ri­as in­ter­nas do BES não in­di­ca­vam pro­ble­mas na fi­li­al an­go­la­na, os ac­ci­o­nis­tas lo­cais (ge­ne­rais Ko­pe­li­pa e Le­o­pol­di­no do Nas­ci­men­to, en­tre ou­tros) não se quei­xa­vam de na­da e a con­sul­to­ra KPMG nun­ca so­ou alar­mes. O BESA re­ce­bia pré­mi­os in­ter­na­ci­o­nais”, ob­ser­vou Jor­ge Cos­ta num ar­ti­go pu­bli­ca­do na al­tu­ra no Es­quer­da.net. A ga­ran­tia con­ce­di­da pe­lo Es­ta­do an­go­la­no para sal­var o BES An­go­la as­cen­deu a cin­co mil mi­lhões de dó­la­res, na­da me­nos que o va­lor equi­va­len­te ao do fa­mo­so fun­do so­be­ra­no do país, lan­ça­do com es­tron­do e en­tre­gue – pois cla­ro! – ao fi­lho de sua ma­jes­ta­de o rei de An­go­la, Jo­sé Edu­ar­do dos Santos. A di­men­são des­te res­ga­te da­va uma ideia so­bre a di­men­são da acu­mu­la­ção pri­va­da nes­te epi­só­dio, equi­va­len­te a 80% da car­tei­ra de cré­di­to do BESA. Al­guns “cli­en­tes” le­van­ta­vam nu­me­rá­rio que só po­de­ria ser trans­por­ta­do em ca­miões. No mes­mo ar­ti­go re­fe­ri­a­se que no cen­tro des­te des­fal­que es­ti­ve­ram os pro­ta­go­nis­tas cen­trais da pre­sen­ça afri­ca­na do gru­po Es­pí­ri­to San­to em Áfri­ca ao lon­go de mais de uma dé­ca­da, “o nú­cleo du­ro do BES An­go­la e da ESCOM (Es­pí­ri­to San­to Com­mer­ce), o bra­ço do gru­po para An­go­la, dis­per­so pe­la mi­ne­ra­ção e cons­tru­ção de in­fra-es­tru­tu­ras, ae­ro­por­tos, es­tra­das, sa­ne­a­men­to, ha­bi­ta­ção.” Tam­bém em Portugal, a Escom foi agen­te fi­nan­cei­ro e ban­co pa­ra­le­lo do gru­po Es­pí­ri­to San­to em ca­sos co­mo os dos sub­ma­ri­nos ou o Por­tu­ca­le.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.