CA­SA-CE PRE­PA­RA UM XE­QUE (SE­RÁ MATE?) AO MPLA

Folha 8 - - DESTAQUE -

Opre­si­den­te da CASACE, Abel Chi­vu­ku­vu­ku, pa­re­ce fi­nal­men­te ter afi­na­do a pon­ta­ria pa­ra o es­sen­ci­al, dei­xan­do de la­do o aces­só­rio. O tem­po já não é mui­to, mas mais va­le tar­de do que nun­ca. E co­mo mui­tas das crí­ti­cas são per­fi­lha­das tam­bém pe­la UNITA, é bem pos­sí­vel que o can­di­da­to do MPLA so­fra uma pe­sa­da bai­xa. Abel Chi­vu­ku­vu­ku diz, e bem, que o can­di­da­to do MPLA, João Lou­ren­ço, não con­se­gue (e não con­se­gue mes­mo) ex­por as su­as ‘’bo­as idei­as pa­ra o país’’ num de­ba­te te­le­vi­si­vo com os de­mais con­cor­ren­tes às elei­ções. Co­mo nos ha­bi­tu­ou ao lon­go de 42 anos, o MPLA é for­te com os fra­cos e fra­qui­nho com os for­tes. O lí­der da CASACE re­no­vou o con­vi­te a João Lou­ren­ço, na mes­ma li­nha do que ti­nha fei­to a UNITA, pa­ra o can­di­da­to do MPLA mos­trar o que (não) va­le num de­ba­te de idei­as com os seus con­cor­ren­tes di­rec­tos, dei­xan­do de se res­guar­dar na pro­pa­gan­da da co­mu­ni­ca­ção so­ci­al do re­gi­me (TPA, RNA, Jor­nal de An­go­la). Se­gun­do Abel Epa­lan­ga Chi­vu­ku­vu­ku, An­go­la vi­ve há 15 anos em paz, com a de­vi­da re­fe­rên­cia ao per­sis­ten­te e en­dé­mi­co con­fli­to de bai­xa ten­são na pro­vín­cia de Ca­bin­da. No en­tan­to, afir­ma, tem cres­ci­do o am­bi­en­te de pre­o­cu­pa­ção, re­ceio e an- si­e­da­de no ín­ti­mo de mi­lhões de an­go­la­nos, quan­to ao fu­tu­ro do país a cur­to ou mé­dio pra­zos. Es­te cli­ma de pre­o­cu­pa­ção, re­ceio e an­si­e­da­de foi ge­ra­do por três fac­to­res, to­dos eles in­ter­li­ga­dos. Em pri­mei­ro lu­gar, con­si­de­ra Abel Chi­vu­ku­vu­ku, de­ri­vou do fac­to de o ain­da ti­tu­lar do po­der exe­cu­ti­vo, em 38 anos de exer­cí­cio do po­der ter si­do in­ca­paz de per­mi­tir o fo­men­to de ins­ti­tui­ções do Es­ta­do não só le­gí­ti­mas e le­gais, mas so­bre­tu­do cre­dí­veis, a de­sem­pe­nha­rem efec­ti­va­men­te o seu pa­pel cons­ti­tu­ci­o­nal­men­te con­sa­gra­do. Em se­gun­do lu­gar, Jo­sé Edu­ar­do dos San­tos “mos­trou-se in­dis­po­ní­vel pe­ran­te a pre­men­te ne­ces­si­da­de e ine­vi­ta­bi­li­da­de de se­rem es­tru­tu­ra­dos con­ve­ni­en­te­men­te pro­ces­sos po­lí­ti­cos cre­dí­veis e trans­pa­ren­tes, ou mo­de­los acei­tá­veis e le­gí­ti­mos con­du­cen­tes à ga­ran­tia de tran­si­ções ou al­ter­nân­ci­as de­mo­crá­ti­cas de po­der, de for­ma pa­cí­fi­ca, or­dei­ra e res­pon­sá­vel.” “Por ho­nes­ti­da­de e re­a­lis­mo, im­por­ta tam­bém re­fe­rir co­mo ter­cei­ro fac­tor, o fac­to de o ti­tu­lar do po­der exe­cu­ti­vo ter ti­do au­sên­ci­as pro­lon­ga­das do país, sem que os ci­da­dãos ti­ves­sem me­re­ci­do uma ex­pli­ca­ção ho­nes­ta e ver­da­dei­ra so­bre a ra­zão des­sas au­sên­ci­as, per­mi­tin­do as­sim o fo­men­to de bo­a­tos que ape­nas re­for­ça­ram o cli­ma de pre­o­cu­pa­ção, re­ceio e an­si­e­da­de”, diz o lí­der da CA­SA-CE.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.