O A VI­TÓ­RIA DA FRAU­DE ANUN­CI­A­DA

Folha 8 - - AQUI ESCREVO EU! - WIL­LI­AM TONET kui­bao@hot­mail.com

país es­tá em ebu­li­ção com o pe­río­do elei­to­ral. Po­de­ria (de­ve­ria, até) ser uma fes­ta, mas in­fe­liz­men­te, não é. Es­tá-se pe­ran­te uma com­pe­ti­ção im­por­tan­te pois de­ci­di­rá o fu­tu­ro de mi­lhões e, fu­te­bo­lis­ti­ca­men­te fa­lan­do, on­de uma das equi­pas tem do seu la­do a fe­de­ra­ção (CNE) o ár­bi­tro (Tri­bu­nal Cons­ti­tu­ci­o­nal), os fis­cais de li­nha (Po­lí­cia e For­ças Ar­ma­das), ten­do por is­so re­jei­ta­do, ca­te­gó­ri­ca e ar­ro­gan­te­men­te, o ví­deo ár­bi­tro (ór­gão elei­to­ral in­de­pen­den­te, apar­ti­dá­rio e im­par­ci­al), co­mo re­co­men­da o art.º 107.º da pró­pria “cons­ti­tui­ção jes­si­a­na”. Mas, ain­da as­sim, os de­mais ac­to­res (opo­si­ção), ex­cluí­dos da pré-épo­ca (re­gis­to elei­to­ral), da con­tra­ta­ção das em­pre­sas for­ne­ce­do­ras dos kits e sis­te­ma in­for­má­ti­co (INDRA e SINFIC), pa­ra a re­a­li­za­ção do pro­ces­so elei­to­ral acre­di­tam, tal­vez in­ge­nu­a­men­te, que se­rão ven­ce­do­res. Sa­be ou de­ve­ria sa­ber, a opo­si­ção que na po­lí­ti­ca, me­lhor, na al­ta po­lí­ti­ca, on­de um dos con­ten­do­res (MPLA) es­tá no po­der há 42 anos, a aná­li­se li­gei­ra dos fe­nó­me­nos e as omis­sões de ca­sos, que aten­tam con­tra a Cons­ti­tui­ção e as leis, pa­gam-se mui­to ca­ro. De­ma­si­a­do ca­ro. Mui­tas das ve­zes de tal ma­nei­ro ca­ro que nem tem­po se tem pa­ra fa­zer con­tas… E a fac­tu­ra, nem pre­ci­sa de in­cluir o NIF (nú­me­ro de iden­ti­fi­ca­ção fis­cal), por­quan­to na au­sên­cia de ór­gãos e ins­ti­tui­ções de Es­ta­do ci­da­dãs, to­da a má­qui­na es­tan­do par­ti­do­cra­ta­men­te ro­tu­la­da, com a cum­pli­ci­da­de das li­de­ran­ças po­lí­ti­cas, tu­do se pro­ces­sa­rá vi­san­do le­gi­ti­mar a frau­de, no dia elei­to­ral, por­que a ba­to­ta es­tá in­cu­ba­da nas en­tra­nhas do sis­te­ma. Do sis­te­ma e dos que de­le fa­zem par­te, por ac­ção ou omis­são. Nin­guém po­de, das equi­pas con­cor­ren­tes, di­zer não sa­ber ao que vai. Sa­bem, faz tem­po, que o jo­go se­rá sem­pre de­si­gual, sen­do igual, ape­nas o cho­ro e as la­men­ta­ções fi­nais. A opo­si­ção du­ran­te to­da a fa­se pre­pa­ra­tó­ria quis ser po­li­ti­ca­men­te cor­rec­ta (ou co­bar­de?), com me­do de ser acu­sa­da de in­ci­tar à vi­o­lên­cia e à gu­er­ra, de­mi­tiu-se in­clu­si­ve de apoi­ar ma­ni­fes­ta­ções da so­ci­e­da­de ci­vil, en­quan­to o re­gi­me con­so­li­da­va, con­so­li­da e bran­queia a ima­gem, mes­mo em fa­se da mai­or cri­se eco­nó­mi­ca, fru­to da mons­tru­o­sa rou­ba­lhei­ra ins­ti­tu­ci­o­nal, as­sen­te na ló­gi­ca “edu­ar­dis­ta” de “acu­mu­la­ção pri­mi­ti­va de ca­pi­tal”, on­de a mai­o­ria dos di­ri­gen­tes rou­ba ou de­la­pi­da o erá­rio pú­bli­co, pa­ra en­ri­que­ci­men­to ilí­ci­to. Di­an­te de tan­tas evi­dên­ci­as, a opo­si­ção não mu­giu nem tu­ge e quan­do pre­ten­dia ar­re­ga­nhar, fa­ce aos ilí­ci­tos, o re­gi­me co­lo­ca-a num par­que de diversão, com a Cons­ti­tui­ção, as leis e os tri­bu­nais, pa­ra se di­ver­ti­rem, com a ins­tau­ra­ção de pro­ces­sos, que res­va­lam pa­ra o ra­lo das ca­sas de banho, por­que os ho­mens das to­gas pre­tas são to­dos mem­bros dos co­mi­tés de es­pe­ci­a­li­da­de do par­ti­do no po­der. E to­dos o sa­bem. Tan­to as­sim é que ha­ven­do fla­gran­te vi­o­la­ção do n.º 4 do art.º 180.º CRA (Cons­ti­tui­ção da Re­pú­bli­ca de An­go­la), a opo­si­ção nu­ma es­tra­nha co­ni­vên­cia, ca­la-se, aplau­de a vi­o­la­ção cons­ti­tu­ci­o­nal, do pre­si­den­te e mai­o­ria dos juí­zes que va­li­da­rão as elei­ções ge­rais de 23 de Agos­to, te­rem o man­da­to ex­pi­ra­do (2008 à 2017). Me­ro des­co­nhe­ci­men­to? Tu­do os in­cri­mi­na, pois têm a obri­ga­ção de sa­ber so­mar e co­nhe­cer a nor­ma, que diz: “os juí­zes do Tri­bu­nal Cons­ti­tu­ci­o­nal são de­sig­na­dos pa­ra um man­da­to de se­te anos não re­no­vá­vel e go­zam ga­ran­ti­as de independência, ina­mo­vi­bi­li­da­de, im­par­ci­a­li­da­de e ir­res­pon­sa­bi­li­da­de dos juí­zes dos res­tan­tes tri­bu­nais”. Aqui che­ga­dos, a per­gun­ta im­põe-se: não se­ria es­ta, cau­sa bas­tan­te pa­ra a opo­si­ção uni­da se ma­ni­fes­tar e con­di­ci­o­nar a par­ti­ci­pa­ção, até se res­pei­tar a Cons­ti­tui­ção jes­si­a­na? As­sim, anes­te­si­a­da que es­tá, o Mpla/es­ta­do tem a cer­te­za de na­da lhe acon­te­cer, ma­rim­bar-se pa­ra os do­en­tes nos hos­pi­tais pú­bli­cos, ca­ren­tes de pa­ra­ce­ta­mol, an­ti-pa­lú­di­cos, ba­lões de so­ro, com­pres­sas, ál­co­ol, mer­cu­ro­cro­mo, mas com­prar pa­ra os seus mi­li­tan­tes e ca­bos elei- to­rais, com di­nhei­ro dos “co­fres pú­bli­cos”, mi­lha­res de car­ri­nhas e je­eps no­vos, en­ga­la­na­dos com a ca­ra do can­di­da­to João Lou­ren­ço. É uma cla­ra afron­ta à mai­o­ria da po­pu­la­ção po­bre que, nes­ta fa­se de cri­se, che­ga a não ter di­nhei­ro pa­ra com­prar uma man­di­o­ca, mas tam­bém, lí­de­res que se in­dig­nem e re­vol­tem com es­tes abu­sos. Por ou­tro la­do, os cri­mes de cor­rup­ção su­ce­dem-se nos úl­ti­mos tem­pos, os mais re­vol­tan­tes fo­ram os 500 mi­lhões de dó­la­res des­vi­a­dos, por altos fun­ci­o­ná­ri­os da Pre­si­dên­cia da Re­pú­bli­ca, pa­ra o BES de Du­bai, os 500 mil dó­la­res do me­ni­no Da­ni­lo, 23 anos, de­sem­pre­ga­do, mas fi­lho do Pre­si­den­te da Re­pú­bli­ca, na com­pra de um re­ló­gio, os 25 mi­lhões de di­ri­gen­tes da SONANGOL, a bor­do dos aviões da TAP e, fi­nal­men­te, o vi­ce -pre­si­den­te da Re­pú­bli­ca, Ma­nu­el Vi­cen­te, ter si­do cons­ti­tuí­do ar­gui­do num pro­ces­so, em Por­tu­gal, acu­sa­do pe­los cri­mes de cor­rup­ção ac­ti­va e bran­que­a­men­to de ca­pi­tais. Com to­do es­te ar­se­nal, pa­ra pa­ra­li­sar o país, com ba­se na lei e exi­gir ou­tra pos­tu­ra do re­gi­me, a opo­si­ção não age, não ca­pi­ta­li­za, não sai à rua em ma­ni­fes­ta­ções, con­tra a COR­RUP­ÇÃO, man­tém-se amor­fa, pas­si­va, in­di­fe­ren­te e diz que vai a jo­go mes­mo as­sim. E tan­to vai, que se tor­nou cúm­pli­ce do ne­po­tis­mo, do pe­cu­la­to e da fa­lên­cia to­tal, por rou­bo de ca­pi­tais de dois ban­cos co­mer­ci­ais (CAP e BESA) e a fa­lên­cia téc­ni­ca de ou­tros tan­tos (BPC, BCI, BDA). Os ma­lan­dros es­tão to­dos, ab­so­lu­ta­men­te to­dos, iden­ti­fi­ca­dos, mas na­da lhes acon­te­ce, uma vez pa­ra o ac­tu­al MPLA/ES­ta­do pa­re­cer que: “ROU­BAR É UM DE­VER REVOLUCIONÁRIO”. Uma con­vic­ção en­rai­za­da no con­tro­lo ab­so­lu­to dos ór­gãos de co­mu­ni­ca­ção so­ci­al pú­bli­cos, das te­le­co­mu­ni­ca­ções, do sis­te­ma ju­di­ci­al e ju­di­ciá­rio, do sis­te­ma fi­nan­cei­ro e ban­cá­rio, da par­ti­da­ri­za­ção efec­ti­va dos ór­gãos po­li­ci­ais, das For­ças Ar­ma­das e de de­fe­sa e se­gu­ran­ça. Com to­das es­tas fer­ra­men­tas e sem al­te­ra­ções sig­ni­fi­ca­ti­vas e ra­di­cais, no “mo­dus ope­ran­di” da opo­si­ção a pos­tu­ra da co­mu­ni­ca­ção so­ci­al pú­bli­ca de be­ne­fi­ci­ar, ex­ces­si­va e ex­clu­si­va­men­te, em pe­río­do elei­to­ral, o MPLA e o seu can­di­da­to é es­can­da­lo­so. É des­ta for­ma, in­fe­liz­men­te, que em mui­tos lu­ga­res, a pro­vo­ca­ção, a hu­mi­lha­ção faz ger­mi­nar as se­men­tes da gu­er­ra e, ao que pa­re­ce, se não emer­gir, en­tre nós, uma voz au­to­ri­za­da e pre­ca­vi­da, um dia, por a fo­me es­tar a ras­te­jar, já em mui­tas pon­tas das bai­o­ne­tas, ela po­de de­fla­grar. O exér­ci­to dos fa­min­tos, dos po­bres, de­sem­pre­ga­dos e des­mo­bi­li­za­dos das guer­ras, não pára de cres­cer e, nas zo­nas ur­ba­nas, o os­tra­cis­mo a que es­tão vo­ta­dos os qua­dros que não ba­ju­lam, po­de pro­pi­ci­ar a des­cren­ça no mul­ti­par­ti­da­ris­mo, na de­mo­cra­cia, nas elei­ções, por ve­rem que na­da vai mu­dar, se­não a von­ta­de de na­da mu­dar, ain­da que as car­ri­pa­nas de to­dos ac­to­res va­ti­ci­nem, hoje, a vi­tó­ria fi­nal.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.