BAJULAR CON­TI­NUA A DAR MI­LHÕES

Folha 8 - - DESTAQUE -

As elei­ções ge­rais an­go­la­nas de 23 de Agos­to vão mu­dar (is­to é co­mo quem diz…) as re­la­ções di­plo­má­ti­cas en­tre Por­tu­gal e An­go­la, com a saí­da de ce­na (ve­re­mos se é mes­mo uma saí­da) do qua­se sem­pi­ter­no Pre­si­den­te Jo­sé Eduardo dos San­tos, cu­ja he­ran­ça po­lí­ti­ca é vis­ta com des­con­fi­an­ça por mui­tos por­tu­gue­ses, tal co­mo por mui­tos an­go­la­nos. Às acu­sa­ções pas­sam por abu­sos de di­rei­tos hu­ma­nos, ne­po­tis­mo le­va­do ao ex­tre­mo, fo­men­to de cor­rup­ção, des­trui­ção da clas­se mé­dia an­go­la­na ou per­se­gui­ção a crí­ti­cos, ou­tros afec­tos – as­su­mi­da­men­te ou não - ao MPLA pe­dem que se olhe pa­ra Jo­sé Eduardo dos San­tos co­mo al­go que ele não foi nem é: lí­der elei­to de um país que so­bre­vi­veu a uma vi­o­len­ta gu­er­ra ci­vil e que tem con­se­gui­do ele­var os ní­veis eco­nó­mi­cos do país, em­bo­ra ain­da ex­ces­si­va­men­te de­pen­den­te do pe­tró­leo. “Não po­de­mos que­rer im­por os nos­sos pa­râ­me­tros oci­den­tais a ou­tros paí­ses”, avi­sa An­tó­nio Mar­tins da Cruz, ex-mi­nis­tro dos Ne­gó­ci­os Es­tran­gei­ros de Por­tu­gal e con­si­de­ra­do nos mei­os po­lí­ti­cos da opo­si­ção an­go­la­na co­mo um as­sa­la­ri­a­do do re­gi­me, tal é a vo­ra­ci­da­de com que sal­ta pa­ra a ri­bal­ta sem­pre que é ne­ces­sá­rio de­fen­der o MPLA. Quan­do em cau­sa es­tão os an­go­la­nos, aí Mar­tins da Cruz man­tém-se no re­ca­to do si­lên­cio. De for­ma di­fe­ren­te pen­sa e age o an­ti­go mi­nis­tro da Cul­tu­ra e di­ri­gen­te do PS, João So­a­res, que dis­cor­da em ab­so­lu­to: “Ago­ra, que aqui­lo é uma vi­ga­ri­ce, é, que aqui­lo é um ban­do de la­drões, é, e que rou­ba­ram o po­vo de­les de uma for­ma des­ca­ra­da e não têm ver­go­nha de vi­ver no lu­xo mais ina­cre­di­tá­vel ao pé da po­bre­za mais ex­tre­ma”. An­ti­go apoi­an­te da UNITA, ven­ci­da na gu­er­ra ci­vil que ter­mi­nou em 2002, João So­a­res mos­tra-se mui­to crí­ti­co do go­ver­no de Jo­sé Eduardo dos San­tos. “O ba­lan­ço só po­de ser de um imen­so fi­as­co, de uma di­men­são ab­so­lu­ta­men­te des­co­mu­nal” e “é um po­der que nun­ca foi de­mo­crá­ti­co, nun­ca foi le­gi­ti­ma­do por elei­ções de­cen­tes”, de­fen­de. Mar­tins da Cruz, co­mo não po­de­ria dei­xar de ser, con­tes­ta es­ta vi­são. “Acho que Jo­sé Eduardo dos San­tos fez o pos­sí­vel pa­ra dei­xar uma An­go­la mais prós­pe­ra. Mas, so­bre­tu­do, o que con­se­guiu -- e is­so é que é por­ven­tu­ra um fac­to úni­co em Áfri­ca -- foi re­con­ci­li­ar-se com o an­ti­go ini­mi­go”, re­fe­re o an­ti­go di­plo­ma­ta. Mar­tins da Cruz es­tá acos­tu­ma­do a pas­sar ates­ta­dos de me­no­ri­da­de e ma­tum­bez aos seus con­ter­râ­ne­os por­tu­gue­ses. Jul­ga, por is­so, que nós so­mos iguais e, as­sim sen­do, sen­te-se à von­ta­de pa­ra jun­tar de­ma­go­gia e men­ti­ras em prol da sua cau­sa, que mais não é que a apo­lo­gia do MPLA. Exem­plo aca­ba­do é fa­lar de re­con­ci­li­a­ção. Em An­go­la não exis­tiu, nem exis­te, re­con­ci­li­a­ção. Jo­sé Eduardo dos San­tos não re­con­ci­li­ou, li­mi­tou-se a sub­me­ter o “an­ti­go ini­mi­go” às su­as re­gras. Na­da mais do que is­so. Tam­bém an­ti­go di­plo­ma­ta, que tra­ba­lhou na em­bai­xa­da por­tu­gue­sa de Lu­an­da pou­co an­tes da nor­ma­li­za­ção das re­la­ções en­tre Por­tu­gal e An­go­la em 1986, Sei­xas da Cos­ta tem uma po­si­ção me­nos ex­tre­ma­da e fa­la nu­ma “he­ran­ça mis­ta”. “Não po­de­mos com­pa­rar An­go­la com mo­de­los eu­ro­peus ou la­ti­no-ame­ri­ca­nos, tem que ser com­pa­ra­da com o res­to de Áfri­ca. E aí se­ja­mos jus­tos, mes­mo com to­das as de­fi­ci­ên­ci­as, o mo­de­lo an­go­la­no tem mais li­ber­da­des que ou­tros paí­ses afri­ca­nos”, diz Sei­xas da Cos­ta. Por is­so, o an­ti­go em­bai­xa­dor e se­cre­tá­rio de Es­ta­do dos As­sun­tos Eu­ro­peus ad­mi­te que não é pos­sí­vel fa­zer um “sal­do ab­so­lu­to” e é sem­pre ne­ces­sá­rio “fa­zer a com­pa­ra­ção” quan­do se ava­lia o tra­ba­lho de Jo­sé Eduardo dos San­tos. A “cor­rup­ção ele­va­dís­si­ma” e as “dis­cre­pân­ci­as so­ci­ais” num país que é o se­gun­do mai­or pro­du­tor de pe­tró­leo da Áfri­ca sub­sa­a­ri­a­na são as du­as prin­ci­pais man­chas na ges­tão do ain­da Pre­si­den­te. E en­tão o mai­or ín­di­ce mun­di­al de mor­ta­li­da­de in­fan­til? E os 20 mi­lhões de po­bres? E a en­tre­ga do Fun­do So­be­ra­no e da Sonangol aos seus fi­lhos? “An­go­la não con­se­guiu pôr a fun­ci­o­nar um mo­de­lo que re­du­zis­se a de­pen­dên­cia fa­ce ao pe­tró­leo e aos di­a­man­tes. Não hou­ve uma uti­li­za­ção des­se di­nhei­ro na cri­a­ção de in­fra-es­tru­tu­ras que des­sem es­pa­ços a ou­tros pro­ta­go­nis­tas e a ou­tros sec­to­res eco­nó­mi­cos”, ad­mi­te Sei­xas da Cos­ta. No pla­no po­lí­ti­co, Jo­sé Eduardo dos San­tos, con­si­de­ra o an­ti­go em­bai­xa­dor por­tu­guês, a tran­si­ção foi sen­do adi­a­da pe­lo sis­te­ma de “per­pe­tu­a­ção no po­der” do MPLA (são 42 anos de do­mí­nio ab­so­lu­to) e pe­la lon­ga gu­er­ra ci­vil. Nas “guer­ras ci­vis, os sis­te­mas de­mo­crá­ti­cos ten­dem a não flo­res­cer”, sa­li­en­ta Sei­xas da Cos­ta, re­cor­dan­do que o an­te­ces­sor de Eduardo dos San­tos “ra­di­ca­li­zou o par­ti­do e cri­ou ten­sões na so­ci­e­da­de an­go­la­na” que di­fi­cul­ta­ram sem­pre uma mai­or aber­tu­ra do MPLA à de­mo­cra­cia. Pro­fun­do co­nhe­ce­dor de An­go­la, es­tan­do-se nas tin­tas pa­ra dis­cur­sos po­li­ti­ca­men­te cor­rec­tos e ser­vis, João So­a­res não des­cul­pa Jo­sé Eduardo dos San­tos: “É um po­der au­to­crá­ti­co, cor­rup­to co­mo há pou­cos no mun­do. É um dos paí­ses mais cor­rup­tos do mun­do e sem ne­nhum pu­dor, por­que não es­con­dem a ri­que­za de que se beneficiam, ele (Jo­sé Eduardo dos San­tos), a sua fa­mí­lia e a plu­to­cra­cia que lá es­tá. Bas­ta olhar pa­ra as em­pre­sas e tu­do que se pas­sou e tem pas­sa­do, in­clu­si­va­men­te, o re­fle­xo que is­to tem ti­do em Por­tu­gal”. João So­a­res re­fe­ria-se à en­tra­da de ca­pi­tais do clã Eduardo dos San­tos em mei­os de co­mu­ni­ca­ção, na ban­ca e nou­tros sec­to­res da eco­no­mia por­tu­gue­sa. “É de fac­to uma si­tu­a­ção in­des­cri­tí­vel, eles não que­rem lar­gar a mão, não que­rem fa­zer uma ex­pe­ri­ên­cia de uma elei­ção de­mo­crá­ti­ca. Se já ti­ves­sem fei­to uma elei­ção de­mo­crá­ti­ca, já ti­nham si­do cor­ri­dos do po­der”, afir­ma. No en­tan­to, João So­a­res diz não ter qual­quer pro­ble­ma pes­so­al com Jo­sé Eduardo dos San­tos. “Aqui­lo é uma vi­ga­ri­ce to­tal, cla­ro que o ho­mem (Jo­sé Eduardo dos San­tos) tem uma gran­de ex­pe­ri­ên­cia, pre­ci­sa­mos de ver co­mo ele es­tá, não há nin­guém que te­nha a ex­pe­ri­ên­cia que ele tem em ter­mos de po­der”. Já Mar­tins da Cruz (fa­zen­do uso cer­ta­men­te das or­dens su­pe­ri­o­res en­vi­a­das pe­lo MPLA) cri­ti­ca quem con­tes­ta An­go­la e a ges­tão de Eduardo dos San­tos. Exis­tem “al­guns exí­mi­os de­fen­so­res dos di­rei­tos hu­ma­nos que apro­vei­tam es­ta eti­que­ta pa­ra fa­zer po­lí­ti­ca. Nun­ca vi ne­nhum de­les pa­rar o car­ro nu­ma bom­ba de ga­so­li­na e per­gun­tar se o com­bus­tí­vel com que vão ates­tar o car­ro veio da No­ru­e­ga”, acu­sa o an­ti­go mi­nis­tro dos Ne­gó­ci­os Es­tran­gei­ros – fa­zen­do lem­brar na sua ar­gu­men­ta­ção ao seu que­ri­do ami­go (do MPLA, ob­vi­a­men­te) Lu­vu­a­lu de Car­va­lho - que fa­la no pas­sa­do de An­go­la pa­ra jus­ti­fi­car os pro­ble­mas do pre­sen­te.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.