PALHAÇADA à MO­DA DO MPLA

Folha 8 - - DESTAQUE -

Quan­do não sa­be o que diz e nem diz o que sa­be, a Co­mis­são Na­ci­o­nal Elei­to­ral (CNE), apre­sen­ta-se com a far­de de virgem ofen­di­da e ex­pli­ca que a in­di­ca­ção do pon­to de re­fe­rên­cia da­do pe­los elei­to­res no ac­to de re­gis­to elei­to­ral não de­ter­mi­na­va a sua as­sem­bleia de vo­to. Ou se­ja, o pon­to de re­fe­rên­cia po­de ser Lu­an­da e a as­sem­bleia de vo­to ser no… Lubango. A pou­cos di­as das elei­ções, são mui­tos – ca­da vez mais -, os elei­to­res em to­do o país que não lo­ca­li­za­ram os seus no­mes ou nas con­sul­tas fei­tas, os seus no­mes fo­ram trans­fe­ri­dos pa­ra ou­tras lo­ca­li­da­des das mes­mas pro­vín­ci­as ou pa­ra ou­tras pro­vín­ci­as. Con­sul­ta­das as or­dens su­pe­ri­o­res, Jú­lia Fer­rei­ra diz que es­tá a ha­ver “al­gu­ma con­fu­são na ter­mi­no­lo­gia e no sen­ti­do prá­ti­co que se de­ve dar ao ter­mo pon­tos de re­fe­rên­cia e à ex­pres­são e ter­mi­no­lo­gia as­sem­blei­as de vo­tos”. O que is­to quer di­zer? Nem Jú­lia Fer­rei­ra sa­be. Tam­bém não é pre­ci­so sa­ber. Bas­ta a te­se de que os an­go­la­nos que não são do MPLA são des­pro­vi­dos de in­te­li­gên­cia. Acres­cen­ta Jú­lia Fer­rei­ra que a dis­tri­bui­ção dos elei­to­res pe­las as­sem­blei­as de vo­to obe­de­ce à lei e é con­sequên­cia de um ins­tru­ti­vo apro­va­do pe­lo ple­ná­rio da CNE, no qual fo­ram de­fi­ni­dos vá­ri­os cri­té­ri­os pa­ra nor­te­ar a ta­re­fa re­fe­ren­te ao ma­pe­a­men­to das as­sem­blei­as de vo­to e aco­mo­da­ção dos elei­to­res nas res­pec­ti­vas me­sas de vo­to. Te­ria si­do mais sim­ples, em­bo­ra me­nos fi­lo­só­fi­co, di­zer que a CNE se acha no di­rei­to de ser do­na da ver­da­de e do des­ti­no elei­to­ral dos an­go­la­nos, so­bre­tu­do se exis­tem sus­pei­tas de es­tes não se­rem sim­pa­ti­zan­tes do seu pa­tro­no e pa­trão, o MPLA. A res­pon­sá­vel da CNE lem­bra que pro­ce­de­rem à ac­tu­a­li­za­ção e no­vos re­gis­tos elei­to­rais “não in­di­ca­ram as­sem­blei­as de vo­to”, sen­do im­por­tan­te su­bli­nhar que fo­ram es­co­lhi­dos pon­tos de re­fe­rên­cia em fun­ção das su­as áre­as de re­si­dên­cia. E que me­lhor pon­to de re­fe­rên­cia pa­ra um elei­tor que re­si­de em Lu­an­da do que man­dá-lo vo­tar no Lubango? “Lo­go, no­ta­mos tam­bém que nes­te pro­ces­so de in­di­ca­ção de pon­tos de re­fe­rên­cia, os ci­da­dãos não in­di­ca­ram em con­cre­to as su­as mo­ra­das e is­to jus­ti­fi­ca-se ple­na­men­te”, dis­se Jú­lia Fer­rei­ra, alu­din­do à au­sên­cia de uma to­po­ní­mia ac­tu­a­li­za­da, di­fi­cul­tan­do as­sim a in­di­ca­ção pre­ci­sa de uma rua ou nú­me­ro da re­si­dên­cia em que vi­ve. Ou se­ja, di­zer-se que se mo­ra no Sam­bi­zan­ga é cla­ra­men­te in­su­fi­ci­en­te por­que a CNE não ad­vi­nha, e o que mais exis­te em An­go­la são bair­ros cha­ma­dos Sam­bi­zan­ga. E mes­mo as­sim os elei­to­res ti­ve­ram sor­te por­que, ao que pa­re­ce, tam­bém exis­te bair­ros no Bur­ki­na Fa­so com es­se no­me… “To­dos es­tes fac­to­res guin­da­ram a que efec­ti­va­men­te se des­ta­cas­se nes­se pro­ces­so do re­gis­to elei­to­ral a in­di­ca­ção dos pon­tos de re­fe­rên­cia”, que fo­ram, ain­da se­gun­do a res­pon­sá­vel, a tí­tu­lo de exem­plo, es­ta­be­le­ci­men­tos co­mer­ci­ais, hos­pi­ta­la­res, no­to­ri­a­men­te mais co­nhe­ci­dos, to­dos den­tro do seu pe­rí­me­tro re­si­den­ci­al. E, di­ga-se, o pe­rí­me­tro re­si­den­ci­al de quem vi­ve em Lu­an­da es­ten­de-se, se­gun­do a CNE, pe­lo me­nos até à Huíla. É um pe­rí­me­tro alar­ga­do, mas não dei­xa de ser um pe­rí­me­tro. A por­ta-voz do ór­gão elei­to­ral do re­gi­me avan­çou que foi com ba­se nes­tas re­fe­rên­ci­as, den­tro de um pe­rí­me­tro – cha­man­do a aten­ção de que “não fo­ram mo­ra­das, não fo­ram en­de­re­ços” – que foi fei­ta a dis­tri­bui­ção dos elei­to­res pe­las res­pec­ti­vas me­sas de vo­to. Lem­brou igual­men­te que foi de­fi­ni­do um nú­me­ro mé­dio de até 3.000 elei­to­res por ca­da as­sem­bleia de vo­to, que po­dem che­gar aos 5.000 elei­to­res em si­tu­a­ções mui­to ex­cep­ci­o­nais, pa­ra evi­tar lon­gas fi­las de es­pe­ra e des­mo­ti­va­ção dos elei­to­res. Re­la­ti­va­men­te aos elei­to­res que es­tão a lo­ca­li­zar os seus no­mes em ou­tras pro­vín­ci­as, Jú­lia Fer­rei­ra apre­sen­tou co­mo ex­pli­ca­ção que os elei­to­res fi­ze­ram o re­gis­to elei­to­ral nu­ma ou­tra pro­vín­cia e ago­ra se en­con­tram em Lu­an­da, cons­ti­tuin­do as­sim uma si­tu­a­ção de des­lo­ca­li­za­ção. Co­mo ane­do­ta não es­tá mal. “Ou­tros­sim, é que há ci­da­dãos que não fi­ze­ram ac­tu­a­li­za­ção do re­gis­to elei­to­ral, que te­ve uma na­tu­re­za de pro­va de vi­da, que de acor­do com os da­dos que nos fo­ram en­tre­gues pe­lo Mi­nis­té­rio da Ad­mi­nis­tra­ção do Ter­ri­tó­rio, te­mos es­ti­ma­da­men­te cer­ca de 2.800.000 des­te nú­me­ro de ci­da­dãos do uni­ver­so elei­to­ral de ci­da­dãos que não fi­ze­ram a ac­tu­a­li­za­ção do seu re­gis­to elei­to­ral”, dis­se. Pa­ra os que se en­con­tram nes­ta con­di­ção, a lei de­ter­mi­na que os seus no­mes não se­jam in­cluí­dos nos ca­der­nos elei­to­rais. A res­pon­sá­vel sa­li­en­tou que pa­ra a CNE, o ma­pe­a­men­to das as­sem­blei­as de vo­to re­la­ti­va­men­te às elei­ções de 2017 apre­sen­tou me­lho­ri­as re­la­ti­va­men­te aos dois úl­ti­mos plei­tos elei­to­rais, de­vi­do tam­bém à cons­tru­ção de no­vas in­fra-es­tru­tu­ras. “Nós ti­ve­mos em 2012 a ins­ta­la­ção de as­sem­blei­as de vo­to em ten­das lo­ca­li­za­das fun­da­men­tal­men­te aqui na ci­da­de de Lu­an­da e ou­tras ca­pi­tais das pro­vín­ci­as do país e, ago­ra em 2017, fru­to de al­gu­mas in­fra-es­tru­tu­ras que fo­ram er­gui­das, que fo­ram cons­truí­das pe­lo Go­ver­no, nós con­se­gui­mos ma­pe­ar, pla­ni­fi­car as­sem­blei­as de vo­to nes­sas no­vas in­fra-es­tru­tu­ras, por es­te mo­ti­vo tam­bém é que al­guns ci­da­dãos elei­to­res não es­tão nas mes­mas as­sem­blei­as de vo­to em que exer­ce­ram a vo­ta­ção em 2012, mas não es­tão fo­ra das me­sas de vo­to, não es­tão fo­ra das as­sem­blei­as de vo­to”, re­fe­riu. Re­su­mo. Com os mes­mos pa­lha­ços, o es­pec­tá­cu­lo te­ria ne­ces­sa­ri­a­men­te de ser o mes­mo.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.