A ACU­TI­LÂN­CIA, UMA NE­CES­SI­DA­DE PA­RA MU­DAR AN­GO­LA

Folha 8 - - DESTAQUE -

Tor­nou-se sin­to­má­ti­co. Por pou­co que são anun­ci­a­das, as elei­ções em An­go­la cri­am sem­pre uma cris­pa­ção in­so­fis­má­vel no seio dos ato­res so­ci­ais com re­per­cus­sões ne­ga­ti­vas pa­ra a cau­sa de mu­dan­ça que to­dos os an­go­la­nos de­fen­dem. A fe­bre elei­to­ra­lis­ta apa­nha a to­dos, sem eva­são pos­sí­vel, a tal pon­to que mes­mo eli­tes im­por­tan­tes pa­re­cem trans­for­mar as elei­ções em me­ras ca­ri­ca­tu­ras e, se a mo­da pe­ga, até se fa­rão subs­ti­tuir por fi­lhos no po­der, co­mo nos tem­pos em que a mo­nar­quia era uni­ver­sal. Sa­be­mos que o par­ti­do no po­der an­da mui­to pre­o­cu­pa­do com o pas­si­vo de­sas­tro­so des­tes úl­ti­mos 42 anos, que o per­se­gue, co­mo a som­bra se­gue o seu do­no, e vem em­pre­en­den­do es­for­ços pa­ra ri­di­cu­la­ri­zar e di­a­bo­li­zar a opo­si­ção, em par­ti­cu­lar a UNITA. Is­to até po­de­ri­am pa­re­cer por­me­no­res de pou­ca im­por­tân­cia, mas in­fe­liz­men­te, são si­nais de que o re­gi­me «en pla­ce» des­pre­za as mais ele­men­ta­res re­gras de con­vi­vên­cia de­mo­crá­ti­ca, per­deu o sen­ti­do de Es­ta­do de Di­rei­to de­mo­crá­ti­co, apos­tan­do ape­nas em re­cor­rer a to­dos os mei­os pos­sí­veis pa­ra se man­ter no po­der, ain­da que não se­jam con­for­mes à lei em vi­gor e aos va­lo­res uni­ver­sais. A jul­gar pe­lo que se sa­be das re­co­men­da­ções da opo­si­ção e das ins­ti­tui­ções na­ci­o­nais e in­ter­na­ci­o­nais de de­fe­sa dos di­rei­tos hu­ma­nos (por exem­plo, a AJPD, Omun­ga, a HRW e a União Eu­ro­peia), en­con­tros en­tre Jo­sé Eduardo dos San­tos (JES) e en­ti­da­des de re­no­me na­ci­o­nal e in­ter­na­ci­o­nal, o Pre­si­den­te da Re­pú­bli­ca (PR) faz ou­vi­dos de mer­ca­dor. A al­ta fe­bre elei­to­ra­lis­ta le­va-lhe sem­pre a ce­guei­ra, a pon­to de não se pre­o­cu­par pe­la

paz e de­sen­vol­vi­men­to de An­go­la, es­tes va­lo­res sen­do si­nó­ni­mos de jus­ti­ça. Se a mo­da pe­ga, não po­de­mos nos es­pan­tar que, nes­ta e nas pró­xi­mas elei­ções, o Pre­si­den­te JES ve­nha a man­ter a sua fa­mí­lia po­lí­ti­ca no po­der co­mo as­ses­so­res ou pa­ra o subs­ti­tuir na ges­tão do país, já que tor­nou-se fe­nó­me­no mo­da em Áfri­ca. JES não se sen­ti­rá à von­ta­de em An­go­la com a opo­si­ção no po­der, ten­do em con­ta o pas­si­vo ne­ga­ti­vo da sua go­ver­na­ção nes­tes úl­ti­mos 42 anos, que lhe ator­men­ta as noi­tes, co­mo foi o ca­so de Fa­raó e a sua ca­sa, na sequên­cia das “gran­des pra­gas com que Deus lhe pu­niu, por cau­sa de Sa­ra, mu­lher de Abraão” (Gn12, 17). Es­tá-se em fa­ce do eter­no de­ba­te das di­ta­du­ras elei­tas em An­go­la, na qual o re­gi­me, apro­vei­tan­do-se da vul­ne­ra­bi­li­da­de dos ci­da­dãos e da opo­si­ção, fin­ge or­ga­ni­zar elei­ções li­vres e jus­tas, com a par­ti­ci­pa­ção das po­pu­la­ções e eli­tes na­ci­o­nais, e brin­can­do de en­gran­de­cê-los, pa­ra de­pois mos­trar-lhes a fa­ce de Le­vi­a­tã (“mons­tro ma­ri­nho” ci­ta­do na bí­blia em jó 3.8 e jó 40.25), es­se mons­tro ter­rí­vel a pon­to de “nin­guém po­der de­sa­fiá-lo e fi­car ile­so” (Tho­mas Hob­bes). A ac­tu­a­ção da opo­si­ção pe­ran­te o ac­tu­al pro­ces­so elei­to­ral vi­ci­a­do dei­xa mui­to a de­se­jar, per­mi­tin­do que o ex­tre­mis­mo des­pó­ti­co do re­gi­me, a pre­tex­to de es­tar­mos num Es­ta­do que de­te­ria con­si­go to­do o po­der da so­ci­e­da­de, ti­ves­se a fa­ci­li­da­de de avan­çar com um pro­ces­so sem me­ca­nis­mos in­de­pen­den­tes de ges­tão elei­to­ral, mar­ca­do com gra­ves ir­re­gu­la­ri­da­des e atro­pe­los, no qual os re­sul­ta­dos das elei­ções são “co­zi­nha­dos num la­bo­ra­tó­rio”(lu­aty Beirão). A des­co­ber­ta des­tas de­bi­li­da­des, em es­pe­ci­al da frau­de elei­to­ral nas úl­ti­mas elei­ções en­cheu a opi­nião pú­bli­ca na­ci­o­nal e in­ter­na­ci­o­nal, a prin­cí­pio, de as­som­bro e até de pes­si­mis­mo so­bre o va­lor de elei­ções na ac­tu­al An­go­la.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.