SEDUZIDOS COM A MUL­TI­DÃO

Folha 8 - - DESTAQUE -

Mas, hoje, a opo­si­ção apos­ta no de­se­jo de fa­zer a mes­ma ex­pe­ri­ên­cia de 2012: se­du­zi­da com a mul­ti­dão de pa­la­vras dos ho­mens do re­gi­me, com as li­son­jas dos seus lá­bi­os, fi­cou per­su­a­di­da; e ela se­gue-os lo­go, sem opo­si­ção de prin­cí­pio, co­mo o mi­li­tar que avan­ça se­gu­ra­men­te em ter­re­no des­co­nhe­ci­do, on­de o ini­mi­go ar­mou to­do o ti­po de ci­la­das, e não sa­be que ele es­tá mar­chan­do ali con­tra a sua vi­da. Um cla­ro si­nal da fra­que­za da opo­si­ção com con­sequên­ci­as im­pre­vi­sí­veis. E a fac­tu­ra pa­re­ce que vai ser pa­ga ca­ra, se con­ti­nu­ar­mos a as­so­bi­ar pa­ra la­do, pen­san­do ape­nas de que o “par­ti­do do meu vo­to vai ven­cer as elei­ções”. Elei­ções dig­nas e trans­pa­ren­tes sem frau­de es­tão lon­ge de ser re­a­li­da­de, o que cons­ti­tui um pe­so de fun­do no va­lor dos seus re­sul­ta­dos. E is­to, so­bre­tu­do pe­lo fac­to de que mui­tas pes­so­as po­de­rão não vo­tar não só pe­las di­fi­cul­da­des de aces­so aos lo­cais afas­ta­dos das su­as re­si­dên­ci­as, mas tam­bém pe­las gra­ves ir­re­gu­la­ri­da­des e atro­pe­los que fa­zem com que as ac­tu­ais elei­ções não se­jam “nem de­mo­crá­ti­cas, nem trans­pa­ren­tes, nem jus­tas”. O mo­men­to que se vi­ve ac­tu­al­men­te em An­go­la é um mo­men­to mui­to par­ti­cu­lar, um de­sa­fio pa­ra as for­ças da mu­dan­ça; pois que, di­an­te das exi­gên­ci­as de mu­dan­ça atra­vés de elei­ções li­vres e jus­tas, a per­ver­são des­pó­ti­ca se le­van­ta pa­ra fa­zer fa­ce aos ho­mens de boa von­ta­de, aca­ban­do as­sim por man­ter o es­ta­do ac­tu­al das coi­sas com­ple­ta­men­te apo­dre­ci­do. O evan­ge­lho en­si­na-nos a en­fren­tar as si­tu­a­ções da vi­da com fé e de­ter­mi­na­ção, mes­mo as mais di­fí­ceis e dra­má­ti­cas. Ur­ge pois acu­ti­lân­cia na re­so­lu­ção da pro­ble­má­ti­ca da fal­ta de con­di­ções pa­ra elei­ções de­mo­crá­ti­cas, li­vres e jus­tas em An­go­la. O su­ces­so da acu­ti­lân­cia na lu­ta pe­la mu­dan­ça de- pen­de da ac­tu­a­ção diá­ria e cons­tan­te pa­ra que as nor­mas com resquí­ci­os di­ta­to­ri­ais, bem co­mo as prá­ti­cas ad­vin­das da­que­le re­gi­me, não se­jam mais apli­ca­das no país. Além dis­so, as eli­tes de­vem: fa­zer es­co­lhas acer­ta­das, in­ves­tir no ho­mem, ar­ran­car a po­pu­la­ção da inér­cia e or­ga­ni­zar es­tru­tu­ras de lu­ta do­ta­das de mé­to­dos co­e­ren­tes de re­sis­tên­cia pa­cí­fi­ca. Fi­nal­men­te, a acu­ti­lân­cia re­cla­ma por es­pí­ri­to de co­e­rên­cia, de sa­cri­fí­cio e fé, de al­ter­nân­cia e re­no­va­ção que de­ve co­me­çar por aque­les que de­se­jam a mu­dan­ça no po­der po­lí­ti­co. (*) Ac­ti­vis­ta dos Di­rei­tos Hu­ma­nos

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.