COR­RUP­ÇÃO E PE­TRÓ­LEO

Folha 8 - - DESTAQUE -

Um po­lí­ti­co cor­rup­to cau­sa mais es­tra­gos pa­ra um po­vo do que uma bom­ba ató­mi­ca. E quan­do um país co­mo An­go­la tem cor­rup­tos em to­dos os can­tos e es­qui­nas do Go­ver­no e das su­as em­pre­sas, a des­trui­ção é to­tal. As su­as ac­ti­vi­da­des ne­fas­tas são mais si­len­ci­o­sas, não po­dem ser vis­tas a olho nu mui­tas ve­zes, mas os da­nos são mais se­ve­ros no lon­go pra­zo. Não é uma me­ra me­tá­fo­ra, bas­ta olhar o ca­so do Ja­pão que so­freu com 2 bom­bas ató­mi­cas na pri­mei­ra me­ta­de do sé­cu­lo XX, mas que em pou­cos anos con­se­guiu tor­nar-se e man­ter-se co­mo um país de­sen­vol­vi­do e umas das prin­ci­pais po­tên­ci­as eco­nó­mi­cas com al­to ní­vel de edu­ca­ção e de­sen­vol­vi­men­to tec­no­ló­gi­co. Ago­ra olhe­mos os paí­ses de Áfri­ca. Mui­tos de­les pos­su­em re­giões que pa­re­cem vi­ver ain­da no sé­cu­lo XIX. Es­ses paí­ses so­frem com as bom­bas ató­mi­cas di­a­ri­a­men­te e elas têm no­me: cor­rup­ção. E An­go­la pa­re­ce ser o país mais bom­bar­de­a­do do mun­do ac­tu­al­men­te e es­sas bom- bas têm um com­bus­tí­vel que as mo­ve: o pe­tró­leo. Pra­ti­ca­men­te to­da a re­cei­ta de An­go­la ad­vém das ac­ti­vi­da­des pe­tro­lí­fe­ras e to­dos sa­bem que a Sonangol tem pri­vi­lé­gi­os de ex­plo­ra­ção e de par­ce­ri­as na co­mer­ci­a­li­za­ção des­se com­bus­tí­vel fós­sil. E to­dos tam­bém sa­bem que a Sonangol é a fon­te de di­ver­sos es­que­mas de cor­rup­ção pa­ra fi­nan­ci­ar to­da a al­ta cú­pu­la po­lí­ti­ca e eco­nó­mi­ca do país e que não es­tá nem um pou­co pre­o­cu­pa­da com o bem-es­tar do po­vo an­go­la­no. Mes­mo com a gu­er­ra ci­vil que du­rou dé­ca­das e cei­fou a vi­da de mi­lha­res de ci­da­dãos, se An­go­la ti­ves­se uma só­li­da de­mo­cra­cia com po­lí­ti­cos re­al­men­te com­pro­me­ti­dos com o de­sen­vol­vi­men­to do país, a si­tu­a­ção hoje se­ria bem di­fe­ren­te. Quin­ze anos após a gu­er­ra ci­vil, o país ain­da se en­con­tra com ín­di­ces alar­man­tes de po­bre­za, des­nu­tri­ção, mor­ta­li­da­de in­fan­til e anal­fa­be­tis­mo. Em 15 anos mui­ta coi­sa já era pa­ra ter mu­da­do na prá­ti­ca se o di­nhei­ro pú­bli­co não fos­se des­vi­a­do pa­ra ali­men­tar ain­da mais a ri­que­za de meia dú­zia de pes­so­as. A fal­ta da de­mo­cra­cia ver­da­dei­ra, ou se­ja, do res­pei­to pe­las ma­ni­fes­ta­ções da po­pu­la­ção ci­vil, do es­tí­mu­lo a uma im­pren­sa li­vre e prin­ci­pal­men­te à li­ber­da­de de ex­pres­sar opi­niões po­lí­ti­cas di­ver­sas, so­ma­da ao frá­gil sis­te­ma eco­nó­mi­co de An­go­la pro­vo­ca efei­tos mui­to ne­ga­ti­vos no país. Não dá pra cha­mar de de­mo­cra­cia um país que tem um pre­si­den­te há 38 anos se­gui­dos, sem nun­ca ter si­do no­mi­nal­men­te elei­to, e que pren­de, es­pan­ca e ma­ta os ci­da­dãos que fa­zem opo­si­ção po­lí­ti­ca. A is­so cha­ma-se di­ta­du­ra, uma di­ta­du­ra que eles insistem ter tra­ços de de­mo­cra­cia, mas que é uma di­ta­du­ra mes­mo as­sim. E tam­bém não dá pa­ra di­zer que An­go­la tem uma só­li­da eco­no­mia, quan­do o país de­pen­de em 97% do pe­tró­leo pa­ra ge­rar re­cur­sos fi­nan­cei­ros, mas a in­dús­tria pe­tro­lí­fe­ra só em­pre­ga cer­ca de 0,5% da po­pu­la­ção. A cor­rup­ção é quem faz a pon­te en­tre es­ses dois elos: in­dús­tria pe­tro­lí­fe­ra ali­men­tan­do a de­si­gual­da­de no país, be­ne­fi­ci­an­do so­men­te a eli­te po­lí­ti­ca an­go­la­na. Ca­da re­cur­so que de­ve­ria ser usa­do pa­ra a cons­tru­ção de es­co­las, hos­pi­tais e obras de in­fra-es­tru­tu­ra, mas que são des­vi­a­dos pa­ra os bol­sos dos po­lí­ti­cos e em­pre­sá­ri­os, é uma bom­ba ató­mi­ca. A re­ve­la­ção mi­lhões de do­cu­men­tos pro­van­do uma teia de cor­rup­ção e la­va­gem de di­nhei­ro a ní­vel glo­bal cho­cou o mun­do. O al­to es­que­ma de la­va­gem de di­nhei­ro oca­si­o­nan­do o en­ri­que­ci­men­to ilí­ci­to de vá­ri­os po­lí­ti­cos e em­pre­sá­ri­os por meio de ra­mos offsho­res (co­mo a in­dús­tria pe­tro­lí­fe­ra) só mos­trou o quan­to os bi­li­o­ná­ri­os des­te pla­ne­ta são ga­nan­ci­o­sos e fa­zem qual­quer coi­sa pa­ra bur­lar a lei.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.