“PANAMÁ PAPERS”… LU­AN­DA

Folha 8 - - DESTAQUE -

O es­cân­da­lo que fi­cou co­nhe­ci­do co­mo “Panamá Papers”, pois te­ve co­mo pe­ça-cha­ve a em­pre­sa pa­na­mi­a­na, Mos­sack Fon­se­ca, te­ve a sua in­ves­ti­ga­ção con­du­zi­da ao lon­go de um ano pe­lo Con­sór­cio In­ter­na­ci­o­nal de Jor­na­lis­tas de In­ves­ti­ga­ção (In­ter­na­ti­o­nal Con­sor­tium of In­ves­ti­ga­ti­ve Jour­na­lists, ICIJ), pe­lo jor­nal ale­mão “Süd­deuts­che Zei­tung” e por mais de uma cen­te­na de ou­tros ór­gãos de co­mu­ni­ca­ção so­ci­al. Den­tre os no­mes di­vul­ga­dos de pre­si­den­tes e mi­nis­tros nas pri­mei­ras di­vul­ga­ções da in­ves­ti­ga­ção apa­re­ceu so­men­te um po­lí­ti­co dos paí­ses afri­ca­nos de lín­gua por­tu­gue­sa. Al­guém adi­vi­nha quem é? Se vo­cê pen­sou em Jo­sé Ma­ria Bo­te­lho de Vas­con­ce­los, mi­nis­tro do Pe­tró­leo de An­go­la, vo­cê acer­tou. E ele não foi ape­nas me­ra­men­te ci­ta­do não, na in­ves­ti­ga­ção o “rei do pe­tró­leo an­go­la­no” é des­ta­ca­do co­mo um dos prin­ci­pais agen­tes no es­que­ma de cor­rup­ção pe­lo car­go que ocu­pa e por sua vas­ta re­de de in­fluên­cia no mun­do pe­tro­lí­fe­ro. O fac­to é im­por­tan­te por­que le­gi­ti­ma o que vá­ri­os jor­na­lis­tas e ac­ti­vis­tas de An­go­la di­zem há anos: o ac­tu­al go­ver­no de Jo­sé Eduardo dos San­tos é al­ta­men­te cor­rup­to e uti­li­za a ca­deia do pe­tró­leo pa­ra dre­nar re­cur­sos em be­ne- fí­cio pró­prio. As in­ves­ti­ga­ções no país, co­mo as dos jor­na­lis­tas Wil­li­am Tonet e Ra­fa­el Mar­ques, são ti­das pe­lo go­ver­no co­mo in­tri­gas da opo­si­ção ou ile­gí­ti­mas, mas uma in­ves­ti­ga­ção co­mo a do “Panamá Papers”, re­ve­lan­do ao mun­do o que ver­da­dei­ra­men­te ocor­re em An­go­la, cor­ro­bo­ra ma­ci­ça­men­te com o que os an­go­la­nos e ob­ser­va­do­res es­tran­gei­ros vem afir­man­do ao lon­go dos anos: o pe­tró­leo do país dei­xou de fi­nan­ci­ar a gu­er­ra ci­vil pa­ra en­ri­que­cer uma no­va eli­te cor­rup­ta. E não é so­men­te o “bra­ço di­rei­to” do pre­si­den­te Eduardo dos San­tos que pa­re­ce es­tar en­vol­vi­do nas re­ve­la­ções do Panamá Papers, pois o Fun­do So­be­ra­no de An­go­la (FSDEA) que é ge­ri­do pe­lo seu fi­lho, Jo­sé Filomeno de Sou­sa dos San­tos, tam­bém es­tá li­ga­do a es­sa teia de cor­rup­ção glo­bal. O FDSEA, que tem as su­as re­cei­tas pro­ve­ni­en­tes da Sonangol (aí es­tá no­va­men­te a in­dús­tria pe­tro­lí­fe­ra e a fi­lha do Pre­si­den­te), já era al­vo de inú­me­ras sus­pei­tas de la­va­gem de di­nhei­ro, ne­po­tis­mo e ir­re­gu­la­ri­da­des fi­nan­cei­ras. Nas in­ves­ti­ga­ções di­vul­ga­das há um cla­ro in­dí­cio de la­va­gem de di­nhei­ro, on­de mi­lhões e mi­lhões de dó­la­res fo­ram in­ves­ti­dos no Ban­co Kwan­za sem pra­ti­ca­men­te ne­nhum sis- te­ma de trans­pa­rên­cia ou au­di­to­ria, e es­sas quan­ti­as fo­ram re­pas­sa­das a des­ti­na­tá­ri­os até en­tão des­co­nhe­ci­dos. Até quan­do es­sa si­tu­a­ção vai per­ma­ne­cer? É uma per­gun­ta de ex­tre­ma im­por­tân­cia que os ci­da­dãos an­go­la­nos de­vem ter em men­te, pois as bom­bas ató­mi­cas vão con­ti­nu­ar cain­do até que al­go se­ja fei­to. O for­ta­le­ci­men­to das ins­ti­tui­ções pú­bli­cas e dos pre­cei­tos da de­mo­cra­cia é um pas­so im­por­tan­te. Já que a eli­te po­lí­ti­ca e eco­nó­mi­ca de An­go­la não se pre­o­cu­pa com o po­vo, pa­re­ce que va­mos ter um lon­go ca­mi­nho até que a si­tu­a­ção aca­be.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.