AGRE­DIR JOR­NA­LIS­TAS ES­TÁ E ES­TA­RÁ NO ADN DO MPLA

Folha 8 - - DESTAQUE - TEX­TO DE JO­SÉ MAR­COS MAVUNGO (*)

Ojor­na­lis­ta Sal­guei­ro U. Vi­cen­te da Rá­dio Ecclesia foi agre­di­do por agen­tes de Se­gu­ran­ça na ma­nhã do dia 14 de Agos­to (tal co­mo o Fo­lha 8 no­ti­ci­ou pou­co tem­po de­pois), na Ba­se da Sonangol In­te­gra­ted Lo­gis­tics Ser­vi­ces (SO­NILS), no Bair­ro Bo­a­vis­ta, no Dis- tri­to Ur­ba­no do Sam­bi­zan­ga, quan­do es­ta­va em ser­vi­ço na­ci­o­nal pa­ra o jor­nal das 7. De­cor­ria uma re­por­ta­gem em di­rec­to so­bre a de­nún­cia fei­ta pe­los mo­ra­do­res do Bair­ro da Bo­a­vis­ta, dan­do con­ta de que sen­ti­am-se mal de­vi­do a ina­la­ção do gás ex­pe­li­do pe­la SO­NILS. De­pois de ter en­tre­vis­ta­do os po­pu­la­res so­bre os des­mai­os, a mais de 100 me­tros da por­ta da Ba­se da SO­NILS, o re­pór­ter da Rá­dio Ecclesia es­pe­ra­va por um se­gun­do apon­ta­men­to de re­por­ta­gem. Ten­do re­co­nhe­ci­do o Di­rec­tor da SO­NILS à dis­tân­cia, que se en­con­tra­va no pá­tio da em­pre­sa, Sal­guei­ro apres­sou-se a pe­dir au­to­ri­za­ção dos agen­tes de se­gu­ran­ça que se en­con­tra­vam no por­tão pa­ra que o per­mi­tis­sem en­trar, afim de ques­ti­o­nar o Di­rec­tor da Em­pre­sa so­bre as acu­sa­ções dos mu­ní­ci­pes e, as­sim, ter a ve­ra­ci­da­de dos fac­tos. Se­gun­do con­tou, foi sur­pre­en­di­do pe­lo em­pur­rão, mes­mo an­tes de ob­ter a res­pos­ta. “Pe­di per­mis­são aos agen­tes po­li­ci­ais no por­tão pa­ra en­trar afim de ou­vir o Di­rec­tor, es­tes co­me­ça­ram lo­go a agre­dir-me, em­pur­ra­ram-me sim­ples­men­te pa­ra não me dei­xar pas­sar e co­me­ça­ram lo­go a agre­dir-me”, de­cla­rou à Rá­dio Ecclesia. Ten­tou re­a­gir com pa­la­vras, mas con­ti­nu­a­ram a agre­di-lo. Se­gun­do o jor­na­lis­ta Pe­dro Te­ca, do Fo­lha 8, Sal­guei­ro Vi­cen­te foi so­cor­ri­do pe­la po­pu­la­ção no lo­cal pa­ra evi­tar o pi­or – tal­vez ser mor­to. Sal­guei­ro re­compôs-se e per­ma­ne­ceu na lo­ca­li­da­de a re­co­lher da­dos so­bre os des­mai­os. A re­por­ta­gem foi emi­ti­da em di­rec­to pe­la Rá­dio Ecclesia no jor­nal da tar­de. Nes­tes úl­ti­mos di­as tor­na­ram-se fre­quen­tes as in­ti­mi­da­ções e agres­sões con­tra jor­na­lis­tas e ci­da­dãos da opo­si­ção por agen­tes de se­gu­ran­ça ou des­co­nhe­ci­dos. Jo­sé de Be­lém, tam­bém re­pór­ter da Rá­dio Ecclesia pu­bli­cou no Fa­ce­bo­ok um “gri­to de so­cor­ro” es­ta se­gun­da-fei­ra, 14 de

Agos­to, à En­ti­da­de Re­gu­la­do­ra da Co­mu­ni­ca­ção So­ci­al em An­go­la (ERCA), ao Sin­di­ca­to de Jor­na­lis­tas de An­go­la (SJA), e à União dos Jor­na­lis­tas de An­go­la (UJA) no sen­ti­do de to­ma­rem po­si­ção pú­bli­ca so­bre a agres­são a um co­le­ga. Car­los Al­ber­to, ou Bru­xo Ra­e­lia Al­ber­to no Fa­ce­bo­ok, mem­bro da ERCA re­a­giu ao “gri­to de so­cor­ro” de Jo­sé de Be­lém di­zen­do: “E por que ele não faz quei­xa con­tra os agres­so­res?! A Po­lí­cia exis­te pa­ra is­so tam­bém. É um pro­ble­ma de Po­lí­cia, não é da ERCA, sal­vo me­lhor en­ten­di­men­to. Se a ale­ga­da agres­são acon­te­ceu, é con­tes­tá­vel a to­dos os ní­veis. O co­le­ga Sal­guei­ro U. Vi­cen­te de­ve se­guir os pro­ce­di­men­tos le­gais pa­ra fa­zer vin­car os seus di­rei­tos.” Ob­ser­ve-se, de en­tre as atri­bui­ções da ERCA, cons­ta a de as­se­gu­rar o li­vre exer­cí­cio do di­rei­to à in­for­ma­ção e à li­ber­da­de de im­pren­sa (art. 8.º, al. a). Fa­ce à fla­gran­te vi­o­la­ção des­tes dois di­rei­tos, a re­ac­ção de Car­los Al­ber­to, ou Bru­xo Ra­e­lia Al­ber­to, só po­de ser en­ten­di­da co­mo sen­do a de um ele­men­to li­ga­do ao par­ti­do no po­der, aliás o ca­rác­ter do seu che­fe Luís Fer­nan­do de­mons­tra is­so, mi­li­tan­te con­vic­to do MPLA. “O jor­na­lis­ta Sal­guei­ro U. Vi­cen­te de­ve­ria se­guir os pro­ce­di­men­tos le­gais pa­ra fa­zer vin­car os seus di­rei­tos”. O Sin­di­ca­to dos Jor­na­lis­tas An­go­la­nos (SJA) exi­giu ao Co­man­do Pro­vin­ci­al da Po­lí­cia de Lu­an­da que se in­ves­ti­gue e se res­pon­sa­bi­li­ze o agen­te que agre­diu o jor­na­lis­ta da Rá­dio Ecclesia, Sal­guei­ro Vi­cen­te. Po­rém, des­de o lan­ça­men­to da cam­pa­nha elei­to­ral, as res­pos­tas dos ór­gãos de Ad­mi­nis­tra­ção da Jus­ti­ça e da Or­dem Pú­bli­ca têm si­do ca­da vez mais eva­si­vas e com­pro­me­te­do­ras no to­can­te às re­cla­ma­ções da de jor­na­lis­tas e dos ci­da­dãos da opo­si­ção, sua de­pen­dên­cia ao re­gi­me “en pla­ce” obri­ga. “Se­rá que es­te ca­so vai fi­car tam­bém im­pu­ne?”, in­ter­ro­ga-se a jor­na­lis­ta Su­za­na Men­des? (*) Ac­ti­vis­ta dos Di­rei­tos Hu­ma­nos

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.