DAS CO­PAS DAS ÁR­VO­RES

Folha 8 - - POLÍTICA -

O MPLA tem de fac­to no seu ADN o fe­nó­me­no tí­pi­co dos co­bar­des que é o de ati­rar a pe­dra e es­con­der a pa­ta. Um dia des­tes lá va­mos ver, vol­tar a ver, o seu Bo­le­tim Ofi­ci­al (Jor­nal de An­go­la) a cri­ti­car, em edi­to­ri­al, o es­ta­do das re­la­ções com Por­tu­gal, apro­vei­tan­do pa­ra cri­ti­car for­te e fei­to, pe­las cos­tas, João So­a­res não só pe­lo que ele pen­sa e diz mas, tam­bém, por ser fi­lho de Má­rio So­a­res. Pre­pa­re­mo-nos pa­ra ler um no­vo edi­to­ri­al, tal­vez in­ti­tu­la­do “Con­tor­nos de uma cons­pi­ra­ção”, em que o re­gi­me vol­ta­rá a en­xo­va­lhar o “fi­lho de Má­rio So­a­res” (co­mo se es­te não ti­ves­se no­me), des­car­re­gan­do ne­le to­do o ódio ge­ra­do por um sí­mio e atá­vi­co com­ple­xo de in­fe­ri­o­ri­da­de re­la­ti­vo a Má­rio So­a­res. “A mes­ma per­so­na­gem per­cor­re os ca­nais de te­le­vi­são por­tu­gue­ses dis­pa­ran­do in­sul­tos e ca­lú­ni­as con­tra ti­tu­la­res dos ór­gãos de so­be­ra­nia de An­go­la. Afir­ma rei­te­ra­da­men­te que os in­ves­ti­men­tos an­go­la­nos em Por­tu­gal pro­vêm de fun­dos rou­ba­dos. Fa­la em ‘clep­to­cra­tas de Lu­an­da’ com a mai­or des­fa­ça­tez. E nun­ca se es­que­ce de lem­brar a sua con­di­ção de mem­bro do CFSIRP (Con­se­lho de Fis­ca­li­za­ção do Sis­te­ma Ser­vi­ços de In­for­ma­ções da Re­pú­bli­ca Por­tu­gue­sa) pa­ra chan­ce­lar as su­as men­ti­ras e ca­lú­ni­as”, apon­ta­va um edi­to­ri­al do Bo­le­tim Ofi­ci­al do re­gi­me de Jo­sé Eduardo dos San­tos, de No­vem­bro de 2014. Cons­tou na al­tu­ra, hi­pó­te­se que não se con­cre­ti­zou, que João So­a­res, mes­mo es­tan­do lon­ge dos ja­ca­rés do Ben­go, pa­ra além de re­for­çar a sua se­gu­ran­ça pes­so­al es­ta­va a pen­sar re­fu­gi­ar-se na… Jam­ba. Acres­cen­ta­va o pas­quim, que um “de­pu­ta­do da Na­ção [por­tu­gue­sa] que se en­tre­tém di­a­ri­a­men­te a cha­mar la­drões aos ti­tu­la­res dos ór­gãos de so­be­ra- nia em An­go­la” sem que “os seus pa­res” se “de­mar­quem de tão gra­ves cri­mes”, é “evi­den­te que es­tá man­da­ta­do pa­ra as­sim pro­ce­der”. La­drões? Cons­tou igual­men­te na al­tu­ra que os la­drões que es­ta­vam de­ti­dos nas ca­dei­as de Por­tu­gal iam, tam­bém eles, in­ten­tar uma ac­ção ju­di­ci­al con­tra o Jor­nal de An­go­la por ofen­sa ao seu bom no­me ao se­rem com­pa­ra­dos aos seus “ho­mó­lo­gos” do re­gi­me de Eduardo dos San­tos. “E não ve­nham di­zer-nos que es­ta­mos pe­ran­te o exer­cí­cio da li­ber­da­de de ex­pres­são. Não fa­çam de nós in­di­gen­tes men­tais. O fi­lho de Má­rio So­a­res, de­pu­ta­do do Par­ti­do So­ci­a­lis­ta, es­tá a exer­cer aqui­lo que ele con­si­de­ra ser o seu di­rei­to de cons­pi­ra­ção con­tra An­go­la. To­dos es­tes dis­la­tes ul­tra­pas­sam o me­ro exer­cí­cio do di­rei­to a emi­tir opi­niões. A li­ber­da­de de ex­pres­são tem li­mi­tes. E no ca­so do fis­ca­li­za­dor do SIS, es­ses li­mi­tes são ain­da mais es­trei­tos”, en­fa­ti­za­va o edi­to­ri­al do Bo­le­tim Ofi­ci­al, es­cri­to por al­guém do Bu­re­au Po­lí­ti­co do Co­mi­té Cen­tral do MPLA e assinado por um dos seus si­pai­os, cer­ta­men­te con­vic­to que, por es­sa via, che­ga­ria a che­fe de pos­to. De­fen­dia o “Avan­te” do MPLA que, “sem­pre que o fi­lho de Má­rio So­a­res fa­la em di­nhei­ro ile­gal ex­por­ta­do de An­go­la, de la­drões, de cor­rup­tos e clep­to­cra­tas”, a opi­nião pú­bli­ca por­tu­gue­sa “acre­di­ta por­que pen­sa que ele tem in­for­ma­ções se­cre­tas for­ne­ci­das pe­los ser­vi­ços se­cre­tos que é su­pos­to fis­ca­li­zar”. Na­da dis­so. A opi­nião pú­bli­ca por­tu­gue­sa, co­mo a an­go­la­na, acre­di­ta por­que sa­be que é ver­da­de. Ape­nas por is­so. “Nós sa­be­mos que não. Tu­do o que ele diz são men­ti­ras e ca­lú­ni­as. To­das as su­as afir­ma­ções são pe­ças da cons­pi­ra­ção que o mi­nis­tro do In­te­ri­or [de An­go­la] de­nun­ci­ou. Dis­so não te­mos dú­vi­das”, lê-se num tex­to não assinado e que, ori­gi­nal­men­te, te­rá ti­do a im­pres­são di­gi­tal do au­tor, con­se­gui­da atra­vés das ve­lhas téc­ni­cas co­lo­ni­ais usa­das por quem não sa­bia as­si­nar. Num se­gun­do edi­to­ri­al con­se­cu­ti­vo em que alu­dia a es­tas “ame­a­ças” ao “re­gi­me de­mo­crá­ti­co” an- go­la­no e à in­ter­fe­rên­cia de sec­to­res por­tu­gue­ses, o Bo­le­tim Ofi­ci­al do MPLA afir­ma­va que re­cen­tes “cum­pli­ci­da­des” tor­na­das pú­bli­cas, no­me­a­da­men­te com a Ope­ra­ção La­bi­rin­to e o en­vol­vi­men­to de res­pon­sá­veis do Ser­vi­ço de In­for­ma­ções de Se­gu­ran­ça (SIS), “são in­qui­e­tan­tes e exi­gem um es­cla­re­ci­men­to ur­gen­te por par­te das au­to­ri­da­des de Lis­boa”. “A Ope­ra­ção La­bi­rin­to em Por­tu­gal le­vou à de­ten­ção de al­tas fi­gu­ras do Es­ta­do. Mas tam­bém trou­xe à luz do dia uma si­tu­a­ção in­só­li­ta em qual­quer par­te do mun­do, mes­mo no país do fi­lho de Má­rio So­a­res, da fi­lha do se­nhor Go­mes, de­pu­ta­da eu­ro­peia do Par­ti­do So­ci­a­lis­ta, ou do fi­lho do se­nhor Lou­çã, lí­der es­con­di­do do Blo­co de Es­quer­da”, lia-se no mes­mo tex­to. Ao me­nos, o pas­quim sa­be quem são os pais dos vi­sa­dos. Is­so, con­tu­do, não acon­te­ce com os mer­ce­ná­ri­os do Jor­nal de An­go­la, al­guns re­cen­te­men­te saí­dos das co­pas das ár­vo­res di­rec­ta­men­te pa­ra as la­tri­nas que guar­dam os res­tos da ga­me­la do po­der, com Jo­sé Ri­bei­ro à ca­be­ça. Fa­ce à ale­ga­da in­ter­ven­ção do SIS no ca­so dos vis­tos gold, re­cor­da­da pe­lo jor­nal do MPLA, o edi­to­ri­al in­sur­gia-se: “Nós te­mos o di­rei­to de sus­pei­tar que os mes­mos ser­vi­ços var­rem o quin­tal dos ami­gos e ati­ram com o li­xo pa­ra a por­ta de An­go­la, ser­vin­do-se do li­vre aces­so do fi­lho de Má­rio So­a­res a to­dos os ca­nais de te­le­vi­são por­tu­gue­sa”. Têm es­se di­rei­to. Têm, aliás, di­rei­tos que ne­gam aos ou­tros. Mas is­so é mes­mo as­sim quan­do se vi­ve nu­ma es­pé­cie de so­ci­a­lis­mo de san­za­la, co­mo di­ria o ilus­trís­si­mo ba­ju­la­dor, si­paio con­de­co­ra­do e mer­ce­ná­rio de hon­ra, Ar­tur Qu­ei­roz. O edi­to­ri­al ter­mi­na­va com uma ga­ran­tia: “Uma coi­sa é cer­ta: qual­quer ata­que con­tra o re­gi­me de­mo­crá­ti­co es­tá vo­ta­do ao fra­cas­so”. Bem vis­to. Por mui­to que is­so cus­te aos fi­lhos da… mãe Ri­bei­ro, Qu­ei­roz, Car­va­lho e su­ce­dâ­ne­os, se o re­gi­me an­go­la­no é de­mo­crá­ti­co, o “que­ri­do lí­der” Kim Jong-un é um pa­ra­dig­ma da li­ber­da­de, da trans­pa­rên­cia e– é cla­ro – da de­mo­cra­cia.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.