“DÁ SÓ 100”. O VERGONHOSO ES­PE­LHO DO RE­GI­ME DO MPLA

Folha 8 - - NACIONAL -

No cen­tro de Lu­an­da, ca­pi­tal an­go­la­na e pro­vín­cia com qua­se se­te mi­lhões de ha­bi­tan­tes, é ca­da vez mais vi­sí­vel o nú­me­ro de por­ta­do­res de de­fi­ci­ên­cia, de­sem­pre­ga­dos, que bus­cam por es­mo­las, quei­xan­do-se da de­sa­ten­ção das au­to­ri­da­des. São cri­an­ças, jo­vens, adul­tos até mes­mo ido­sos, fa­cil­men­te iden­ti­fi­ca­dos por en­tre o caó­ti­co trân­si­to de Lu­an­da, mer­ca­dos ou mes­mo nas pa­ra­gens de tá­xi que, com as mãos es­ten­di­das e mui­tos em ca­dei­ras de ro­das, acom­pa­nha­dos dos fi­lhos, lan­çam a quem pas­sa o já ‘tra­di­ci­o­nal’ ape­lo: “Dá só 100 [kwan­zas, 50 cên­ti­mos de eu­ro]”. É ca­so de Al­ber­to Ki­to, de 35 anos, por­ta­dor de de­fi­ci­ên­cia e de­sem­pre­ga­do, há qua­tro anos a so­bre­vi­ver de es­mo­las por en­tre os se­má­fo­ros da zo­na da igre­ja da Sa­gra­da Fa­mí­lia, no cen­tro de Lu­an­da. “Es­tou aqui na rua a pe- dir es­mo­las por­que, de­vi­do ao so­fri­men­to, não tra­ba­lho, não te­nho o que fa­zer pa­ra me sus­ten­tar, por is­so pe­ço es­mo­las às pes­so­as que por aqui cir­cu­lam pa­ra ver se con­si­go qual­quer coi­sa pa­ra co­mer”, ex­pli­cou, ca­bis­bai­xo. De ca­dei­ra de ro­das ru­di­men­tar, es­te ex-bas­que­te­bo­lis­ta pa­ra­lím­pi­co, pro­ve­ni­en­te da pro­vín­cia do Hu­am­bo, con­ta que vi­ve num quar­to on­de pa­ga ren­da men­sal de 3.000 kwan­zas (15,30 eu­ros) e que na rua po­de con­se­guir en­tre 500 e 2.000 kwan­zas (2,50 a 10 eu­ros) por dia. “De­pen­de mui­to do dia e da boa von­ta­de das pes­so­as que pas­sam, o bo­ca­do que con­si­go aqui fa­ço al­gu­mas eco­no­mi­as e no fim do mês fa­ço o ba­lan­ço. Po­de che­gar mes­mo aos 10.000 kwan­zas [50 eu­ros] e aí con­si­go pa­gar a ren­da de ca­sa e com­prar co­mi­da e rou­pa”, ex­pli­cou. Sem qual­quer for­ma­ção pro­fis­si­o­nal e com o en­si­no mé­dio con­cluí­do, Al­ber­to Ki­to diz que não con­se­guiu in­gres­sar na uni­ver­si­da­de por fal­ta de con­di­ções e de apoi­os. “Já ba­te­mos a vá­ri­as por­tas e es­ta­mos can­sa­dos pe­la fal­ta de sen­si­bi­li­da­de de mui­tas au­to­ri­da­des, por­que já fa­la­mos tan­to e na­da. Não te­nho ca­sa, em­pre­go, não te­nho na­da. Pe­di­mos tan­to e na­da re­sul­tou”, la­men­tou.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.