ES­TA­MOS A SO­FRER MUI­TO, MUI­TO

Folha 8 - - NACIONAL -

No mes­mo tom de de­sa­len­to fa­la Mar­ce­li­na Adão, de 55 anos, tam­bém por­ta­do­ra de de­fi­ci­ên­cia que há seis anos pe­de es­mo­las na mes­ma zo­na de Lu­an­da, on­de ‘vi­ve’ de se­gun­da a sex­ta-fei­ra. “Sou viú­va, vi­vo com os meus três fi­lhos que tam­bém não têm em­pre­go e pa­ra me aju­dar ape­nas fa­zem al­guns bis­ca­tes. Sou ca­tó­li­ca, re­zo e dur­mo aqui na igre­ja da Sa­gra­da Fa­mí­lia du­ran­te 4 di­as e de­pois re­gres­so a ca­sa”, re­ve­lou. Mar­ce­li­na Adão diz ser cos­tu­rei­ra de “blu­sas e sa­cos de pão” e con­fes­sa que “gos­ta­va ape­nas” de ter uma má­qui­na de cos­tu­ra “pa­ra re­me­di­ar a vi­da”, por es­tar can­sa­da de pe­dir es­mo­las. “Es­ta­mos a so­frer, o nos­so dia aqui na rua é mui­to di­fí­cil, ou­tros nos dão más res­pos­tas e di­zem coi­sas mui­to cho­can­tes”, de­sa­ba­fou, nu­ma pau­sa en­tre os pe­di­dos que vai fa­zen­do aos au­to­mo­bi­lis­tas sem­pre que o si­nal ver­me­lho do se­má­fo­ro es­tá li­ga­do. Ali pró­xi­mo, no em­ble­má­ti­co lar­go do 1.º de Maio, o ce­ná­rio é idên­ti­co. É lá que Gas­par Pe­dro, de 28 anos e tam­bém por­ta­dor de de­fi­ci­ên­cia, ten­ta “fa­zer pe­la vi­da”, quei­xan­do-se igual­men­te da fal­ta de apoio das as­so­ci­a­ções do sec­tor. “Di­zem que dão apoi­os aos de­fi­ci­en­tes, mas nós aqui nun­ca vi­mos na­da. Daí pre­ci­sa­mos de uma as­so­ci­a­ção sé­ria, aqui vá­ri­as ve­zes apa­re­cem pes­so­as a nos cri­ti­car por es­tar­mos aqui a pe­dir es­mo­las”, con­fes­sa. Há um ano a pe­dir aju­da nas ru­as de Lu­an­da, afir­ma que atra­ves­sa vá­ri­as di­fi­cul­da­des e que pou­co que re­ce­be das “pes­so­as de bom sen­so” não che­ga pa­ra pa­gar as des­pe­sas. “Mui­tos aqui até ma­ni­fes­tam von­ta­de de aju­dar, mas tam­bém se quei­xam da cri­se e en­tão na­da con­se­guem nos dar. Uma cri­se que ape­nas afec­tou a nós, que so­mos po­bres e es­ta­mos a so­frer”, ati­rou. Com o sex­to ano de es­co­la­ri­da­de e sem pos­si­bi­li­da­des pa­ra dar sequên­cia aos es­tu­dos, Gas­par Pe­dro quei­xa-se ain­da que a dis­cri­mi­na­ção ge­ral à pes­soa por­ta­do­ra de de­fi­ci­ên­cia em An­go­la. “Ape­nas es­tou aqui de­vi­do as di­fi­cul­da­des que atra­ves­sa­mos. Aque­las pes­so­as que acham que po­dem aju­dar aju­dam e ou­tras ape­nas olham e na­da di­zem”, la­men­tou. A Lusa no­ti­ci­ou em Abril que mais de 50 pes­so­as por­ta­do­ras de de­fi­ci­ên­cia pro­cu­ra­vam di­a­ri­a­men­te por aju­da nas ins­ta­la­ções de Lu­an­da da As­so­ci­a­ção Na­ci­o­nal dos De­fi­ci­en­tes An­go­la­nos (AN­DA), com o seu pre­si­den­te a as­su­mir es­tar “pre­o­cu­pa­do” com a si­tu­a­ção. Sil­va Lo­pes Eti­am­bu­lo apon­tou a “in­ca­pa­ci­da­de da ins­ti­tui­ção” em res­pon­der à de­man­da e fez sa­ber que a bus­ca por uma re­si­dên­cia e um em­pre­go li­de­ram a lis­ta as pre­o­cu­pa­ções dos de­fi­ci­en­tes em Lu­an­da. De acor­do com o res­pon­sá­vel, a ins­ti­tui­ção que di­ri­ge con­tro­la mais de 49.000 pes­so­as com de­fi­ci­ên­cia cu­ja si­tu­a­ção “con­ti­nua ser pre­o­cu­pan­te”, com gran­de par­te des­tes trans­for­ma­dos em “men­di­gos”, pe­las ru­as da ca­pi­tal an­go­la­na.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.