IN­FLA­ÇÃO ANU­AL JÁ VAI NOS 27%

Folha 8 - - ECONOMIA -

OA ta­xa de in­fla­ção em An­go­la in­ver­teu em Ju­lho qua­se meio ano de que­bras men­sais con­se­cu­ti­vas, au­men­tan­do 1,69%, mas com o acu­mu­la­do a 12 me­ses a bai­xar pa­ra 27%, ain­da pra­ti­ca­men­te o do­bro das pre­vi­sões do Go­ver­no pa­ra 2017. De acor­do com o re­la­tó­rio men­sal do Ins­ti­tu­to Na­ci­o­nal de Es­ta­tís­ti­ca (INE) an­go­la­no so­bre o com­por­ta­men­to da in­fla­ção, os pre­ços su­bi­ram de Ju­nho pa­ra Ju­lho 1,69%, con­tra os au­men­tos de 1,52% em Ju­nho, 1,60% em maio, 1,80% em Abril, e os 1,91% em Mar­ço. O pi­co da in­fla­ção men­sal em An­go­la nos úl­ti­mos anos re­gis­tou-se em Ju­lho de 2016, quan­do, no es­pa­ço de um mês, se­gun­do o INE, os pre­ços re­gis­ta­ram um au­men­to mé­dio de 4%. En­tre Ja­nei­ro e De­zem­bro de 2016 (12 me­ses) os pre­ços em An­go­la su­bi­ram pra­ti­ca­men­te 42%, se­gun­do os re­la­tó­ri­os an­te­ri­o­res do INE com o Ín­di­ce de Pre­ços no Con­su­mi­dor Na­ci­o­nal (IPCN). Nos úl­ti­mos 12 me­ses, até Ju­nho, a in­fla­ção acu­mu­la­da ti­nha des­ci­do pa­ra 30,5%, re­gis­tan­do em Ju­lho no­va que­bra (acu­mu­la­da), pa­ra 27,29%. A su­bi­da de pre­ços em Ju­nho foi in­flu­en­ci­a­da so­bre­tu­do pe­los sec­to­res “Bens e Ser­vi­ços Di­ver­sos”, com 3,08%, “Mo­bi­liá­rio, Equi­pa­men­to Do­més­ti­co e Ma­nu­ten­ção”, com 2,83%, “Ves­tuá­rio e Cal­ça­do”, com 2,74%, e “Be­bi­das Al­coó­li­cas e Ta­ba­co”, com 2,24%. O va­lor da in­fla­ção a um ano é ain­da mais do do-

bro da pre­vi­são de 15,8% pa­ra o pe­río­do en­tre Ja­nei­ro e De­zem­bro que o Go­ver­no ins­cre­veu no Or­ça­men­to Ge­ral do Es­ta­do de 2017. Des­de Se­tem­bro de 2014, e até fi­nal de 2016, que a in­fla­ção em An­go­la não pa­ra­va de au­men­tar, acom­pa­nhan­do o agra­va­men­to da cri­se eco­nó­mi­ca, fi­nan­cei­ra e cam­bi­al de­cor­ren­te da que­bra na co­ta­ção in­ter­na­ci­o­nal do bar­ril de pe­tró­leo bru­to, o que fez dis­pa­rar o cus­to no­me­a­da­men­te dos ali­men­tos. As su­bi­das de pre­ços no úl­ti­mo mês fo­ram li­de­ra­das pe­las pro­vín­ci­as de Ben­gue­la (2,15%), Zai­re (2,10%), Cu­ne­ne (2,06%), Lun­da Nor­te (1,99%) e Mo­xi­co (1,96%), en­quan­to na po­si­ção opos­ta fi­gu­ra­ram as pro­vín­ci­as de Huíla (1,16%), Hu­am­bo e Bié (1,20%), Ca­bin­da (1,30%) e Ben­go (1,60%). Em Lu­an­da, con­si­de­ra­da uma das ca­pi­tais mais ca­ras do mun­do, os pre­ços su­bi­ram de Ju­nho e Ju­lho 1,77%. O che­fe da mis­são do Fun­do Mo­ne­tá­rio In­ter­na­ci­o­nal (FMI) pa­ra An­go­la, Ri­car­do Vel­lo­so, aler­tou a 22 de Mar­ço, em Lu­an­da, pa­ra a ne­ces­si­da­de de me­di­das que aju­dem a di­mi­nuir a ele­va­da in­fla­ção que o país ain­da apre­sen­ta. Fa­lan­do aos jor­na­lis­tas após um en­con­tro com o mi­nis­tro das Fi­nan­ças, Ar­cher Man­guei­ra, com vis­ta à pre­pa­ra­ção das con­sul­tas anu­ais ao abri- go do ar­ti­go IV, o che­fe do FMI pa­ra An­go­la des­ta­cou que a in­fla­ção an­go­la­na “ain­da es­tá mui­to re­si­li­en­te”, ape­sar das “po­lí­ti­cas mui­to im­por- tan­tes” apli­ca­das nos úl­ti­mos me­ses pe­lo Ban­co Na­ci­o­nal de An­go­la (BNA). A pre­o­cu­pa­ção ac­tu­al do FMI man­tém-se à vol­ta da ne­ces­si­da­de de re­lan­çar o cres­ci­men­to eco­nó­mi­co an­go­la­no “de uma ma­nei­ra du­ra­dou­ra pa­ra os pró­xi­mos anos”, além de bai­xar a in­fla­ção men­sal dos ac­tu­ais 2% a 2,5% ao mês pa­ra “ní­veis mais acei­tá­veis”, bem co­mo so­bre “co­mo con­ti­nu­ar a re­for­çar o sis­te­ma ban­cá­rio e fi­nan­cei­ro do país”, ex­pli­cou o economista. Pa­ra Ri­car­do Vel­lo­so, a re­ti­ra­da de cir­cu­la­ção de mo­e­da na­ci­o­nal que o BNA tem vin­do a re­a­li­zar é uma das me­di­das po­si­ti­vas, por ter re­per­cus­sões tam­bém ao ní­vel do cor­te nas ta­xas de câm­bio no mer­ca­do pa­ra­le­lo, que per­ma­ne­cem qua­se três ve­zes aci­ma do va­lor ofi­ci­al. “É uma me­di­da mui­to im­por­tan­te, que aju­da no con­tro­lo da in­fla­ção e aju­da a re­du­zir o di­fe­ren­ci­al en­tre a ta­xa de câm­bio do mer­ca­do de rua e a ta­xa ofi­ci­al”, des­ta­cou o che­fe da mis­são do FMI.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.