EU NÃO VO­TO EM JOÃO LOU­REN­ÇO

Folha 8 - - CRÓNICA - Fon­te: ob­ser­va­dor.pt JO­SÉ MILHAZES

Acre­di­tar na jus­ti­ça so­ci­al em An­go­la é o mes­mo que acre­di­tar no “con­to de fa­das” so­bre a Isa­be­li­nha, que co­me­çou a vi­da a ven­der ovos e hoje é a mu­lher mais ri­ca de Áfri­ca. Des­de há uns tem­pos pa­ra cá que re­ce­bo com gran­de re­gu­la­ri­da­de na mi­nha cai­xa de cor­reio elec­tró­ni­co pro­pa­gan­da do MPLA pa­ra vo­tar no seu can­di­da­to a Pre­si­den­te de An­go­la: João Lou­ren­ço. Não sei qual se­rá a ra­zão des­tes es­for­ços da pro­pa­gan­da do MPLA pa­ra con­quis­tar o meu vo­to pa­ra o seu can­di­da­to no es­cru­tí­nio de 23 de Agos­to, pois não fui, nem sou ci­da­dão an­go­la­no, nem co­nhe­ço an­te­pas­sa­dos meus que por aí te­nham pas­sa­do. O que me li­ga a es­se país lu­só­fo­no são al­guns ami­gos e os li­vros que es­cre­vi so­bre as re­la­ções en­tre a União So­vié­ti­ca/rús­sia e so­bre o “gol­pe de Ni­to Al­ves”. Mas por­que a má­qui­na pro­pa­gan­dís­ti­ca do MPLA tan­to in­sis­te, eu res­pon­do que, mes­mo que ti­ves­se di­rei­to a vo­to em An­go­la, João Lou­ren­ço não se­ria de lon­ge o meu fa­vo­ri­to, não obs­tan­te as gran­des pro­mes­sas que faz. O pan­fle­to elec­tró­ni­co do MPLA apre­sen­ta dez ra­zões pa­ra vo­tar no seu can­di­da­to, mas to­das elas são fal­sas e não lem­bra­ri­am se­quer ao di­a­bo ci­tá-las. A pri­mei­ra re­za que “O MPLA é o par­ti­do de to­dos os an­go­la­nos”, o que acon­te­ceu du­ran­te mui­to tem­po à cus­ta de uma gu­er­ra ci­vil cru­el e do apoio ex­ter­no. Hoje, se qui­ser­mos as­sis­tir a elei­ções li­vres, de­ve­rão ha­ver an­go­la­nos que não se re­ve­jam nes­sa pa­la­vra de or­dem, com “for­te chei­ro” a mar­xis­mo-le­ni­nis­mo. Va­mos acei­tar co­mo ver­da­dei­ra a se­gun­da ra­zão: “O MPLA é o par­ti­do his­tó­ri­co e vi­to­ri­o­so”. Não se po­de ne­gar que es­sa for­ça po­lí­ti­ca com­ba­teu con­tra o co­lo­ni­a­lis­mo por­tu­guês, ven­ceu na gu­er­ra ci­vil con­tra a UNITA e irá ven­cer as elei­ções por­que se tra­ta de um es­cru­tí­nio que fi­ca­rá lon­ge das ra­zões pro­me­ti­das a se­guir. No pon­to 5 do di­to pan­fle­to, afir­ma-se que “O MPLA é o par­ti­do da go­ver­na­ção mo­der­na e trans­pa­ren­te”, o que é des­men­ti­do por fac­tos e nú­me­ros. De que trans­pa­rên­cia se po­de fa­lar num dos paí­ses mais cor­rup­tos do mun­do, on­de a “ga­so­sa” é uma “ins­ti­tui­ção na­ci­o­nal”? De que trans­pa­rên­cia se po­de fa­lar num país on­de se proí­be a trans­mis­são de al­gu­mas te­le­vi­sões por­tu­gue­sas só por­que os di­ri­gen­tes do MPLA não gos­tam das no­tí­ci­as? Di­zer que “O MPLA é o Par­ti­do do de­sen­vol­vi­men­to eco­nó­mi­co e so­ci­al” e “o Par­ti­do da ci­da­da­nia e da jus­ti­ça so­ci­al” nem se­quer é ten­tar “es­con­der o Sol com uma pe­nei­ra”, mas re­cor­rer à de­ma­go­gia mais ba­ra­ta. De que de­sen­vol­vi­men­to eco­nó­mi­co e so­ci­al se po­de fa­lar quan­do ape­nas uma pe­que­na eli­te vi­ve “à gran­de e à fran­ce­sa” e a mai­o­ria do po­vo vi­ve na pi­or das mi­sé­ri­as? Ou se­rá que a mai­o­ria dos an­go­la­nos já têm mei­os pa­ra com­prar pro­pri­e­da­des e vis­tos gold em Por­tu­gal? Acre­di­tar na jus­ti­ça so­ci­al em An­go­la é o mes­mo que acre­di­tar no “con­to de fa- das” so­bre a Isa­be­li­nha, que co­me­çou a vi­da a ven­der ovos e hoje é a mu­lher mais ri­ca de Áfri­ca. Quan­to à ci­da­da­nia, ve­jo-a en­tre aque­les an­go­la­nos que lu­tam con­tra o po­der ab­so­lu­to e a re­pres­são do MPLA, por elei­ções ver­da­dei­ra­men­te trans­pa­ren­tes e de­mo­crá­ti­cas: Lu­aty Beirão e ou­tros com­pa­nhei­ros seus, for­ças po­lí­ti­cas da opo­si­ção que par­ti­ci­pam nas elei­ções pa­ra mu­dar o país mes­mo em con­di­ções de­si­guais. Por is­so, tam­bém não acre­di­to que “O MPLA é o par­ti­do do fu­tu­ro pre­vi­sí­vel e se­gu­ro” e que é “O Par­ti­do do can­di­da­to cer­to, na ho­ra cer­ta, pa­ra o vo­to cer­to”. A não ser que o ge­ne­ral João Lou­ren­ço, que es­tu­dou na Aca­de­mia Po­lí­ti­co-Mi­li­tar Le­ni­ne de Mos­co­vo, se­ja mais com­pe­ten­te e di­a­lo­gan­te do que aque­le que o no­me­ou pa­ra seu su­ces­sor, o Pre­si­den­te Jo­sé Eduardo dos San­tos, que tam­bém es­tu­dou na União So­vié­ti­ca. Tal­vez a his­tó­ria da der­ro­ca­da des­te país, cu­ja sub­sis­tên­cia se de­via à ex­por­ta­ção de gás e pe­tró­leo, te­nha en­si­na­do al­gu­ma coi­sa ao can­di­da­to do MPLA. Di­to is­to, que­ro su­bli­nhar que o des­ti­no es­tá nas mãos dos an­go­la­nos e só a eles com­pe­te ele­ger os seus fu­tu­ros di­ri­gen­tes. Es­cre­vi es­te tex­to ape­nas por­que fui con­vi­da­do a vo­tar em João Lou­ren­ço e, não po­den­do fa­zê-lo pe­las ra­zões aci­ma apre­sen­ta­das, de­ci­di ma­ni­fes­tar a mi­nha opi­nião. P.S. Po­de­rão acu­sar-me de eu es­tar a imis­cuir-me nos as­sun­tos in­ter­nos de An­go­la e re­co­men­dar-me a olhar pa­ra o meu país. Es­se ar­gu­men­to es­tá gas­to.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.