FA­ZER FI­LHOS É CON­NOS­CO!

Folha 8 - - DESPORTO -

Em al­gu­mas pro­vín­ci­as ru­rais an­go­la­nas as mu­lhe­res che­gam a ter pe­lo me­nos oi­to fi­lhos, com in­ter­va­los en­tre par­tos que che­gam a ser de um ano, con­clui o re­la­tó­rio fi­nal do Inqué­ri­to de In­di­ca­do­res Múl­ti­plos de Saúde (IIMS) 2015/2016. O mes­mo es­tu­do re­ve­la que 22 em ca­da 100 mu­lhe­res as­su­me vi­ver nu­ma união po­lí­ga­ma, com um ho­mem e vá­ri­as com­pa­nhei­ras. Nu­ma aná­li­se à si­tu­a­ção das mu­lhe­res com ida­des en­tre os 15 e os 49 anos, o es­tu­do, re­a­li­za­do pe­lo Ins­ti­tu­to Na­ci­o­nal de Es­ta­tís­ti­ca (INE) an­go­la­no em con­jun­to com o Mi­nis­té­rio da Saúde, re­fe­re que a ta­xa glo­bal de fe­cun­di­da­de em An­go­la é de 6,2 fi­lhos por mu­lher, sen­do mais ele­va­da nas áre­as ru­rais (8,2) do que nas áre­as ur­ba­nas (5,3). Ou se­ja, em mé­dia, as mu­lhe­res que vi­vem nas áre­as ru­rais têm mais três fi­lhos do que as mu­lhe­res das áre­as ur­ba­nas. A ta­xa glo­bal de fe­cun­di­da­de va­ria de 4,5 fi­lhos em Lu­an­da, a ca­pi­tal an­go­la­na, pa­ra 8,6 fi­lhos na pro­vín­cia do Bié, no cen­tro do país. Além dis­so, o IIMS, que te­ve a as­sis­tên­cia téc­ni­ca do Fun­do das Na­ções Uni­das pa­ra a In­fân­cia (Uni­cef), con­clui que o in­ter­va­lo mé­dio en­tre nas­ci­men­tos au­men­ta acen­tu­a­da­men­te com a ida­de, de 24,9 me­ses en­tre as mães de 15 aos 19 anos, pa­ra 36,1 me­ses en­tre as mu­lhe­res de 40 a 49 anos. Já à me­di­da que o ní­vel de es­co­la­ri­da­de e so­ci­o­e­co­nó­mi­co au­men­ta, a ta­xa de fe­cun­di­da­de di­mi­nui. Nas ca­ma­das só­ci­o­e­co­nó­mi­cas mais baixas, o es­tu­do re­fe­re que o in­ter­va­lo en­tre par­tos che­ga a ser, em mé­dia, de ape­nas 11,5 me­ses. “Adi­ar os pri­mei­ros nas­ci­men­tos e alar­gar o in­ter­va­lo en­tre os par­tos con­tri­buí­ram pa­ra a re­du­ção dos ní­veis de fe­cun­di­da­de em mui­tos paí­ses. Em con­tra­par­ti­da, os in­ter­va­los cur­tos en­tre os par­tos, me­nos de 24 me­ses, po­dem con­du­zir a gra­ves con­sequên­ci­as pa­ra as mães e os re­cém-nas­ci­dos, tais co­mo par­tos pre­ma­tu­ros, pe­so bai­xo à nas­cen­ça e mor­tes”, ad­mi­te o es­tu­do, nas su­as con­clu­sões. Em An­go­la, uma em ca­da três mu­lhe­res te­ve o pri­mei­ro par­to an­tes dos 18 anos e mais de me­ta­de (55%) te­ve o pri­mei­ro par­to an­tes dos 20 anos. “A pro­cri­a­ção em ten­ra ida­de es­tá igual­men­te as- so­ci­a­da a ris­cos e ao au­men­to de com­pli­ca­ções du­ran­te a gra­vi­dez e no par­to, o que per­faz ta­xas mais ele­va­das de mor­ta­li­da­de ne­o­na­tal”, su­bli­nha o es­tu­do. Por ou­tro la­do, um to­tal de 22 em ca­da 100 mu­lhe­res an­go­la­nas as­su­me vi­ver nu­ma união po­lí­ga­ma, com um ho­mem e vá­ri­as com­pa­nhei­ras, fe­nó­me­no que se ve­ri­fi­ca so­bre­tu­do nas áre­as ru­rais. De acor­do com os da­dos do es­tu­do, a re­la­ção po­lí­ga­ma é mais as­su­mi­da pe­las mu­lhe­res (22%), en­quan­to ape­nas 8% dos ho­mens “de­cla­ra­ram ter du­as es­po­sas ou mais”. “À me­di­da que o ní­vel so­ci­o­e­co­nó­mi­co au­men­ta, di­mi­nui a po­li­ga­mia”, re­co­nhe­ce o IIMS, acres­cen­tan­do que a per­cen­ta­gem de mu­lhe­res “com uma ou mais co-es­po­sas au­men­ta com a ida­de”. Va­ria de 9% en­tre as mu­lhe­res de 15 a 19 anos e 33% en­tre as mu­lhe­res de 45 a 49 anos. Além dis­so, a per­cen­ta­gem de mu­lhe­res com, pe­lo me­nos, uma co-es­po­sa é mai­or nas áre­as ru­rais (29%) do que nas áre­as ur­ba­nas (18%) e as mu­lhe­res com me­nor ní­vel de es­co­la­ri­da­de “são mais pro­pen­sas a ter co-es­po­sas”, já que 28% das que de­cla­ra­ram não ter es­co­la­ri­da­de as­su­mi­ram ter uma ou mais co-es­po­sas, con­tra 13% das mu­lhe­res com ní­vel se­cun­dá­rio ou su­pe­ri­or. O es­tu­do re­co­nhe­ce igual­men­te que a per­cen­ta­gem de mu­lhe­res em uniões po­li­gâ­mi­cas va­ria con­so­an­te a pro­vín­cia, sen­do mais bai­xa em Lu­an­da (14%) e na Lun­da Nor­te (13%), e mais ele­va­da no Ku­an­za Nor­te (42%). No ca­so dos ho­mens, o IIMS apon­ta que o nú­me­ro de es­po­sas “au­men­ta com a ida­de”, ou se­ja, va­ria de 2% nos ho­mens de 20 a 24 anos, pa­ra 14% en­tre os 45 e os 49 anos. Os re­sul­ta­dos do IIMS 2015/2016 mos­tram que 55% das mu­lhe­res e 48% dos ho­mens, en­tre os 15 e os 49 anos, são ca­sa­dos ou vi­vem em união de fac­to. Por ou­tro la­do, 92% dos ho­mens ca­sa­dos ou em união de fac­to de­cla­ra­ram ter ape­nas uma es­po­sa e 8% de­cla­ra­ram ter du­as es­po­sas ou mais. Em mé­dia, as mu­lhe­res an­go­la­nas têm a pri­mei­ra re­la­ção se­xu­al aos 16,6 anos, en­quan­to os ho­mens aos 16,4 anos.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.