POR­TU­GAL E O RE­GI­ME DO MPLA (AN­GO­LA é OU­TRA COI­SA)

Folha 8 - - POLÍTICA -

O mi­nis­tro dos Ne­gó­ci­os Es­tran­gei­ros de Por­tu­gal, que – se­gun­do as su­as pró­pri­as pa­la­vras – “foi man­da­ta­do pe­lo Pre­si­den­te Jo­sé Edu­ar­do dos San­tos”, afir­mou no dia 22 de Fe­ve­rei­ro que o Go­ver­no por­tu­guês con­ti­nu­a­va a pre­pa­rar a vi­si­ta do pri­mei­ro-mi­nis­tro a An­go­la, en­tão pre­vis­ta pa­ra a Pri­ma­ve­ra, de­pois de Lu­an­da ter adi­a­do a des­lo­ca­ção da mi­nis­tra da Jus­ti­ça. “Os pre­pa­ra­ti­vos pa­ra a vi­si­ta do pri­mei­ro-mi­nis­tro, da par­te por­tu­gue­sa, con­ti­nu­am nor­mal­men­te. Nós apre­sen­tá­mos vá­ri­as da­tas pos­sí­veis pa­ra a vi­si­ta se re­a­li­zar e es­pe­ra­mos uma res­pos­ta das au­to­ri­da­des an­go­la­nas”, dis­se na al­tu­ra Au­gus­to San­tos Sil­va. Re­cor­de-se que o mi­nis­tro por­tu­guês veio a des­pa­cho a Lu­an­da, en­tre 10 e 12 de Fe­ve­rei­ro, pa­ra re­for­çar a co­o­pe­ra­ção bi­la­te­ral e pre­pa­rar uma vi­si­ta de An­tó­nio Cos­ta. Entenda-se o sig­ni­fi­ca­do po­lí­ti­co da ex­pres­são “re­for­çar a co­o­pe­ra­ção bi­la­te­ral”: au­men­tar o ín­di­ce de ba­ju­la­ção e sub­ser­vi­ên­cia em re­la­ção ao re­gi­me do MPLA. Ques­ti­o­na­do na al­tu­ra se ha­via al­gu­ma re­ser­va do Go­ver­no an­go­la­no so­bre a even­tu­al vi­si­ta do pri­mei­ro-mi­nis­tro por­tu­guês, San­tos Sil­va res­pon­deu: “Não me pa­re­ce que ha­ja aqui qual­quer re­ser­va, mas ve­re­mos”. Aliás, se hou­ver, o pro­ble­ma re­sol­ve-se au­men­tan­do os de­ci­béis da ba­ju­la­ção e, ain­da, ar­ran­jan­do ma­nei­ra de ar­qui­var to­dos os pro­ces­sos ju­di­ci­ais que en­vol­vam al­tos dig­ni­tá­ri­os do re­gi­me. O che­fe da di­plo­ma­cia por­tu­guês su­bli­nhou de­pois que a co­o­pe­ra­ção en­tre Lis­boa e Lu­an­da “che­gou a um pa­ta­mar que pe­de e jus­ti­fi­ca uma vi­si­ta ao mais al­to ní­vel”. “No ca­so de An­go­la, da­da a na­tu­re­za exe­cu­ti­va das ques­tões em cau­sa, pa­re­ce que faz sen­ti­do ha­ver uma vi­si­ta do pri­mei­ro-mi­nis­tro por­tu­guês. As au­to­ri­da­des an­go­la­nas con­cor­dam com es­ta ava­li­a­ção e por­tan­to sus­ten­tam que a pró­xi­ma vi­si­ta se­ja ao mais al­to ní­vel. Aliás, o meu co­le­ga dos Ne­gó­ci­os Es­tran­gei­ros, Ge­or­ges Chi­ko­ti, já anun­ci­ou is­so em Por­tu­gal no ano pas­sa­do”, dis­se San­tos Sil­va. Nes­te mo­men­to, os dois paí­ses pro­cu­ram en­con­trar “as da­tas mais con­ve­ni­en­tes pa­ra as du­as par­tes”, acres­cen­tou o mi­nis­tro por­tu­guês ten­tan­do ta­par o sol com uma pe­nei­ra de mo­do a que as da­tas ocul­tem o re­al mo­ti­vo de to­das es­tas ques­tões: a acu­sa­ção de cor­rup­ção ac­ti­va ao ain­da vi­ce-pre­si­den­te de An­go­la, Ma­nu­el Vi­cen­te. So­bre o adi­a­men­to, ain­da ho­je sem no­va da­ta, da vi­si­ta da mi­nis­tra da Jus­ti­ça por­tu­gue­sa, Fran­cis­ca Van Dú­nem, o che­fe da di­plo­ma­cia por­tu­gue­sa re­fe­riu que Por­tu­gal e An­go­la pro­cu­ra­rão re­a­gen­dar es­ta des­lo­ca­ção. Sim­ples, não é? Era se nós fôs­se­mos to­dos o que Au­gus­to San­tos Sil­va pen­sa que so­mos: ma­tum­bos. Ques­ti­o­na­do so­bre qual foi a ex­pli­ca­ção do Go­ver­no an­go­la­no, Au­gus­to San­tos Sil­va res­pon­deu: “A jus­ti­fi­ca­ção apre­sen­ta­da foi a ne­ces­si­da­de de re­pon­de­rar no­va da­ta”. Por­tu­gal vai tam­bém re­pon­de­rar… a bem da na­ção, co­mo di­zia An­tó­nio de Oli­vei­ra Sa­la­zar. In­ter­ro­ga­do so­bre se es­ta de­ci­são do exe­cu­ti­vo de Lu­an­da po­de­ria es­tar li­ga­da à acu­sa­ção ao vi­ce-Pre­si­den­te an­go­la­no, Ma­nu­el Vi­cen­te, pe­lo Mi­nis­té­rio Pú­bli­co por­tu­guês, no âm­bi­to da “Ope­ra­ção Fizz”, re­la­ci­o­na­da com cor­rup­ção e bran­que­a­men­to de ca­pi­tais, o mi­nis­tro su­bli­nhou a se­pa­ra­ção en­tre po­der exe­cu­ti­vo e ju­di­ci­al. “Do pon­to de vis­ta das au­to­ri­da­des por­tu­gue­sas, os pla­nos são com­ple­ta­men­te di­fe­ren­tes”, dis­se. Pois é. Mas em An­go­la, sob a su­pe­ri­or e di­vi­na ori­en­ta­ção de sua ma­jes­ta­de o rei Jo­sé Edu­ar­do dos San­tos, não há se­pa­ra­ção en­tre o po­der exe­cu­ti­vo e o ju­di­ci­al. Não há ago­ra co­mo nun­ca hou­ve nos úl­ti­mos 42 anos.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.