SO­NAN­GOL EO LEI­TE (MATERNO)

Folha 8 - - NACIONAL -

Cer­ta­men­te gra­ças à ex­pe­ri­ên­cia da Mãe Isa­bel dos San­tos, por si­nal Pre­si­den­te do Con­se­lho de Ad­mi­nis­tra­ção, e cer­ta­men­te com o inol­vi­dá­vel con­tri­bu­to do pe­ri­to que a em­pre­sa foi con­tra­tar à RTP (Pau­lo Ca­tar­ro), a So­nan­gol de­di­ca-se ago­ra a fa­zer “jor­na­lis­mo”, uti­li­zan­do pa­ra es­se efei­to o seu si­te. No fi­nal do mês pas­sa­do, os lei­to­res fo­ram brin­da­dos com o tex­to: “Dia Mun­di­al da Ama­men­ta­ção – O lei­te materno é o me­lhor ali- men­to pa­ra o be­bé”. Elo­gi­an­do a ini­ci­a­ti­va da pe­tro­lí­fe­ra do re­gi­me e a sua en­tra­da, que es­pe­ra­mos se­ja du­ra­dou­ra, no mun­do da in­for­ma­ção que exis­te pa­ra além do pe­tró­leo, o F8 re­pro­duz na ín­te­gra, com a de­vi­da vé­nia, o res­pec­ti­vo ar­ti­go: “Nos di­as de ho­je, ape- nas 38% das cri­an­ças no mun­do são ali­men­ta­das ex­clu­si­va­men­te de lei­te materno nos pri­mei­ros seis me­ses de vi­da, de acor­do com os da­dos da Or­ga­ni­za­ção Mun­di­al de Saú­de. E es­te fac­to é tão mais pre­ju­di­ci­al pa­ra os bé­bés, que não se ali­men­tam des­ta for­ma, por­quan­to o lei­te materno é o úni­co ali­men­to que for­ne­ce nu­tri­en­tes na­tu­rais, e que são fun­da­men­tais pa­ra o cres­ci­men­to e de­sen­vol­vi­men­to sau­dá­vel da cri­an­ça. O lei­te da mãe com­ba­te as in­fec­ções, pro­te­ge con­tra bac­té­ri­as e ví­rus, e evi­ta as di­ar- rei­as, além de cons­ti­tuir o mé­to­do mais ba­ra­to e se­gu­ro de ali­men­ta­ção neo-na­tal. Or­ga­ni­za­ção Mun­di­al da Saú­de re­co­men­da que até aos 6 me­ses de vi­da o be­bé se­ja ali­men­ta­do ex­clu­si­va­men­te de lei­te materno. Ou­tros ali­men­tos, co­mo pa­pas, so­pas, água, etc., só de­vem en­trar na di­e­ta ali­men­tar da cri­an­ça após es­se pe­río­do de seis me­ses. Con­tu­do, até aos 2 anos, es­ses ali­men­tos de­vem com­ple­men­tar o lei­te e não con­tri­buir pa­ra a eli­mi­na­ção do rit­mo ali­men­tar. Se­gun­do o Ins­ti­tu­to Na­ci­o­nal de Es­ta­tís­ti­ca

(INE), no Inqué­ri­to de In­di­ca­do­res Múl­ti­plos e de Saú­de 2015-2016 de An­go­la, o iní­cio pre­co­ce da ama­men­ta­ção é im­por­tan­te pa­ra a cri­an­ça mas tam­bém pa­ra a mãe. O pri­mei­ro lei­te materno con­tém co­los­tro, que é al­ta­men­te nu­tri­ti­vo, e pos­sui an­ti­cor­pos que pro­te­gem o re­cém-nas­ci­do con­tra do­en­ças. A ama­men­ta­ção en­co­ra­ja igual­men­te a cri­a­ção de laços en­tre a mãe e o re­cém-nas­ci­do, fa­ci­li­tan­do a pro­du­ção re­gu­lar do lei­te materno. As­sim, re­co­men­da-se que as cri­an­ças se­jam ama­men­ta­das ime­di­a­ta­men­te após o nas­ci­men­to ou den­tro de uma ho­ra pós-par­to, de­sen­co­ra­jan­do-se a ali­men­ta­ção pré-lác­tea (dar ao re­cém-nas­ci­do tu­do me­nos lei­te materno an­tes des­te co­me­çar a ali­men­tar-se, com re­gu­la­ri­da­de, di­rec­ta­men­te do pei­to da mãe). Em­bo­ra a ama­men­ta­ção exclusiva du­ran­te os pri­mei­ros seis me­ses de vi­da se­ja im­por­tan­te pa­ra a so­bre­vi­vên­cia e o bem-es­tar da cri­an­ça, é igual­men­te im­por­tan­te que os ali­men­tos com­ple­men­ta­res se­jam in­tro­du­zi­dos atem­pa­da­men­te, uma vez que o lei­te materno não for­ne­ce a nu­tri­ção ade­qua­da pa­ra os be­bés com mais de 6 me­ses de ida­de. Em An­go­la, a mai­o­ria das cri­an­ças com mais de 6 me­ses con­so­me ali­men­tos com­ple­men­ta­res cor­res­pon­den­do às in­di­ca­ções do Mi­nis­té­rio da Saú­de so­bre prin­cí­pi­os de nu­tri­ção in­fan­til. De acor­do com es­ta­tís­ti­cas do INE, a du­ra­ção mé­dia de qual­quer ti­po de alei­ta­men­to materno é de 18,7 me­ses, en­quan­to a du­ra­ção mé­dia de alei­ta­men­to materno ex­clu­si­vo é de 3,1 me­ses e a de alei­ta­men­to materno pre­do­mi­nan­te de 5,2 me­ses. As prin­ci­pais van­ta­gens da ama­men­ta­ção pa­ra a saú­de do bé­bé são o com­ba­te as in­fec­ções, o de­sen­vol­vi­men- to sen­so­ri­al e cog­ni­ti­vo da cri­an­ça, a pro­tec­ção con­tra as aler­gi­as, a pre­ven­ção de in­fec­ções gas­troin­tes­ti­nais, uri­ná­ri­as e res­pi­ra­tó­ri­as, al­te­ra­ções or­todôn­ti­cas de fa­la e di­mi­nui­ção nas in­ci­dên­ci­as de cá­rie, a me­lho­ria da nu­tri­ção, a di­mi­nui­ção do ris­co de obe­si­da­de, hi­per­ten­são e co­les­te­rol ele­va­do. Pa­ra a mãe, a ama­men- ta­ção aju­da o úte­ro a re­gres­sar mais ra­pi­da­men­te ao seu ta­ma­nho nor­mal, pro­te­ge con­tra o can­cro da ma­ma e dos ová­ri­os, pre­vi­ne frac­tu­ras ós­se­as por os­te­o­po- ro­se, o ris­co de ar­tri­te reu­ma­toi­de, fa­ci­li­ta o re­tor­no do pe­so pré-ges­ta­ci­o­nal e re­duz, de for­ma sig­ni­fi­ca­ti­va, a an­si­e­da­de e de­pres­são pós-par­to.”

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.