É A ÚL­TI­MA VEZ QUE TE­RE­MOS AS FA­VAS CON­TA­DAS?

Folha 8 - - CRÓNICA - REGINALDO SIL­VA*

Oque o Juíz Ono­fre San­tos (OS) de­ve fa­zer é ver, quan­do o pro­ces­so (ou a pro­cis­são?) che­gar ao TC, se ao ní­vel das Co­mis­sões Pro­vin­ci­ais Eleitorais to­das as fa­vas, as pre­tas e as bran­cas, fo­ram mes­mo to­das con­ta­das com ba­se nas ac­tas das ope­ra­ções eleitorais (me­sas de vo­to) em con­fron­to com as ac­tas sín­te­ses de ca­da as­sem­bleia de vo­to. É is­to que ago­ra es­tá em cau­sa.tal co­mo os “ba­nhos de mul­ti­dão”, o “apu­ra­men­to pro­vi­só­rio” do Spe­ed Gon­za­lez tam­bém já per­ten­ce ao pas­sa­do. OS pe­los vis­tos já quer sau­dar o “aba­de elei­to” e en­trar na “pro­cis­são”, sem ain­da es­ta­rem de­vi­da­men­te con­ta­das to­das as fa­vas con­for­me man­da a lei. OS tam­bém se “esquece” que em 2017 em An­go­la o pro­ble­ma já não é só a elei­ção do aba­de me­di­e­val que ins­pi­rou a sua cró­ni­ca que es­tá a ser vis­ta aqui pe­la “ple­be” co­mo mais um fre­te des­ne­ces­sá­rio, ten­do em con­ta a sua ele­va­da po­si­ção de “ca­va­lei­ro do rei­no”. No nos­so “con­ven­to” o aba­de é elei­to, mas os mon­ges tam­bém o são. Há mui­tas pes­so­as co­mo eu, que pa­ra além de não gos­ta­rem mui­to ou qua­se na­da de “pro­cis­sões”, es­tão mais pre­o­cu­pa­das com a elei­ção dos mon­ges do que do pró­prio aba­de. Es­te se­ja quem for, não lhe in­ve­jo mi­ni­ma­men­te a sor­te, se é que vai ter al­gu­ma, num país on­de mui­to pou­cos sa­be­rão exac­ta­men­te on­de é que es­tão os seus co­fres-for­tes e quan­to é que te­rão lá den­tro en­tre dí­vi­das e mais dí­vi­das. O aba­de que se pre­pa­re pa­ra tu­do, pois vai ver o “di­a­bo a as­sar sar­di­nhas”. No nos­so “con­ven­to” al­guns de nós acre­di­tam pi­a­men­te que se o aba­de es­ti­ver reu­ni­do/ro­de­a­do por um nú­me­ro ca­da vez mais con­si­de­rá­vel de mon­ges que pen­sam di­fe­ren­te de­le, mui­to me­lhor se­rá pa­ra a “pro­cis­são na­ci­o­nal”. Os que ain­da pen­sam co­mo o ou­tro cro­nis­ta, que es­ta se­gun­da-fei­ra vol­tou à car­ga no “nos­so Prav­da”, que o pro­ble­ma é ape­nas a “ges­tão da mai­o­ria qua­li­fi­ca­da”, só po­dem es­tar a olhar pa­ra um ou­tro país, por­que nes­te que é go­ver­na­do há 42 anos com a re­fe­ri­da su­pre­ma­cia, es­te pro­ble­ma nun­ca exis­tiu, por­que não é um pro­ble­ma, sen­do an­tes de mais uma con­di­ção in­dis­pen­sá­vel e in­trín­se­ca da pró­pria go­ver­na­ção, de uma go­ver­na­ção que só não é de­cla­ra­da im­pró­pria pa­ra o con­su­mo na­ci­o­nal por cau­sa da tal “clas­si­fi­ca­da”. Só as­sim quem nos go­ver­na “sa­be” go­ver­nar, o que con­ve­nha­mos nem mé­ri­to che­ga a ter. Os re­sul­ta­dos des­ta “sa­pi­ên­cia” es­tão à vis­ta e ain­da só nos mos­tra­ram a pon­ta do ice­berg, sen­do, con­tu­do, es­ta amos­tra mais do que su­fi­ci­en­te pa­ra nos con­ven­cer que o “Ti­ta­nic” pre­ci­sa ur­gen­te­men­te de um ou­tro ru­mo, on­de o aba­de te­nha ne­ces­si­da­de de ou­vir mais os con­se­lhos de to­dos os mon­ges, par­ti­cu­lar­men­te da­que­les que pen­sam pe­la sua ca­be­ça e não têm re­ceio de tra­du­zir em nú­me­ros ver­da­dei­ros e abor­da­gens ob­jec­ti­vas o país re­al. Uma vez mais e de­pois de tu­do quan­to de ro­cam­bo­les­co acon­te­ceu em ma­té­ria de pe­ri­pé­ci­as na ho­ra da con­ta­gem/apu­ra­men­to dos vo­tos, o país vai sair des­tas elei­ções com mais dú­vi­das do que cer­te­zas, quan­to aos re­sul­ta­dos ver­da­dei­ros ex­pres­sos nas ur­nas. Pa­ra não va­ri­ar mui­to a “di­e­ta” an­te­ri­or. Com ba­se nos re­sul­ta­dos de Lu­an­da, a úni­ca cer­te­za que te­mos nes­ta al­tu­ra, é que es­ta “di­e­ta das fa­vas” po­de ter si­do a úl­ti­ma tão “de­se­qui­li­bra­da” que nos é ser­vi­da por uma “bi­cé­fa­la” Co­mis­são Na­ci­o­nal Elei­to­ral que de tão po­lé­mi­ca nos seus cri­té­ri­os, aca­bou por ser vis­ta co­mo mais um dos con­cor­ren­tes des- te plei­to que não fi­gu­rou no bo­le­tim de vo­to. A par­tir de ago­ra as elei­ções vão dei­xar de ser fa­vas con­ta­das.se is­to acon­te­cer de fac­to con­for­me sem­pre foi nos­so de­se­jo des­de que em 1992 fo­mos cha­ma­dos pe­la pri­mei­ra vez às ur­nas, já não se­rá na­da mau pa­ra o fu­tu­ro des­te país e te­rão va­li­do a pe­na to­dos os sa­pos que mais uma vez fo­mos for­ça­dos a en­go­lir. ========= PS- Es­te post é uma ré­pli­ca ao tex­to da sua au­to­ria, que o Juíz Con­se­lhei­ro do Tri­bu­nal Cons­ti­tu­ci­o­nal, Ono­fre dos San­tos, me fez che­gar com o tí­tu­lo “Fa­vas Con­ta­das”.https://www. darkhor­se­tail.com/sin­gle-POST/2017/09/02/FA­VAS-CON­TA­DAS *In Mor­ro da Mai­an­ga

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.