DIÁ­RIO DA CI­DA­DE DOS LEILÕES DE ES­CRA­VOS

Folha 8 - - CRÓNICA -

ES­TA­DO DE SÍ­TIO, OU O ADEUS DE AN­GO­LA À DE­MO­CRA­CIA “A di­fe­ren­ça fun­da­men­tal en­tre as du­as re­li­giões da de­ca­dên­cia: o bu­dis­mo não pro­me­te, mas as­se­gu­ra. O cris­ti­a­nis­mo pro­me­te tu­do, mas não cum­pre na­da.” (Ni­etzs­che, 1844-1900) São seis ho­ras e cin­quen­ta mi­nu­tos do dia 05/08/17, o lo­cu­tor de ser­vi­ço na Rá­dio Des­per­tar diz que an­tes de che­gar viu pe­lo ca­mi­nho mui­tos po­lí­ci­as, e que jun­to à emis­so­ra es­ta­vam dois car­ros com po­lí­ci­as. Pen­sa­ti­vo, ele per­gun­tou se a ci­da­de es­ta­va sob es­ta­do de sí­tio. A ma­na Ma­nu­e­la tam­bém dis­se que jun­to ao quin­tal da sua ca­sa e mais adi­an­te es­ta­vam gru­pos de dois po­lí­ci­as dis­far­ça­dos, as­sim ti­po co­mo quem não quer a coi­sa. Cla­ro que to­da a gen­te se per­gun­ta­va co­mo é pos­sí­vel tal apa­ra­to po­li­ci­al se o par­ti­do eter­na­men­te mai­o­ri­tá­rio mais uma vez ga­nhou fa­cil­men­te as elei­ções, tam­bém mais uma vez sem opo­si­ção que lhe fa­ça fren­te. En­tão se to­da a gen­te vo­tou ne­le, en­tão es­se tan­to me­do é me­do de quê, de quem? Não ou­vi, nem ti­ve co­nhe­ci­men­to de al­guém aqui na ban­da que fes­te­jas­se a vi­tó­ria es­ma­ga­do­ra da con­sa­gra­ção do par­ti­do em que to­da a gen­te ne­le vo­ta. Es­tou con­vic­to que es­te par­ti­do tem mui­ta ma­gia, mui­ta fei­ti­ça­ria, se­rá que fez um pac­to com o de- mó­nio? Com­pra tu­do e to­dos com o seu di­nhei­ro, e pa­re­ce que des­ta vez con­se­guiu com­prar to­dos os sa­cer­do­tes das igre­jas, tal era o in­fin­dá­vel nú­me­ro de­les que des­fi­la­va na pas­sa­re­la da TPA, te­le­vi­são do po­der de An­go­la, a cé­le­bre te­le­vi­são que por is­so mes­mo tam­bém lhe cha­mam o par­ti­do do di­nhei­ro. Foi di­to que eles re­ce­be­ram co­mo pa­ga­men­to vin­do do céu, pois o par­ti­do que eles ele­ge­ram e de­fen­de­ram re­ce­be­ram or­dens di­vi­nas as quais ze­lo­sa­men­te cum­pri­ram. Deus M pa­gou-lhes prin­ci­pes­ca­men­te car­ros e ca­sas, co­mo di­to por al­guém que não me lem­bro do no­me, na Rá­dio Des­per­tar. Sem dú­vi­da ne­nhu­ma que es­tas elei- ções fo­ram uma or­gia, uma por­no­gra­fia elei­to­ral. An­go­la con­ti­nua sem lí­de­res. To­dos o que­rem ser, mas nin­guém o é, o con­se­gue ser, por­que não têm es­ta­le­ca pa­ra tal. En­tão, é o ma­ras­mo. Per­to, ou­ve-se o som de gra­lhas e is­to faz lem­brar os par­ti­dos po­lí­ti­cos. É só gra­lhar, gra­lhar, va­ci­lar, va­ci­lar. Mui­tas gra­lhas, mui­ta vo­ze­a­ria, mui­tos po­lí­ti­cos noc­tur­nos. Um po­lí­ti­co tem que ser co­mo um bom es­cri­tor que nun­ca es­cre­ve pa­ra o pre­sen­te, es­cre­ve sem­pre pa­ra o fu­tu­ro. E de­pois de qua­ren­ta e tal anos ver tu­do a es­fu­mar-se co­mo se na­da mais res­tas­se. Quan­do uma pes­soa não tem aces­so à In­ter­net, a is­so cha­ma-se o ul­tra­pas­sar do cu­me da mi­sé­ria, quer di­zer, mui­to pa­ra além dos pri­mi­ti­vos que vi­vi­am nas ca­ver­nas. Es­tou na va­ran­da do pré­dio, olho pa­ra a rua e ve­jo um po­bre cão que co­xeia a le­var pan­ca­da com o res­to de uma tá­bua re­ti­ra­da do li­xo. O po­bre ani­mal es­que­lé­ti­co sob a im­po­si­ção do po­der da fo­me, que di­ga-se de pas­sa­gem é o po­der mais po­de­ro­so do mun­do, qua­se que não se po­de mo­ver. Olha pi­e­do­sa­men­te pa­ra que lhe de­em al­go pa­ra co­mer, por is­so se apro­xi­mou de um cai­xo­te do li­xo, e lá só tem pan­ca­da de de­su­ma­nos que se sen­tem mu­to fe­li­zes em ver o so­fri­men­to de ani­mais in­de­fe­sos. Mais pan­ca­da le­va de to­dos

os que pas­sam por ele. Que de­su­ma­na so­ci­e­da­de que tal gen­te não me­re­ce. Cla­ro que quem ma­ta sel­va­ti­ca­men­te um po­bre ani­mal tam­bém ma­ta pes­so­as. Se a sel­va­ja­ria do­mi­na, o fu­tu­ro tor­na-se ine­xis­ten­te por­que se ma­ta gra­tui­ta­men­te. É tão sim­ples co­mo is­to. Cão, o me­lhor ami­go do ho­mem, mas o ho­mem é o pi­or ini­mi­go de­le. Pai ma­lu­co, mãe ma­lu­ca, os fi­lhos so­frem. E ain­da di­zem que so­mos to­dos iguais, em quê? Sim, as pro­pa­gan­das ali­e­nan­tes têm ra­zão quan­do di­zem que so­mos to­dos iguais. Sim, so­mos to­dos iguais na idi­o­ti­ce mas na in­te­li­gên­cia não, ja­mais se­re­mos iguais. É um ban­co ou uma can­ti­na? Ban­co Mil­len­nium An­go­la na rua rei Katya­va­la em Lu­an­da: um ami­go con­tou-me que foi lá na ho­ra do al­mo­ço, fi­ze­ram-lhe es­pe­rar meia ho­ra pa­ra o aten­der por­que es­ta­vam to­dos a co­mer. Pa­ra con­se­guir o car­tão do mul­ti­cai­xa te­ve que es­pe­rar oi­to di­as. A so­lu­ção pa­ra o po­vo an­go­la­no já es­tá pron­ta, é a mor­te pe­la fo­me. O cer­to é que es­tou en­ca­lha­do nes­ta tram­pa e não sei co­mo me de­sen­ca­lhar, me lim­par. E tu­do is­to ruiu. O po­vo mu­am­go­lé tem mui­tos pas­to­res, lo­go tem mui­tas igre­jas. É um po­vo de pas­to­res e de ana­lis­tas des­por­ti­vos. Tem tam­bém mui­tos po­lí­ti­cos, mas téc­ni­cos e en­ge­nhei­ros ra­rei­am. Is­to es­tá de tal ma­nei­ra que até pa­re­ce que os di­as es­tão do­en­tes. On­de nin­guém res­pei­ta a lei, on­de qual­quer é lei, não é pos­sí­vel re­a­li­zar elei­ções. Quan­do nem os fi­lhos se apro­vei­tam, o que res­ta da es­pe­ran­ça de­sa­pa­re­ce e a es­cu­ri­dão re­a­pa­re­ce. Ví­ti­ma da per­fí­dia hu­ma­na, tu­do em que acre­di­tei, tu­do ruiu. Ain­da me cus­ta a acre­di­tar que is­to se­ja ver­da­de, mas já não res­tam dú­vi­das. O so­nho ter­mi­nou. Com tal exem­plo elei­to­ral não dá pa­ra acre­di­tar na Áfri­ca. Só dá von­ta­de pa­ra rir. E a jo­gar na ex­tre­ma mi­sé­ria já ga­nhei o cam­pe­o­na­to. Vi­vo de es­mo­las dos vi­zi­nhos mas eles já me co­me­çam a fu­gir por­que já es­tão can­sa­dos de me atu­rar por­que já pa­ra eles sou mais uma mos­ca pa­ra en­xo­tar. Aqui pa­ra re­sol­ver al­gu­ma coi­sa, é mu­to sim­ples: não se re­sol­ve na­da. A ma­na Mó­ni­ca con­fi­den­ci­ou que uma quin- gui­la mor­reu, e que em vi­da en­ri­que­ceu por­que ma­tou a fa­mí­lia se­guin­do instruções do fei­ti­cei­ro. A ma­na Mó­ni­ca tam­bém dis­se que um mo­ço pa­ra não atro­pe­lar uma ve­lha des­vi­ou-se tra­gi­ca­men­te, o seu car­ro ca­po­tou, ain­da con­se­guiu ras­te­jar e pe­dir aju­da. Mas os que de­le se apro­xi­ma­vam me­ti­am-lh­se as mãos nos bol­sos, rou­ba­ram-lhe o te­le­mó­vel e mais o que con­se­gui­ram rou­bar. Ele in­sis­tia no pe­di­do de so- cor­ro mas nin­guém se pre­o­cu­pa­va e lá mor­reu aban­do­na­do. Por­que se­rá que a vul­gar epi­de­mia de có­le­ra não sai de Áfri­ca? Não se con­se­gue ven­cer? Só is­to dá mui­to ou pou­co que pen­sar. Oh, não tem na­da pa­ra pen­sar. Quan­do os po­lí­ti­cos fa­lam de­ma­si­a­do e se en­tram pe­la cons­tan­te re­pe­ti­ção, as pes­so­as ten­dem a afas­tar-se de­les por­que o en­fa­do das pa­la­vras tor­na-se mo­nó­to­no e da mo­no­to­nia sur­ge a per­da de con­fi­an­ça, o des­cré­di­to. Sem­pre as mes­mas vo­zes de ser­vi­ço num país as­sim é a ago­nia da de­mo­cra­cia. Há qua­ren­ta e tal anos que o lí­der que le­va­rá An­go­la à de­mo­cra­cia ain­da não nas­ceu. Até lá, qual rei Ar­tur com a sua es­pa­da má­gi­ca Ex­ca­li­bur, ou me­lhor, quan­do o nos­so Ulis­ses nas­cer, nas­ce­rá na­ção, um lí­der cam­peão. Por qu­an­tos mais anos con­ti­nu­a­re­mos des­co­man­da­dos sem lí­der? Nin­guém o sa­be, e tu­do a se­guir se exa­cer­ba­rá, e es­ta na­ção se ex­tin­gui­rá? “Não: plan­tai ba­ta­tas, ó ge­ra­ção de va­por e de pó de pe­dra, ma­ca­da­mi­zai es­tra­das, fa­zeis ca­mi­nhos-de-fer­ro, cons­truí pas­sa­ro­las de Íca­ro, pa­ra an­dar a qual mais de­pres­sa, es­tas ho­ras con- ta­das de uma vi­da to­da ma­te­ri­al, ma­çu­da e gros­sa co­mo ten­des fei­to es­ta que Deus nos deu tão di­fe­ren­te do que a que ho­je vi­ve­mos. An­dai, ganha-pães, an­dai; re­du­zi tu­do a ci­fras, to­das as con­si­de­ra­ções des­te mun­do a equa­ções de in­te­res­se cor­po­ral, com­prai, ven­dei, agi­o­tai. No fim de tu­do is­to, o que lu­crou a es­pé­cie hu­ma­na? Que há mais umas pou­cas dú­zi­as de ho­mens ri­cos. E eu per­gun­to aos eco­no­mis­tas po­lí­ti­cos, aos mo­ra­lis­tas, se já cal­cu­la­ram o nú­me­ro de in­di­ví­du­os que é for­ço­so con­de­nar à mi­sé­ria, ao tra­ba­lho des­pro­por­ci­o­na­do, à des­mo­ra­li­za­ção, à in­fâ­mia, à ig­no­rân­cia cra­pu­lo­sa, à des­gra­ça in­ven­cí­vel, à pe­nú­ria ab­so­lu­ta, pa­ra pro­du­zir um ri­co? - Que lho di­gam no Par­la­men­to in­glês, on­de, de­pois de tan­tas co­mis­sões de inqué­ri­to, já de­via an­dar or­ça­do o nú­me­ro de al­mas que é pre­ci­so ven­der ao di­a­bo, nú­me­ro de cor­pos que se tem de en­tre­gar an­tes do tem­po ao ce­mi­té­rio pa­ra fa­zer um te­ce­lão ri­co e fi­dal­go co­mo, Sir Ro­ber­to Pe­el, um mi­nei­ro, um ban­quei­ro, um gran­je­ei­ro, se­ja o que for: ca­da ho­mem ri­co, abas­ta­do, cus­ta cen­tos de in­fe­li­zes, de mi­se­rá­veis.” (Al­mei­da Gar­rett 1799-1854)

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.